Eu e a casa, por Maíra Vasconcelos

sempre bem instaladas
fomos apresentadas e nos conhecemos
há décadas
com bastante presteza
sem enganos ou dissimulações
certas do trabalho que nos é incumbido
a cada uma e separadamente
nem mais nem menos
aquela exata relação
delicada e cultivada
mas sem ser para sempre
como os persistentes intervalos
entre dois nomes –
eu e a casa. 
 

*poema escrito em setembro, 2017.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora