Para entender a verdade do golpe no Brasil, por Glenn Greenwald

Enviado por Joaquim Silvério dos Reis

Mais um artigo da imprensa internacional comunista financiada pelos dólares dos irmãos Castro e pela mortadela de Pyong-Yang!

do The Intercept

Para Entender a Verdade no Brasil, Veja Quem Está Sendo Implantado na Presidência — e na Chefia das Finanças

por Glenn Greenwald

(This is a Portuguese translation of the article. For the original version in English, click here.)

NÃO É FÁCIL, para quem olha de fora, compreender todas as argumentações em jogo a respeito da crise política no Brasil e os esforços para depor sua presidente, Dilma Roussef, que venceu as eleições há apenas 18 meses, com 54 milhões de votos. A melhor maneira de entender a verdadeira natureza antidemocrática do que está acontecendo, no entanto, é olhar para a pessoa que os oligarcas brasileiros e suas organizações de mídia tentam empossar como Presidente: o Vice-Presidente Michel Temer, implicado em corrupção, extremamente impopular e servo fiel dos plutocratas. Dessa forma, torna-se claro o que realmente está acontecendo e porque o mundo deveria estar profundamente angustiado.

O chefe do New York Times no Brasil, Simon Romero, entrevistou Temer esta semana, e assim começa seu excelente artigo:

RIO DE JANEIRO – Uma pesquisa recente mostrou que apenas 2% dos brasileiros votariam nele. Ele está sob suspeita por conta de um depoimento que ligou seu nome a um enorme escândalo de propina. E uma alta corte da justiça decidiu que o Congresso deve considerar a abertura de impeachment contra ele.

O Vice-Presidente do Brasil Michel Temer está se preparando para assumir o Brasil no próximo mês se o Senado decidir depor a Presidente Dilma Roussef em julgamento.

Como alguém, em pleno domínio da razão, pode acreditar que o sentimento anti-corrupção é o que move os esforços da elite para depor Dilma, quando estão empossando alguém com acusações de corrupção muito mais sérias que as da Presidente? É uma farsa evidente. Mas há algo ainda pior.

BRAZIL – CHAMBER – IMPEACHMENT Photo: Dida Sampaio/Estadao via AP

A terceira pessoa na linha de sucessão presidencial, depois de Temer, foi apontada como um corrupto descarado: o fanático evangélico e presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (à direita). Foi ele quem encabeçou os procedimentos do impeachment, embora tenha sido descoberto, no ano passado, por enviar milhões de dólares oriundos de suborno para contas no Swiss Bank, depois de ter mentido ao Congresso quando negou que possuía qualquer conta em bancos estrangeiros. Quando Romero perguntou a Temer sobre sua postura diante de Cunha uma vez que assumisse o poder, ele respondeu assim:

O Sr. Temer defendeu a si mesmo e seus principais aliados que estão sob uma chuva de acusações no esquema. Ele expressou apoio a Eduardo Cunha, o infame líder da Câmara que está chefiando os esforços do impeachment no Congresso, dizendo que não pediria a renúncia a Cunha. O Sr. Cunha será o próximo na linha de sucessão presidencial se Temer sair.

Isso demonstra, por si só, a farsa que está ocorrendo aqui. Como disse meu parceiro, David Miranda, hoje pela manhã em seu editorial no Guardian: “Está claro que a corrupção não é a causa dos esforços para depor a duas vezes eleita presidente; na verdade, a corrupção é um mero pretexto”. Em resposta, as elites da mídia no Brasil vão argumentar (como fez Temer) que, uma vez que Dilma seja impedida, os outros políticos corruptos serão certamente responsabilizados, mas eles sabem que isso não é verdade: e o alarmante apoio de Temer a Cunha deixa isso claro.

De fato, reportagens indicam que Temer planeja nomear, como Advogado Geral da União – cargo chave do Governo na investigação da corrupção – um político especificamente indicado por Cunha para o cargo. Como explica o editorial de Miranda, “o verdadeiro plano por trás do impeachment de Dilma é terminar com as investigações em andamento, e portanto, proteger a corrupção, não puni-la.”

