Dominó de Botequim, Série 2, Episódio 11, por Rui Daher

– E aí, nanico? Já armou a sua arvorezinha de Natal? A daqui é imensa. O Ariano ouviu dizer que Ele irá receber o filho e uma pomba.

– Bomba? Precisa com vocês aí, botequim e dominó rolando a mil?

– Pomba, ô sul-maravilha besta.

– E o que eu disse, Ariano? Bomba, como você acabou de falar.

– Senhor Rui Daher, não estava para escrever comentando a entrevista dada por Lula a alguns jornalistas? Estamos curiosos.

– Desisti, Dr. Walther. Daí vocês não puderam acompanhar?

– Apenas um diz-que-diz, nada mais completo, que nos fizesse intuir as intenções do ex-presidente.

– Bem, também aqui, com exceção deste GGN, o oba-oba não foi muito grande. Todos, mesmo os que sabem que não, estão com medo de ouvirem “como você pode apoiar e, pior, votar num ladrão.

– Absurdo. Quase 4 anos e não deu para conseguirem alguma prova concreta.

– Nem mesmo líquida, doutor.

– Se eles quisessem saber quem rouba para valer no Brasil, bastaria falar comigo. Veja como deixaram nossa indústria. Forneceria alguns nomes do passado e do presente. Bem, confesso, poucos paranaenses inteligentes encontrei quando na Terra.

– E os do futuro? Pergunto, pois me contaram que Serra e Dória Júnior estudam um projeto pente-fino nas escolas públicas de pobres para identificar futuros ladrões e fichá-los. A “capivara”, conhecem, né?

– Sim e não duvido daquele carcamano e do dândi. Mas o futuro deixo para o nosso Principal (em inglês, como hoje no Brasil se autointitulam presidentes, CEOs, chefões).

– Depois da Lava Jato, descobriram muitos. Mas somente aquele ministro -juiz, com nome de goleiro, decide. Tem uma predileção avícola impressionante e gosta de esquiar nas neves. Talvez predileção pelo branco.

– Pode ter entendido mal quando Ele disse que “ao pó voltarás”.

– Se algum dia saiu.   

– Ô Rui, dá pelo menos uma palhinha pra nós do que ele falou. Ficamos esperando as notícias vindas de você. Aqui ninguém tem mais título de eleitor e nem tá aí com o Planeta Terra.

– O de sempre, Melô. O que falou, fala, continuará a falar e provou que faz.

– Tivesse um malufista ao nosso lado, logo diria animado: “isto, rouba, mas faz”.

Ouço risadas de todos.

– Mencionou a impossibilidade do capitalismo sem industrialização, serviços sem qualificação, o Estado indutor e tributando quem mais ganha para poder distribuir e tirar mais gente da miséria. Que o que se faz com ele são anomalias jurídica e política inéditas no Brasil.

Quase como quarteto vocal:

– É o cara!  

– Disse que eleito só poderá governar com uma Nova Constituição. Tudo claro e bem recheado de palavrões para que bem o entendam.

– Rui, sabe quem dá duas audições especiais no Botequim neste Natal?

– Quem, Melô?

– Jacob do Bandolim. Talvez, a Elizete dê uma canja.

– Ah, me leva, vai. Num guento mais aqui.

– Não chegou a hora. Se vire com o Hamilton de Holanda, Joel Nascimento, Luís Nassif. Eles também são bons.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora