Lula solto, não livre. Por Rui Daher

A partir de hoje, por apertada e dúbia decisão do STF, Supremo Tribunal Federal, o massacre a Lula será mais violento. Os agentes disso serão ainda mais inclementes.

Lula solto, não livre. Por Rui Daher

Lula foi solto. Que maravilha. Mas não está livre, como queríamos. E nem um dia estará.

Por sua capacidade de liderar uma nação priorizando as ideias de governar para a queda das desigualdades econômicas, sociais e cidadãs, sempre estará na contramão do Acordo Secular de Elites.

Mais, fazendo o Brasil soberano e impedindo que interesses estrangeiros hegemônicos, de olho em nossos patrimônios, se sobreponham aos valores por nós conhecidos e preservados, mais inimigos terá. Para manterem o presidente Lula da Silva e o Brasil agrilhoados, todos se unirão.

Quem?

Abobalhados conservadores. Do quê? De suas atuais panças que cobrem áreas pudendas de suas vergonhas e de suas duvidosas gerações futuras. Sempre desconfiam que um descendente poderá estragar tudo. Canalhas de ultradireita, coxinhas de guetos ricos, que se acreditam hábeis em explorar quem trabalha, sem perceberem como estão sendo eles os explorados, como qualquer Zé Mané, de Osasco, SP. Os lordes ignaros, a frequentarem repastos de luxo, que pagam R$ 150,00 por uma massa de merda, que pago excelentes R$ 50,00 que pagamos em qualquer cidade longe da metrópole.

Depois da facada – aonde Adélio? – entregam R$ 2,00 para o manobrista, não sem antes rodearem seus SUVs para verificar se o néscio não ferrou com suas máquinas.

Impossível não me lembrar quando todos eles, Lula eleito, se referiam aos jecas do ABCD paulista, sem imaginar o quanto, por Juscelino, ganhamos com o trabalho desses néscios operários. Perdeu um dedo, Presidente? Maior foi sua luta pela classe trabalhadora nos anos 1970.

Leia também:  Livros que não esqueço (XI), por Izaías Almada

Naquela época, vice-presidente de uma empresa que quebrava efeito da privatização colorida, enfrentei, em assembleia do sindicato dos químicos do ABC, e prometi-lhes pagamentos honestos. Cumpri. Como? Dizendo-me de esquerda e a favor de Lula. Não me arrependo.

Agradecemos, pois, eterno Presidente. Na época estávamos todos na prisão ou à beira dela. Nossa luta vem de longe.

Houve tempos em que europeus perdiam a vida em minas carboníferas. Venceram.

Tenho a sua idade, mas temos certeza de que eles não são tão poderosos assim. Sabe por quê? Eles são burros, Lula. Se pensam apenas em suas comodidades de momento e nunca no porvir histórico, dançarão. Vejam Chile, Argentina, Uruguai, Bolívia, mesmo Portugal, em refluxo político, para onde tantos ricos brasileiros fugiram e, agora, repensam: “socialismo, xi”?

Bobos. Não entendem que no socialismo o pedaço maior ainda continuará a ser deles, com a vantagem de um conforto não agressivo mais seguro. Para tal, precisariam ter lido Karl Marx e seus seguidores de matriz, ou até Delfim Netto, um dos poucos intelectuais brasileiros de direita que, realmente, leu “O Capital” e outras obras marxianas.

A partir de hoje, por apertada e dúbia decisão do STF, Supremo Tribunal Federal, o massacre a Lula será mais violento. Os agentes disso serão ainda mais inclementes. À esquerda restará ser menos covarde e sectária. Caso contrário, sua Mandela-luta estará perdida.

Lutemos contra a ignara direita atual – já tivemos melhor. Claras, explícitas, pelos militares, a TFP, Tradição Família e Propriedade, Opus Dei, IBAD, Millenium, Fraga, mais lidos. Hoje em dia, Olavo de Carvalho, Weintraub, Salles, Araújo, Damares “Tinder”, o astronauta Pontes, risíveis.

Leia também:  Palavra novinha nasce assim, a gente finge que o inverno passado nunca existiu, por Maíra Vasconcelos

Vivam Lula, Chico Buarque, e a cultura brasileira.

Inté!

Nota: escrevo textos e mais textos, e continuo aqui sendo ignorado. Ó sina, ó desilusão. E fico, bobo que sou. Provavelmente, este, o terceiro texto que aqui será ignorado. Penso ter sido despedido. Se fui, leiam-me no Mr. Zuckerberg.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Caro Rui, tu não foi passarinhado. (não repare o Manuel, é bahianês falado por um mineiro que tem uma filha pernambucana)
    O português estava no zoológico do Rio quando viu um belo pássaro e perguntou :
    -Sr como se chama esta ave?
    O segurança lhe respondeu:
    – Ignoro.
    -Ô Maria venha ver que belo casal de ignoros !!!
    Tu não foi passarinhado.
    Abç.

Comments are closed.