A concentração da Seleção Brasileira de 1958 em Poços de Caldas

Canhoteiro, que quem conheceu comparava a Garrincha, perdeu a posição para Zagalo e Pepe quando pulou a janela da concentração para conhecer as mocinhas.

Na Copa de 1958, os preparativos foram em Poços de Caldas. Meu pai era farmacêutico, mas apaixonado por jornalismo e futebol. Tornou-se correspondente da Gazeta Esportiva, diretor de futebol da Caldense e amigo de grande parte dos cartolas que vinham passar temporadas em Poços. Articulou com Carlos Joel Nelly, da Gazeta Esportiva, de ampla influência na CBD (Confederação Brasileira de Desportes) para conseguir trazer para Poços a concentração.

Eu tinha apenas 8 anos, mas acompanhei alguns detalhes do período. Outros, me foram contado por João Havelange, em um encontro fortuito com ele no Mosteiro, o restaurante preferido do Rio antigo.

Pelé ainda não explodira. Mazzola já havia sido negociado com um clube italiano. Nos treinos, era tão apático em campo, que julguei que fosse um dos Santamaria, padeiros que forneciam alguns jogadores para a Caldense.

Lembro-me que eram 4 grupos de 12 jogadores. Lembro-me até dos 4 goleiros convocados: além de Gilmar e Castilho, Hélio (acho que era do Botafogo) e Carlos Alberto (do Vasco).

Desde o início do século 20, uma das razões da fama de Poços eram as mocinhas da rua Paraiba – que depois se tornou rua Assis Figueiredo. Canhoteiro, que quem conheceu comparava a Garrincha, perdeu a posição para Zagalo e Pepe quando pulou a janela da concentração para conhecer as mocinhas.

Segundo me contou Havelange, os jornalistas ficavam de tocaia em frente a concentração, à espera de escândalos. Alguns chegaram a levar algumas mocinhas da Rua Paraná para serem  fotografadas junto às janelas, aguardando algum jogador incauto aparecer.

Depois veio a Copa, a conquista, e alguns jogadores voltaram a Poços para agradecer a hospitalidade. Foi armado um palanque na praça ao lado das Thermas. Não me lembro de todos os jogadores que vieram. Seguramente Pelé, que voltara consagrado da Suécia, e o capitão Mauro Ramos de Oliveira, cujo primeiro time foi o da Farmácia Central do meu velho, em um torneio em que cada comerciante bancava um time. Depois, meu pai levou Mauro para a Caldense. E Mauro ficou grato para sempre.

Lembro-me no início da carreira de jornalista, fazendo parte de uma equipe da Veja para levantar a história de Pelé para uma capa de comemoração dos mil gols. A concentração do Santos era na Chácara Nicolau Moran. Fui lá de gravador em punho, aguardei o fim do treino, vi Pelé saindo com Nenê e Léo, meio campo do Santos, e dando conselhos:

  • Quando pegarem a bola, façam que nem Dirceu Lopes, e caminhem imediatamente para o gol.

Aproxime-me timidamente, pedi uma entrevista e ele nem me deu bola. Aí fui falar com Mauro, que era técnico do Santos e me apresentei como seu conterrâneo.

  • Filho de quem?
  • Do Oscar Nassif.
  • Meu querido amigo Oscar?

Chamou Pelé e pediu que me desse a entrevista.

Voltando à comemoração em Poços, consegui ficar em cima do palanque, levado por meu pai e incumbido de distribuir confete e serpentina para os meninos que se acotovelavam ao lado do palanque.

Em determinado momento, o palanque cedeu e começou a cair lentamente para o lado onde estavam os meninos. Meu pai me pegou no colo e caímos, ficando encostados na armação do palanque. Lembro-me até hoje de um jogador caindo por cima de nós e sendo seguido pelo pé do meu pai no seu traseiro.

A maioria dos meninos conseguiu se safar. Um, ficou. E foi a grande tragédia da minha infância. Lembro-me até hoje de seu nome, Marcílio Dias, em homenagem ao grumete herói da guerra do Paraguai. Lembro-me que a família morava em cima da Vida Social, a grande livraria da cidade. Lembro-me do seu enterro, que comoveu toda a cidade. E da dor estampado no rosto de sua mãe.

8 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Flavio Aguiar

- 2022-08-02 05:36:56

Mauro foi o capitão em 62. Em 58 era o Bellini, e o Mauro era o reserva.

Jose Joaquim dos Santos

- 2022-08-01 17:48:56

Salve Nassif. Que delícia essas suas crônicas aos domingos. Me trazem de volta a infância, Poços de Caldas, minha primeira namorada. Eê tempo bom, que não volta mais.....

ANTÔNIO TANURE GAMA

- 2022-08-01 13:28:31

Os goleiros convocados inicialmente para os jogos preparatórios da Copa do Mundo de 1958 foram Gilmar, Castilho, Ernâni e Carlos Alberto. Ernâni defendia o Botafogo em 1958 e o Carlos Alberto já estava na Portuguesa de Desportos. Tanto Ernâni como Carlos Alberto anteriormente defenderam o Vasco da Gama. Mauro foi capitão na Copa do Mundo de 1962.

Celso Macedo

- 2022-08-01 12:33:50

Nassif, eu e meu falecido irmão Laercio estávamos nesse evento na Praça do Imperial, tinha 9 anos. Belas recordações, fomos em todos os treinos no estádio Christiano Osório da Caldense, hoje nem existe mais. Obrigado por me fazer voltar a minha infância. Abraço.

Didico

- 2022-07-31 19:51:26

Nassif, também tenho uma tragédia para contar. No início da década de 70, o estádio do Esportivo de Bento Gonçalves/RS era pequeno. Resolveram fazer arquibancadas de madeira atrás de uma goleira. Como a visão era menos favorecida, só era usada em jogos mais importantes, como contra a dupla grenal e a dupla Caju de Caxias do Sul. Certa vez, contra o Caxias, essa arquibancada estava cheia. Pouco antes do jogo, ela inclinou para o lado e caiu, com muita gente em cima. Acontece que um menino de 5 anos, chamado Sandro Rodrigues da Silva, estava brincando em baixo dela. Vi o pai dela correndo com a criança nos braços com a cabeça ensanguentada para fora do estádio, certamente para ir ao hospital. Claro que não sobreviveu. Como aconteceu antes do jogo, este foi realizado. Porém, certamente, os jogadores receberam ordens para não fazer gols, para não haver comemoração num dia de luto. E assim, o jogo se desenvolveu monótono, sem lances de perigo, trocas de passes que nunca chegavam na grande área. Esta tragédia foi noticiada no programa Ataque e defesa comandada por Rui Porto, na Tupy, no domingo a noite, precursor dos gols do Fantástico

Miguel Freitas

- 2022-07-31 18:15:22

Ja vi entrevista do Mestre Zizinho comentando que nunca viu um ponta esquerda como Canhoteiro. E que pela Boêmia Canhoteiro e Jadir do Flamengo foram cortados.

Antonio Carlos gomes

- 2022-07-31 14:44:51

Oi Nassif, gosto demais desta suas lembranças ,acompanho você desde o dinheiro vivo, acho que uns quarenta anos, você é um jornalista que agrada muito ,acho que precisamos a tempos de muitos jornalistas com seu caráter .Imagino como deve ser sua vida por falar a verdade nua e crua. recba meu abraço.

José Martins

- 2022-07-31 11:15:31

O capitão da copa de 58 não era o Bellini? Abraços

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador