À mãe Brasil, por Francisco Celso Calmon

E o penhor dessa igualdade será conquistado com os braços fortes dos que não se abrigam sob o manto da covardia.

Agência Brasil

À mãe Brasil

por Francisco Celso Calmon

Dia das mães numa terra de desemprego, fome, miséria, doenças, mortes e desalentos, que é a nossa mãe gentil, pátria amada, Brasil, que com tantos filhos ingratos, despojando de suas riquezas de forma vil, fomentando ódio e o genocídio de seus irmãos, continua impávida, colossal e cheia de tesão.

Traz em seu ventre a certeza de que uma nova vida há de raiar, e entre outras mil nações voltará novamente a brilhar, para júbilo dos que não fogem à luta, mesmo que a morte nos espreite a cada lance dos ingratos de seu amor e grandeza, na vã tentativa de cortar as asas da liberdade, conquistada pelos seus bravos filhos que ousaram lutar e vencer à tirania das ditaduras, que não conseguiram escravizar seus filhos eternamente em falsos berços esplêndidos.

O Brasil de amor eterno, que só será símbolo na paz de uma democracia sem fome e desemprego, só assim seus bosques e flores serão de todos, e o penhor dessa igualdade será conquistado com os braços fortes dos que não se abrigam sob o manto da covardia.

Se o brado retumbante se fizer ouvir por um povo que há de ser heroico quando tomar em suas mãos as rédeas de seu destino, para que um sonho intenso, um raio vívido, de amor, liberdade e solidariedade, seja concretizado numa terra sem exploração e opressão. 

E neste dia que há de chegar, o teu formoso céu, risonho e límpido e sua gigante e gentil natureza, apesar de depredada e descuidada, será a terra de todas as filhas e filhos, e, então, nossas vidas, no teu seio, será de mais amores. 

Francisco Celso Calmon, coordenador do canal pororoca e ex-coordenador nacional da Rede Brasil – Memória, Verdade e Justiça

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Quem não te conhece, que te compre!, por Francisco Celso Calmon

Empurram de lá que empurramos de cá, por Francisco Celso Calmon

A sinceridade macabra de Mourão, por Francisco Celso Calmon

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Juliana

- 2022-05-09 14:18:52

Muito bonito o texto, parabéns

Bruno

- 2022-05-09 13:27:06

Excelente texto! Parabéns.

PC Gama

- 2022-05-09 12:47:31

Show de texto! Parabéns!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador