Empresariado nacional, por Rui Daher

Levei, em firulas baseadas numa máxima: a ignorância do que, realmente, é o capitalismo para a maioria do empresariado nacional. Foi uma lição.

Empresariado nacional

por Rui Daher

Porra! Sábado frio e chuvoso em São Paulo. Dia ótimo para não sair da cama e prolongar o isolamento social que, a mim, inferniza há 110 dias. Não que eu esteja acomodado e querendo que isso se eternize, e pobres continuem morrendo por nós, os dos “guetos notebook”, eventualmente de altos riscos, como se o planeta não tivesse justo isso.

No home-office é correto que mantenhamos o celular à disposição de gentis bons e chatos. Ele toca. Demoro, na certeza de alguma merda.

– Oi Rui, aqui Pestana, programamos uma reunião de pauta para as 11 horas. Você pode vir?

– Mas tem algo novo? As folhas e telas estão cobrindo tudo, da pandemia ao insano.

– Não podemos parar em opinar. Somos um dos blogs mais lidos do País.

– Ah, é?

– Escrevemos nos principais sites do Brasil, GGN e CartaCapital. Além disso, o Dr. Mark está deixando-o para LIVES vivas [sic], no Facebook.

– E depois da reunião de pauta? Feijoada, cachaça, roda de samba?

– Cacete, Rui! Não sabe que tudo isso tá proibido.

– Não é o que ouvi do Regente Insano Primeiro (RIP).

– Fazemos, então, cada um de suas casas, como ontem se fez antológico o Gilberto Gil, em seu aniversário.

– Não, me paramentarei totalmente protetivo e irei. Só peçam a presença indispensável de Everaldo. Ele, além de segurança, é diretor de suprimentos do BRD.

– Pode contar. Os torresmos e cachaças de sempre?

Leia também:  Fernando, por Marília Moreira

– Alguns engradados de cerveja para o Pestana e o Evê. Já que é pra fazer, que seja eternamente enquanto dure.

E assim chegamos à madrugada de domingo, e meu texto, solicitado sério pela Redação e pelo meu Conselho Celestial:

“Nós os brasileiros, pobres, remediados, e até ricos, estamos sendo enganados pelo desastre de um governo contrário à democracia.

Não aliviarei. Empossado, conscientemente ou não, por ignorância e ingenuidade, foram vocês que o criaram. Assim faz o que quer, em detrimento do Estado democrático e de direito. Permitimos? Eu nunca.

Em 18 de maio de 2020, quem confessou não entender nada de economia, como se isso fosse possível para um presidente ou, muito menos, para estadista mundial, de uma das maiores nações emergentes, assinou a LEI nº 13.999, o PRONAMPE, Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

Claro que antes da assinatura muitas discussões, condicionamentos de garantias, taxas de juros, burocracias, enfiam, seriam interpostas pelo Ministério da Economia e pelas instituições bancárias, na visão de quem menos perderia na situação de pandemia atual e de incerto futuro de inadimplência.

Até o momento, final de junho, poucos puderam acessar o benefício. Os que o conseguiram, foi pelas suas condições econômicas e financeiras, independentes da pandemia e de suas repercussões na economia. Histórico, garantias e potencial futuro.

Votaram bem, não? A Nação agradece.

Queridos, trabalhei como empregado de empresas por quase 50 anos, espada de Dâmocles sempre pronta para guilhotinar minha cabeça. Levei, em firulas baseadas numa máxima: a ignorância do que, realmente, é o capitalismo para a maioria do empresariado nacional. Foi uma lição.

Leia também:  Fim da pandemia em atuais gerações, por Rui Daher

Nas oportunidades, por exemplo, perguntava-me: “Deus, quem são esses alienígenas, levando um País tão rico à bancarrota”?

Guloso, ambicioso, incensado, via que, para eles, tanto fazia. Eu era um bom operário de gestão e atendia às suas expectativas de ganhos fenomenais. Da mesma forma, atendia às minhas e de minha família de crescimento social ao topo da pirâmide. Então, entreguei-me, dei o rabo, embora intimamente fosse contra tudo aquilo.

Perdoem-me!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Vai lá com o Vardomiro, o Edir Macedo, o RR Soares ou o Malafaia que eles lhe arrumam um perdão baratinho… Pode é que lá é conversão garantida ou o seu dinheiro de volta!!! Fora a garantia de sucessos financeiros, sociais, familiares etc..

    Para livrarmo-nos dos milicos-maçons-milicianos que estão pirateando o Brasil como nunca, utilizando uma ditadura infernal disfarçada de gente do bem como o Rui Daher e tantos outros vendidos, cooptados, interesseiros, larápios, assassinos e traficantes de cocaína, nós teremos que rezar muito pedindo a Deus com muita força e determinação!!! E que Deus nos ajude!!!

    AMÉM.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome