a chinesinha e os marajuízes, por Zê Carota

a chinesinha e os marajuízes

por Zê Carota

vizinho ao self em que regularmente bato a boia há um restaurante chinês, à porta do qual, todos os dias, uma cena se repete: a filha do casal de imigrantes proprietários do mesmo, garotinha de seus 4 ou 5 anos, cabelos muito lisos e pretinhos sempre presos em marias-chiquinhas e num rabinho de cavalo, com seu inseparável panda de pelúcia que lhe serve de mochila e abraço, num português com sotaque ainda muito acentuado saúda todos os transeuntes sempre com a mesma frase, “orá, tudo regau?”, seguida de um joia que faz com o polegar gorduchinho.

não sei o quanto – e se – a sua presença e o seu gesto resultam em mais mesas ocupadas e consumo e lucro, tampouco acredito que seja uma, digamos, estratégia dos pais, uma vez que, embora muito atarefados, e apesar de um parente sempre por perto e de olho, alternam-se em cuidados com ela, levando-lhe comidinhas, fazendo-lhe carinhos, enfim, sendo pais.

sei é que o encanto de seu “tudo regau?” é irresistível, além de viciante, pois, feito eu, muita gente faz questão de sempre passar em frente ao restaurante só pra ser saudada por ela.

carisma e graciosidade fora, boa parte do fascínio se deve, obviamente, ao seu falar errado, e é só imaginar o déficit de graça, no mais amplo sentido da palavra, caso ela nos perguntasse se está tudo legal, e não “regau”.

esta semana, com outro e abjeto sentido, a expressão “tudo legal” foi dita a todos, proferida por um dos recém descobertos marajuízes – os neo marajás – da lava jato, para conferir legalidade ao fato de receber o polpudo (R$ 4 mil e quebrados) auxílio-moradia, mesmo tendo luxuosa residência no município em que trabalha.

nem cabe entrar no âmbito de imoralidade de exigir tal direito, porque, com os incontáveis casos de seletividade, relativização e politização dos (pré)julgamentos protagonizados por juízes, desembargadores, ministros e procuradores responsáveis (sic) pela lava jato, não se pode esperar moral do que se nos revela não imoral, mas amoral mesmo.

a questão na qual devemos nos concentrar é: como respeitar uma Lei criada e aprovada por um, não de agora, legislativo maciçamente corrompido (com inúmeros parlamentares delatados e investigados na própria lava jato, inclusive), e validada precisamente pelos poucos e privilegiados beneficiários da mesma, legislando em causa própria, mas todos gastando seu latim em discursos sobre ética, moral, o bem do país e seu povo, com igualdade (?), direitos (??) e justiça (???) para todos (????)?

“A criança erra na gramática, mas acerta na poesia”, dizia o Manoel de Barros, no que é corroborado pelo “tudo regau” com que a chinesinha saúda e beneficia a todos.

por seus turnos, os marajuízes acertam na gramática, mas erram pela hipocrisia que beneficia a poucos com o dinheiro de todos – e bom relembrar que o GOLPE em Dilma, endossado pelo judiciário, se deveu às “pedaladas” dadas para garantir o repasse de verbas para programas sociais – dentre eles, o Minha Casa, Minha Vida…

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Fica a dica

    Zê,

    quando americano acha que a gente fala espanhol, dá muita raiva, não?

    E quando acham que  o Brasil fica na Argentina  então, nem se fale.

    O idioma japonês não tem o som “l” (ele)

    Brasil em japonês é  “boraziro.”

    No idioma chinês, não tem o som  “r” (erre)

    Chinês não fica bravo, fica “bolabo”

    Japonês não fica bravo, fica “borabo”.

    Então, a menininha que fala “tudo hregau” deve ser japonesa.

    Sugestão:

    Na dúvida, pergunte.

    Abrs.

        

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome