Os pombos, crônica de uma tragédia anunciada II, por Fábio de Oliveira Ribeiro

por Fábio de Oliveira Ribeiro

Em 27/04/2016 publiquei aqui mesmo no GGN uma crônica sobre um fato curioso que presenciei http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/os-pombos-cronica-de-uma-tragedia-anunciada. Naquela oportunidade fiquei surpreso ao ver dois pombos disputando um pedaço de carne. Volto ao assunto porque ontem vi outro pombo em situação curiosa.

Em frente ao local onde tomo café da manhã um pombo perambulava com dificuldade a catar de migalhas de pão e pequenos insetos. Pobre ave, pensei, deve estar machucada.

O andar do pombo era lento e claudicante. De vez em quanto ele parava, sacudia uma das pernas e depois balançava a outra. Então voltava a caminhar com dificuldade até novamente parar para fazer os mesmos movimentos. Esqueci o café e os problemas. Que diabos este pombo está fazendo.

Aproximei-me dele com calma e vi o que estava ocorrendo. Um pedaço de linha de pipa havia enroscado nas pernas da ave e isto a fazia caminhar como os presidiários nos EUA. Não havia meio do pombo se livrar da armadilha urbana. Quanto mais sacudia as pernas melhor a trama dificultava seus movimentos. Pensei em ajudá-lo, mas quando terminei o café da manhã e ganhei a calçada ele saiu voando.

Os homens presos nos labirintos legais não podem fazer isto. Ícaro bem que tentou, mas acabou sendo depenado pelo calor do sol e se espatifou no chão.

Hoje me ocorreu que Michel Temer está na mesma situação que aquele pombo. As correntes que dificultam seus movimentos são evidentes. Ele não pode se livrar de Eduardo Cunha, pois o ex-presidente da Câmara vai afundar seu governo interino. Mas também não pode ficar amarrado ao bandido sem que isto o faça perder a exígua popularidade que desfruta.

Isto talvez explique a irracionalidade do governo Temer. Num dia Michel diz que fará o que Cunha lhe impõe. No outro volta atrás por causa da inevitável reação popular e jornalística. O governo Dilma Rousseff foi paralisado pelos ataques virulentos do PSDB, da imprensa e do setor do PMDB comandado por Eduardo Cunha/Michel Temer. O governo interino nasceu com as pernas amarradas e não conseguirá fazer absolutamente nada.

Leia também:  Na ONU, Brasil é o único país do planeta a apoiar EUA contra OMS

A “nadificação” da política é ruim para os negócios. É pior para a própria política. Afinal, a impaciência da direita e da esquerda com um governo ilegítimo raramente deixa de produzir violência organizada. Talvez seja melhor Michel Temer voar como aquele pombo.

Se deixar agora o cargo que conquistou através de um golpe de estado – e que não consegue exercer por causa do emaranhado que ele mesmo criou – o interino poderá desfrutar seu patrimônio e aposentadoria. Se não fizer isto o mais provável é que o Brasil exploda nas mãos dele. A conferir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Boa metáfora. Só que ele não

    Boa metáfora. Só que ele não tem como voar, amputou as asas para rastejar e se tentar levantar sofre de vertigens e estatela-se no asfalto. Coitado se ficar o bicho come se correr o bicho pega. E quem ganhou com isso foi o PT e Lula.

    Não demora e vamos ouvir aqui e ali os coxinhas dizendo: VOLTA LULA EU TE PERDOO. Isto não torcida, eu já ouvi um e vou ouvir muitos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome