Temer nega articulação com Lula e Fernando Henrique

temer_fhc_-_beto_barata.jpg
 
Foto: Beto Barata/PR
 
Jornal GGN – Em entrevista para uma rádio de São Paulo, o presidente Michel Temer negou que esteja costurando um acordo com os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva para amenizar os efeitos da Operação Lava Jato na política brasileira. 
 
Matéria da Folha de S. Paulo publicada na última quinta-feira (13) afirmava que Lula, FHC e Temer estariam articulam um “pacto por sobrevivência política”. De acordo com a reportagem, aliados dos líderes estariam discutindo medidas para limitar a operação e impedir que o grupo formado por PSDB, PT e PMDB seja “exterminado” até 2018. 

 
“Não participo, não promovo e jamais fui questionado ou perguntado a respeito disso”, afirmou Temer nesta segunda-feira. “Até o ex-presidente FHC diz que não tem conversa nenhuma nessa direção”, completou. 
 
Temer disse que, quando visitou Lula em razão do falecimento da ex-primeira-dama, Marisa Letícia, ele disse que era necessário conversar sobre a reforma política. “Mas apenas sobre esse tópico. Não sobre o que está acontecendo hoje no país”.
 
Ontem (16), Fernando Henrique Cardoso também negou, através das redes sociais, que estivesse participando de  “qualquer articulação com o presidente Temer e com o ex-presidente Lula para estancar ou amortecer os efeitos das investigações da Operação Lava Jato”. 
 
“Qualquer informação ou insinuação em contrário é mentirosa”, disse o ex-presidente tucano, afirmando também que as investigações devem prosseguir. “De seus desdobramentos nada tenho a temer”.
 
Na entrevista de hoje, Temer também afirmou que as denúncias feitas a partir das delações de executivos da Odebrecht são eventos “estarrecedores, desagradáveis e preocupantes”, dizendo que as acusações que se referem a ele são “inverdades”. 
 
O peemedebista também disse que é “provável” que alguns de seus ministros fiquem desconfortáveis e decidam deixar seus cargos, afirmando que não irá “colocar para fora, demitir ou exonerar simplesmente porque alguém falou de outro”. 
 
“A simples denúncia, no entanto, não significa ainda a culpabilidade completa. Mas já defini: se houver denúncia é porque há fortíssimos elementos reveladores de que aquela delação é correta ou tem fundamento de muita verdade. Então, afastamento temporário. Se logo depois [algum ministro] se transformar em réu, ele será afastado”, afirmou Temer. 
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. O certo é que uma das

    O certo é que uma das alternativas dos golpistas é tornar a politica algo imprestável!

    Que a politica seja vista como a causa dos males, por sua letargia, egoismo e assim abrir caminho para o Golpe 2.0!

    Basta colocar um pouquinho do judiciário dentro do caldeirão e pronto, as pessoas desejarão um golpe militar…

    Seria impensável ver FHC misturado pelo PIG ao Temer e LULA!

    Os partidos já foram…

    O excutivo atrapalha, piora, complica…

    A justiça é maluca e tipos como gilmar mendes colabora para tornar o STF não um lugar do povo!

    O Povo não se vê no STF!

    O próximo golpe está sendo amadurecido…

  2. O dia que os putos quintos

    O dia que os putos quintos dos infernos congelar Temer, presidente ilegitimo, e FHC, presidente mais odiado da historia do Brasil, vao ver uma “articulacao” com Lula, melhor presidente do planeta por 8 anos.

     

  3. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Esse temerista-GOLPISTA pode, isto sim, estar acumpliciado com o (argh) FHC e, como sempre, aproveitando a dita “mérdia”, tentando atingir o Lula com essa conversa-falastrona. Pobre Lula ter de – ainda por cima – aguentar esses dois farsantes-falastrões.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome