É a lama, é a lama, por Carlos Ernest Dias

É a lama, é a lama, por Carlos Ernest Dias

A esposa e eu fomos nesta sexta feira visitar a cidade de Brumadinho, dista cerca de 60 km da nossa casa. Depois de um rápido tour pela cidade, quando pudemos perceber a tristeza geral, e depois de tentarmos sem sucesso chegar até o leito da lama nos distritos, acabamos desistindo e paramos para almoçar no Fazendinha, na entrada da cidade.

Antigo, farto e bem-sucedido restaurante, ali estavam vários policiais militares e outras equipes de trabalho almoçando, enquanto a Globo News exibia as imagens cedidas pela Band da lama invadindo o pátio da empresa e não dando chance de fuga aos funcionários da Vale, a pé, de carro, de locomotiva ou de máquina.

O clima, claro, era pesado, e o calor, insuportável.

Pelo menos uma coincidência existe entre Mariana e Brumadinho: a falta de chuvas e as altas temperaturas nas semanas anteriores às tragédias.

Enquanto almoçávamos, estranhos gases se faziam presentes no céu deixados por aviões a grandes altitudes.

Muito estranhos.

Enquanto aviões jogavam gases, helicópteros jogavam pétalas.

Que nossas riquezas do subsolo são cobiçadas, isso é do tempo dos jesuítas.

Mas que nossas chuvas sejam cobiçadas, isso é do tempo do Star Wars.

Nossas chuvas, nossas maiores riquezas.

Nossos rios, nossos maiores prazeres, que o digam os povos originários.

Nossas serras, vomitando lama, como disse um Pataxó.

Nosso destino, levado rio abaixo, para mais enriquecer uma meia dúzia de empresários globais, já muito ricos.

Leia também:  D’Artagnan D’Ourinol Episódio 5, por Rui Daher

É a lama, a lama, como previu Tom Jobim.

Mas isso foi quando a fronteira oeste foi desbravada por plantadores gaúchos e similares.

Agora precisamos é de deter a lama, e limpar a água, e replantar a floresta.

E de remover a lama do caminho, solicitando máquinas e máquinas à própria empresa Vale.

Plantar no mínimo 50 metros de floresta em torno de cada nascente.

E deixar crescer a floresta em todos os topos de morro.

E fazer conexões entre as florestas para que os bichos circulem e tenham alimento.

Melhor é alimentar nossos bichos do que alimentar homens e mulheres chineses, alemães e norte-americanos, eles que cuidem dos seus bichos.

Precisamos é de bem-estar, e não de polícia.

Precisamos é de chuva, da nossa velha e boa chuva, como celebram centenas de canções brasileiras de todos os gêneros e estilos.

Precisamos é de chuva, e não de lama.

Precisamos é de chuva.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome