Os boletins de Eliseu Padilha: da alta após 2 dias para indefinido

 
Jornal GGN – O ministro licenciado da Casa Civil, Eliseu Padilha, segue na sua licença médica, após realizar uma cirurgia de retirada de próstata. Apesar do êxito do procedimento, divulgado pelo hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, a alta inicial programada para a última quarta-feira (01) será adiada, mais uma vez.
 
Ainda na segunda-feira (27), data em que foi realizada a cirurgia do ministro, o hospital divulgou o boletim médico informando que a cirurgia “transcorreu sem intercorrências”, que “as condições gerais estão estáveis” e que a saída de Padilha do hospital poderia ocorrer já dois dias depois.
 
Entretanto, o ministro decidiu prolongar a sua licença médica. Adiou para esta segunda-feira (06) a volta às atividades. Em pleno avanço das delações da Odebrecht contra o ministro, na articulação de caixa dois para financiamento das campanhas eleitorais de 2014, Eliseu Padilha tomou alguns dias a mais, justificando com a a recuperação médica. 
 
O afastamento de Padilha ocorreu no mesmo dia em que seu nome foi arrolado pelo amigo e ex-assessor de Temer, José Yunes. E o adiamento da volta ao trabalho ocorre na semana em que os delatores da Odebrecht também o implicam em esquema de caixa dois ao PMDB.
 
Para esta semana estão previstas as audiências do ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, Claudio Melo Filho, e do ex-funcionário da Odebrecht, Alexandrino de Salles Ramos. Ambos deverão prestar depoimento ainda hoje ao ministro do TSE, relator da ação que pode cassar a chapa Dilma Russeff e Michel Temer, Herman Benjamin.
 
Cláudio Melo Filho foi o delator que narrou detalhes de como Michel Temer solicitou um repasse de R$ 10 milhões da Odebrecht ao PMDB, por meio de Eliseu Padilha, acordo que teria sido consolidado durante um jantar no Palácio do Jaburu, organizado pelo então vice-presidente da República, Temer.
 
Ainda está prevista uma lista de pedidos de investigação da Procuradoria-Geral da República, que deverá ser apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) e trazer Padilha como um dos nomes, uma vez que é o principal citado em delações da Odebrecht. 
 
 
O próprio hospital, que inicialmente fez a previsão de alta para dois dias após a cirurgia, modificou o boletim médico durante toda a semana passada. O último, divulgado no sábado, trazia um parecer completamente diferente do primeiro: “Não há previsão de alta hospitalar”, anunciava.
 
Acompanhe as modificações de todos os boletins publicados pelo hospital sobre Eliseu Padilha:
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora