fbpx
sexta-feira, agosto 7, 2020
  • Carregando...
    Início Crônica de Domingo

    Crônica de Domingo

    Crônica: Conversas ao pé do fogo, por Luis Nassif

    Publicada originalmente em 14/11/2004 Recebo carta da prima Terezinha. É manuscrita, apesar de ela possuir e-mail. É típico dela. Em sua escola Criatividade, em Poços...

    A morte do meu amigo Caiubi, por Luis Nassif

    É o último amigo de adolescência que se vai, vitimado pela praga do século 20, o cigarro

    Crônica de domingo: O glorioso Clube dos 20 e as Olimpíadas Estudantis

    A história aconteceu como eu vou lhes contar. Na passagem do 1o para o 2o científico o Colégio Marista, de Poços de Caldas, o reitor,...

    Crônica de domingo: Os dobrados de Poços

    Lembrei-me das conversas adolescentes, do pacto da madrugada e fiquei surpreso em saber que Wilson cumprira a sua parte. E eu não.

    Os meninos de São Benedito, crônica de domingo

    A cidade cresceu muito. De 40 mil passou a 140 mil habitantes. Tem novas universidades, muitos estudantes e professores mudando a face da noite,...

    Hieronimus Bosch e a transfiguração alegórica do mundo contemporâneo, por Sebastião Nunes

    Por Hieronimus Bosch e por centenas de alegorias semelhantes, nós, que vivemos o desespero sem saída do século XXI, te compreendemos, e te saudamos

    Crônica de domingo: o samba sincopado

    O samba-choro e o sincopadoA moderna música popular brasileira nasceu em Recife, nos anos 20. Mas apareceu para o público e historiadores do sul...

    Crônica de domingo: O caipira é coisa nossa

    O caipira é coisa nossa, como a goiabada cascão, que Assis Chateaubriand pretendeu introduzir na cozinha francesa

    Crônica de 2005: a volta da direita inculta, por Luis Nassif

    A volta da direita inculta crônica de 16/10/2005 Não haverá eleição fácil no próximo ano. O paroxismo da cobertura dos escândalos do governo fez Luiz Inácio...

    A paixão secreta de Augusto dos Anjos, tão secreta que ninguém nunca soube, por...

    E o poeta riu. Quem haveria de dizer: o severo poeta de bigodinho amassado, o triste e melancólico poeta da dor e da morte, o poeta riu!

    Quero a minha pátria de volta, por Luis Nassif

    Terminou o que poderia ter sido o pior ano da vida do país. Provavelmente outros piores virão. Meses atrás me convidaram para entrar em um...

    Crônicas de domingo: O galo de briga de Oswaldo Aranha

    Houve tempos em que a briga de galo era hobby da alta sociedade de Poços de Caldas e do país. Nos anos 30, os...

    Crônica de domingo: Miné e o cirurgião de Poços, por Luis Nassif

    O grande complexo de Poços era não ter cirurgião. Cada vez que precisava de um, toca buscar em São João da Boa Vista o dr. João Baptista, único cirurgião da região

    Crônica de domingo: O olhar de minha filha

    Com a foto, vejo-me o adolescente trancado no quarto para me proteger do mundo, tendo como únicas companhias o violão e o sonho distante de crescer

    Crônica de Domingo: Salve o compositor popular, por Luis Nassif

    Ouvir a coleção "Elis Regina no Fino da Bossa" não significa apenas relembrar a maior fase da maior das cantoras...

    O fascismo é um câncer que mata, mas não morre, por Sebastião Nunes

    Que esperam os fascistas, anos e anos, para emergir do pântano tenebroso e asqueros, e afinal e prontamente se colocarem a serviço de morticínios?

    Crônica do domingo: os jovens do interior

    Nossos avós, imigrantes do início do século, aportaram no Brasil com sentimento de cidadania suficientemente desenvolvido para não se abrigarem debaixo de algum coronel político

    Crônica: a lenda de Canhoteiro

    A copa do Mundo de 1958, na Suécia, foi a minha predileta. Não apenas por ter sido a primeira a que assisti, nem por...

    Crônica de domingo: a era dos cassinos

    Outro dia li sobre a morte de Eros Volusia, dançarina de muitas décadas atrás. Lembrei-me dela porque, certa época, andava atrás de Alzirinha Camargo,...

    Crônica: o ritual de Finados, por Luis Nassif

    Um conjunto de circunstâncias me traz de volta a Poços de Caldas justo no Finados. Meus mortos queridos estão espalhados.

    Mais comentados

    Últimas notícias