Há, no entanto, mais um motivo vital na base de tudo isso. Veja quem vai herdar o controle da economia e das finanças do Brasil uma vez que a eleição de Dilma seja anulada. Duas semanas atrás, a agência Reuters reportou que a primeira escolha de Temer para chefiar o Banco Central é o presidente do Goldman Sachs no Brasil, Paulo Leme. Hoje a Reuters reportou que “Murilo Portugal, o chefe do mais poderoso lobby da indústria bancária do Brasil” – e um antigo executivo do FMI, “surgiu como um forte candidato a assumir o Ministério da Fazenda se Temer tomar o poder.” Temer também disse que vai implementar a austeridade para a população do Brasil que vem sofrendo: ele “pretende reduzir o tamanho do governo” e “cortas os gastos.”

Em uma teleconferência de resultados na sexta-feira com executivos do JP Morgan, o CEO do Banco Latinoamericano de Comércio Exterior SA, Rubens Amaral, explicitamente descreveu o impeachment de Dilma como “um primeiro passo para a normalização do Brasil” e disse que se o novo governo Temer implementar as “reformas estruturais” que a comunidade financeira deseja, então “definitivamente haverá oportunidades.” As notícias sobre os preferidos de Temer para as indicações aos cargos sugerem fortemente que o Sr. Amaral – e seus colegas plutocratas – ficarão satisfeitos.

Enquanto isso, as organizações de mídia dominantes como Globo, Abril (Veja), Estadão – profundamente discutidas no editorial de Miranda – estão virtualmente unidas no apoio ao impeachment – como em No Dissent Allowed – e têm incitado os protestos de rua desde o início. O que isso revela? Os Repórteres sem Fronteiras publicaram ontem seu Ranking de Liberdade de Imprensa de 2016, e o Brasil aparece em 103° lugar, por conta da violência contra jornalistas, mas, também, por causa deste importante fato: “A propriedade dos meios de comunicação continua muito concentrada, especialmente nas mãos de grandes famílias ligadas à indústria que são, muitas vezes, próximas da classe política”. Não é evidente o que está acontecendo aqui?

Então, em resumo: as elites financeira e midiática do Brasil fingem que a corrupção é a razão para remover a presidente eleita duas vezes, enquanto conspiram para instalar e empoderar as figuras políticas mais corruptas do país. Os oligarcas brasileiros terão êxito em tirar do poder um governo de esquerda moderada que ganhou quatro eleições consecutivas, supostamente representando os pobres do país, e estão literalmente entregando o controle da economia brasileira (a sétima maior do mundo) ao Goldman Sachs e os lobistas da indústria bancária.

A fraude que está sendo levada a cabo aqui é tão barulhenta quanto devastadora. Mas é o mesmo padrão que vem sendo repetidamente observado ao redor do mundo, particularmente na América Latina, quando uma pequena elite trava uma guerra , em seu próprio interesse e proteção, contra os fundamentos da democracia. O Brasil, quinto país mais populoso do planeta, tem sido um exemplo inspirador de como uma jovem democracia pode amadurecer e prosperar. Mas agora, essas instituições e princípios democráticos estão sendo agredidas pelas mesmas facções financeiras e midiáticas que suprimiram a democracia e impuseram a tirania neste país por décadas.

Tradução por Erick Dau

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

28 comentários

  1. Não tem “supostamente”

    Não existe a palavra “supostamente” no penúltimo parágrafo.

    A melhor tradução seria

    “Os oligarcas brasileiros terão êxito em tirar do poder um governo de esquerda moderada que ganhou quatro eleições consecutivas em nome dos pobres do país, e estão literalmente entregando o controle da economia brasileira (a sétima maior do mundo) ao Goldman Sachs e os lobistas da indústria bancária.”

    Ao invés de “Os oligarcas brasileiros terão êxito em tirar do poder um governo de esquerda moderada que ganhou quatro eleições consecutivas, supostamente representando os pobres do país, e estão literalmente entregando o controle da economia brasileira (a sétima maior do mundo) ao Goldman Sachs e os lobistas da indústria bancária.”

    No original:

    Brazilian oligarchs will have succeeded in removing from power a moderately left-wing government that won four straight elections in the name of representing the country’s poor, and are literally handing control over the Brazilian economy (the world’s seventh largest) to Goldman Sachs and bank industry lobbyists.

  2. Artigo do jornalista Glenn Greenwald

    Obrigado ao grande jornalista Glenn Greenwald por esse texto revelador sobre o atentado que está acontecendo a nossa democracia. Necessário que o mundo nos ajude.

  3. 65% da população está contra

    65% da população está contra a Dilma.

    Isso comprova o poder de lavagem cerebral da mídia oligopólica e fascista.

    Nunca senti tanta vergonha do Brasil.

  4. Artigos como esse não são

    Artigos como esse não são lidos pelos que vestem camisas amarelas e carregam inexcrupulosamente a nossa bandeira. São pessoa que a estas alturas já se enveneneram um pouco mais com os artigos da mídia golpistas, e estão a propalar o que está na Veja, na Globo, no Estadão, na voz dos jornalistas despudorados falantes de rádios, etc.

    Ontem tive um desgosto horrível ao ler um comentário do meu advogado, considerado sempre meu amigo, uma pessoa muito equilibrada. Ele coloca que ainda há quem diga que o que acontece é um golpe, e na sequência, um amigo diz: “Tomara que Dilma receba um murro na cara no Foro da ONU, e desmaie, pra entender o que significa um golpe.

    As manchetes e matérias dos josnais estrangeiros tem um peso bastante significativo, quanto pesam pavras de personalidades como a de Sebastião Salgado, de Migel Nicolellis, entr eoutros que mesmo morando fora expressam seus sentimentos, enquanto expõem uma verdade malversada pelo jornalismo brasileiro. Vimos o incômodo dos opisotres em mandar represetnantes seguirem Dilma aos Estados Unidos, como prova de saberem o grau da irresponsbilidade deles.

    A Globo não teria escrito para um jornal estrangeiro com mentiras se não se sentisse incomodada com as posições que vem tomando.

    Antes tivemos diante de uma torturada, hoje Presidente da República, uma corjja de milicos envergonhados, tapando as caras diante da altivez dela. Hoje, mantida sua altives, ela está diante de uma justiça acovardada, que poderá tomar o lugar daqueles militares de outrora. 

    Um dos mais ferrenhos opositores ao PT, Pedro Siímenson já se declara envergonhado com o papel de Michel Temer, sem chamá-lo de golpista, porém não admitindo que ele seja capaz de se antecipar ao desfecho do julgamento do impeachment já ariculando um governo futuro. Isto é um modo de um correligionário dizer que sente vergonha do seu partido. 

  5. Vergonha mundial.

    Os patéticos protagonistas deste crime contra o Brasil estáo expostos ao escracho e despreso internacional. O resultado final será maior desgaste social, atraso enorme em nosso desenvolvimento econômico, educacional, perda de qualidade na saúde e isolamento internacional. Os atores principais de corrupção serão os únicos que poderão se beniciar por algum tempo.

  6. O Michel Temer conseguiu um feito e tanto. Conseguiu atrair para

    O Michel Temer conseguiu um feito e tanto. Conseguiu atrair para si todos os podres do governo e transformar a Dilma de carrasca em vítima. Ele vai acabar implodindo o PMDB. Sem sombra de dúvidas ele é um dos políticos mais estúpidos da história brasileira.

  7. Nessa hora é difícil medir o

    Nessa hora é difícil medir o quanto o país deve a Glenn Greenwald. Se não fosse por ele o mundo teria comprado a história da Rede Globo.

  8. Como explicar “austeridade a ser promovida” ao povão?

    Muito estranha essa tal nova política econômica de viés austero a ser implantada!

     

    No governo Lula, claro, com os ventos econômicos a favor, ele “amoleceu” um pouco a austeridade secular para os pobres, muitos dos quais subiram de patamar econômico, o que ninguém constesta. 

    O argumento usado pela oposição para trazer o povão às ruas é a volta da pobreza, como se pode deduzir das convocações das manifestações. Aliás, a resposta à convocação foi bastante satisfatória, o que significa, que o povo se manifestou contra a pobreza. 

     

    Daí, surge um pseudo-salvador da pátria conclamando por mais sacrifícios por parte do povão, justamente aquele que protestou contra os sacrifícios sofridos pelo governo ainda eleito.
     

    Daí surge uma grave questão: como pedir mais sacrifícios para alguém que já se manifestou contra sacrifícios ? 

    Me faz lembrar o construtor do muro de Berlim, que os comunistas chamavam de “Antifaschistischer Schutzwall” (dique anti-facista), necessário “para evitar a invasão da Alemanha Oriental (comunista) por parte dos fascistas alemães ocidentais (capitalistas).  O ruim dessa definição é que nunca um alemão ocidental pulou o muro para morar na Alemanha Oriental. 

    Claro, tanta hipocrisia acabou eliminando essa vergonha. 

  9. Contra a Emenda das Novas Eleições

    Nassif, tudo bem? Sou um dos que defendem que o impeachment é um golpe contra uma presidente eleita por 54,5 milhões de votos. Agora, acho que essa ideia de propor uma emenda constitucional para reduzir o mandato da atual presidência e chamar novas eleições presidenciais em outubro de 2016 é um ERRO COLOSSAL!

    Primeiramente, propor isso agora é aceitar o impeachment como “favas contadas”. Não vejo outra estratégia possível para o momento atual que não seja continuar a denunciar, o golpe, nacional e internacionalmente, e continuar a lutar pela vitória da Dilma nas votações do Senado (na primeira votação as chances são ínfimas, mas não podemos esmorecer; na segunda votação, aquela em que os golpistas precisam conseguir 54 votos em 81, as chances serão muito maiores, pois o desgaste do Temer e do Cunha daqui a 6 meses estará a nosso favor). Sinceramente, apoiar novas eleições é meio que desistir da luta contra o impeachment…

    Em segundo lugar, uma emenda que altere um mandato presidencial pode ser considerada pelo STF como nula, pois alguns ministros podem entender que há a alteração de uma cláusula pétrea da constituição federal. E, mesmo se a suprema corte aceitar a mudança, isso abrirá um grave precedente: qualquer crise política poderá, no futuro, ensejar uma emenda constitucional “feita nas coxas”. Isso é apedrejar a nossa democracia! Para que apostarmos nossas fichas em uma estratégia de alto risco jurídico, que compromete o futuro do nosso sistema democrático e que pode legitimar uma possível vitória do PSDB golpista???

    Entre [1] mudar a CF, criando uma nova eleição presidencial em 2016 nas quais a chance da oposição vencer (Marina, PSDB etc.) é GIGANTE e [2] manter a constituição como está, a segunda opção é bem melhor. O PT, se a Dilma for afastada por 180 dias, (A) sairá da vitrine, (B) terá 6 meses para avaliar os seus erros e buscar alternativas e (C) deixará o Temer e o Cunha se desgastarem por um bom tempo. Se a Dilma for (infelizmente) afastada em definitivo pelo Senado, faremos desse limão uma limonada: o combate ao golpe será o mais importante item da plataforma da candidatura LULA 2018!

    Por fim, Nassif, se a Dilma apoiar a emenda constitucional para novas eleições, estará fazendo o jogo do PSDB e da Marina, que têm hoje muito mais chances de ganhar uma eleição que o PT. Inclusive porque, em um segundo turno de uma possível eleição presidencial em 2016, REDE e PSDB (e Globo, e PMDB etc.) estarão todos juntos contra o PT!

    Abs, Fábio Faiad.

  10. Um artigo que seguramente

    Um artigo que seguramente fará parte das páginas da história, quando forem narrados os nebulosos momentos que marcaram o golpe de 2016 no Brasil – 52 anos após o outro, operado por militares a serviço das elites. O jornalista estrangeiro humilhou os comentaristas, editorialistas e colunistas “nacionais”, aspas, que alugam a pena para falar ou escrever a serviço da Casa Grande. A Globo consegue sair menor ainda do que entrou nessa trama golpista. A duração da Rede Globo, a meu ver, tão associada ao golpe e ao desgoverno do traidor Temer que emerge da usurpação, deve ser curta. Desta vez, quando derrotarmos a nova ditadura – e vamos derrotá-la -, a Globo não escapará. Qualquer governo popular que suceder o desgoverno do impostor terá necessariamente que colocar o fim da Rede Globo como ponto essencial para sobrevivência da democracia brasileira. Pois são coisas inconciliáveis: para um existir, o outro precisa deixar de viver. Globo e democracia, nada a ver.

  11. Prioridade das prioridades Nacional.

    Duas coisas previstas na Constituição que nossos congressistas não se atrevem a enfrentar, com medo de assanhar o vespeito dos aproveitadores de nossa incompleta DEMOCRACIA, são elas;   1º)  A DEMOCRATIZAÇÃO da mídia (que se defendem com a fajuta alegação dse que fere a liberdade de imprensa, quando na verdade amplia a sua liberdade dando condições do contrraditório, eliminando esse oligopólio monolítigo e impatriótico).  2º)  A AUDITORIA DA DÍVIDA  (providência reclamada desde Getílio, Jango e hoje exigência de nossa Constituição). Essa dívida vem consumindo quase metade de nossa arrecadação, impondo-nos a formação de superavit primário apenas para pagamento de parte dos juros que são ilegalmente capitalizados, fazendo crescer a dívida como uma bola de neve impagável, nos tornando escravos do rentismo; quanto mais alta a taxa de juros maiores os rendimentos do Sistema Financeiro.  Os 3 poderes  (Executivo, Legislativo e, infelizmente, o Judiciário) são monitorados e até mesmo submissos a um 4º Poder que age sem regulamentação formatando a opinião da maior parte da população que  (des)informada viram massa de manobra de excusos interesses.

  12. Nossa maldição

    A nossa classe dominante nunca teve algum compromisso com o nosso país: ontem foi o ex-FHC, atual nada; o Serra foi a bola da vez. Amanhã pode ser o Temer. Se não for ele vai ser outro qualquer. Nunca faltou candidato para ocupar a posição de calhorda vendilhão da pátria, entreguista, lesa-pária corrupto, nas hostes da elite brasileira. E’ uma constatação histórica. Essa é a grande diferença entre o Brasil e os países desenvolvidos. Foi preciso aparecer um operário nordestino pra interromper esse ciclo maldito.

    Revendo algumas notas sobre a ditadura militar, encontrei o Roberto Campos: ”um dos idealizadores da instrução 113 do SUMOC que desmontou a ”pedra” no caminho do capital estadunidense chamada Instrução 70 do Programa de Metas do JK. Para muitos analistas a política economica do Bob visou substituir a burguesia nacional por um corpo de gerentes estrangeiros: a Instrução 113 compelia o empresário nacional a associar-se ao capital estrangeiro, que exigia como primeira condição, a entrega de 51% das ações e o contrôle administrativo da empresa (Sic)…  Foi evidente o anti-patriotismo que representou para o Brasil o programa político e econômico atuado por Campos e sua turma (Otávio Gouvea de Bulhões, etc.)”. Bob Fields (em Washington), foi pra a lata do lixo da história e não merece algum respeito do Povo brasileiro. Uma grande caçamba cheia de merda aguarda a carcaça do Delfim Netto.

    O Brasil precisa de mais Lulas que lutem por ele, no mínimo com a mesma determinação com que atuam os representantes das elites.

    Os militares não subiram o muro. O aparente silêncio deles é estratégico. Em 64, esperaram que a ”agitação” chegasse aos quartéis com as classes mérdias desfilando por ”Deus, a Familia e a Propriedade” para cumprir suas missões: bater e massacrar estudantes e trabalhadores. Se Temer for presidente, será repudiado e vai ter que solicitar o mesmo tipo de serviço. Como dizem os comandantes, ”esse é o fluxo” previsto na Constituição…

  13. Falta dizer que o programa

    Falta dizer que o programa Ponte para o Futuro soa tão claro quanto a realidade da tragédia da ciclovia Tim Maia. Caiu dias depois da inauguração. Prefeitura do PMDB. Uma ciclovia! Inaugurada um pouco antes das Olimpíadas (ah! tristes Olimpíadas!). Era para lazer e virou um cadafalso para a morte.  E a ponte? Nem quero imaginar a tragédia monumental da tal ponte. Para o futuro?! Nossa mais profunda descrença. Eis a verdade do golpe.

    • Ponte Dos Sem Futuro
      Boa tarde.
      Se se implanta, de fato, este governo Gol, Pista, não tenha dúvida de que o verdadeiro nome do programa de governo é “Ponte dos Sem Futuro”, e que, embaixo desta pinguela, digo, ponte, farão coisas inenarráveis…

  14. O tal Joaquim Silvério dos

    O tal Joaquim Silvério dos Reis (homônimo de um dos personagens mais odiosos do Brail), teve suas palavras colocadas em destaque antes mesmo do artigo se iniciar. Elepoderia tentar nos esclarecer, se o que ele diz também se aplica a alguns desses nomes da imprensa mundial que já expressaram a mesmíssima interpretação de Glenn Greenwald:

    Agências de Notícias Reuters, Al Jazeera, Fox News, CNN…

    Publicações e Jornais: The Economist, Guardian, El Pais, Le Monde, Financial Times, Wall Street Journal, Washington Post, Le Parisien, Irish Times, Clarin…

    Estamos aguardando.

  15. Golpe no Brasil.

    Como num letreiro de ônibus, o Temerário carrega na testa o seu destino: O desastre.

    O pior é que ainda há os desavisados que embarcam nele.

  16. esse bilhanrte artigo

    esse bilhanrte artigo desmascara a gangue composta pelo chefete de araque

    e mordomo dos vampiros michel temerlão, de tamerlão, o tirano, famoso ladrão de ovelhas,

    cujos seguidores eram todos ladrões  contumazes…

  17. Golpe no Brasil

    Como num letreiro de ônibus, o Temerário carrega na testa o seu destino: O desastre.

    Há 2 tipos de pessoas que nele embracam: os desavisados e os oportunistas.

  18. O Vice deve ou não seguir o programa da chapa que o elegeu?

    Peço ajuda aos juristas mas acho que a Constituição manda dar posse ao Vice em caso de impeachment para garantir o direito do eleitorado que elegeu a chapa vencedora. A Constituição não manda dar posse ao candidato derrotado em caso de impedimento. Deve haver uma maneira constitucional de garantir a execução do programa da chapa eleita caso contrário se configura estelionato eleitoral duplo. Uma pelo impedimento sem crime da presidente e outra pelo impedimento do programa da chapa eleita.

  19. O infelicidade de um povo está na sua falta de consciência

    O infelicidade de um povo está na sua falta de consciência política. Taõ devastador como um golpe militar é o golpe atual disfarçado  de correção, mas manipulado pela mídia conservadora, empresários nefastos e políticos corruptos. Não há como entender uma parcela do povo assalariado e trabalhador que midiotizado acha que o PT  é a causa de tanta corrupção no governo e quer julgar a Presidenta por procedimentos contábeis executados por todos ex-presidentes e também por diversos governadores, sendo que a Dilma não é indiciada, não é reu em nenhum processo e não responde a nenhum envolvimento de corrupção ao mesmo tempo que querem tirá-la estarão colocando no seu lugar dois individuos envolvidos em corrupção comprovada e faltando apenas o real julgamento. Não há como aceitar tamanha barbárie que fazem com a democracia no Brasil.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome