Suspeita de uso excessivo de agrotóxico põe em xeque a ‘sustentável’ Açaí Amazonas, por Fábio Zuker

A reportagem especial relata uma investigação sobre o impacto socioambiental do uso de veneno nas comunidades ribeirinhas e as mortes de duas crianças em Alenquer

Na fotografia os funcionários usam agrotóxico na Fazenda Macupixi/Foto: Fábio Zuker/Amazônia Real

do Amazônia Real

Suspeita de uso excessivo de agrotóxico põe em xeque a ‘sustentável’ Açaí Amazonas

por Fábio Zuker

Alenquer (PA) –  No ensolarado início de tarde do dia 21 de agosto de 2019, o salão da paróquia Pio XII, um anexo à igreja católica de Santo Antônio, no município de Alenquer, no oeste do Pará, estava lotado. Cerca de duzentas pessoas, entre jovens e adultos, disputavam espaço para debater sobre o uso de excessivo de agrotóxico, os impactos socioambientais do veneno e a atuação da empresa Açaí Amazonas (antes chamada de Polpas do Baixo Amazonas), de propriedade do Grupo Vacarro, e que se classifica no agronegócio como “a mais moderna e sustentável produtora de açaí do mundo”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Um vídeo postado hoje no canal do Bob Fernandes, onde a professora Larissa Bombardi entrevista o professor escocês Brian Garvey que já viveu no Brasil a pesquisar a chamada indústria “agroecológica” brasileira, e traz informações e dados assombrosos e preocupantes, ao ponto dele denominar o movimento de necroindústria e necropolítica. o Agro pode ser pop e fitness, mas é extremamente desumano e biocida e o destino adiante não parece ser nada bom.

    – Necroindústria e necropolítica se escondem nos biocombustíveis. Porque faltam sol, terra, água na UE

    https://www.youtube.com/watch?v=cVNRQ_fTyXc

  2. Faturar e matar o povo da Amazônia. Isso já está ocorrendo desde décadas passadas e, se continuar nesse ritmo vai se alargar. O saque da Amazônia vem de longas décadas. É só ver o que está acontecendo desde muitas décadas no sul do Pará.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome