Moderninha, por Janderson Lacerda

Foto Divulgação Globo – modificado

Moderninha, por Janderson Lacerda

Josefina vivia nas ruas de São Paulo há mais de uma década. Nunca foi viciada em drogas, a não ser em álcool. Tinha uma filosofia de vida simples e repudiava os mais abastados — gente soberba que costumava ignorá-la.

Sempre foi assediada por pastores e padres, mas nunca se converteu a nenhuma religião. Também teve oportunidade de sair das ruas e de conseguir um emprego formal, mas não se interessou pelas ofertas que recebera. No entanto, sua vida mudou após participar de um Workshop de Negócios para moradores em situação de rua. Uma amiga convidou-a para participar e depois de muita insistência, Josefina aceitou e… A sorte virou!

No workshop, a mulher aprendeu o segredo da prosperidade. O líder do evento, um morador em situação de rua, como ele mesmo apreciava dizer, foi considerado um caso perdido por sua própria família. Edivaldo morou na Praça da Sé por 15 anos. Até que participou do workshop “Business Street” e mudou de vida!

Valdo (como gostava de ser chamado) era eloquente e adorava contar seu testemunho. Josefina, logo, ficou emocionada e pensou estar diante de uma oportunidade única. Edivaldo explicava, com poder de persuasão, que a mendicância precisava evoluir.

“O mundo já não é o mesmo! A modernidade tecnológica obrigou a humanidade a modificar sua relação com o dinheiro. Entretanto, olho para os nossos amigos, que estão em situação de rua, e o que mudou para eles? O morador de rua hoje é o mesmo dos anos 1980. Com as mesmas características, a mesma maneira de pedir esmola. Ora, é preciso entender que a vida muda”… Edivaldo, nesse instante, foi interrompido por gritos, assobios e por uma calorosa salva de palmas…

Leia também:  Já! Por Rui Daher

Após a euforia da plateia, Valdo retomou o raciocino: “quero dizer que precisamos aperfeiçoar nossos métodos de mendicância. Precisamos ter dignidade e é, por isso que desejo apresentar à moderninha, uma máquina segura que aceita crédito ou débito em doações. Também é necessário discutir a maneira como a esmola deve ser solicitada. Não são poucos os mendigos que estão vivendo de quentinhas de igrejas evangélicas ou de ONGs; poxa vida, ter que ficar ouvindo sermão só para ganhar uma marmita?! Isso lá é vida? Quem vai adquirir a moderninha hoje? Lembrando que aqueles que fizerem a aquisição poderão participar do Workshop, Fique rico morando na rua”.

Josefina foi a primeira a erguer o braço. Correu pra frente e agarrou sua oportunidade. Hoje, apesar de continuar vivendo na rua, Fina -como decidiu ser chamada- é proprietária de três moderninhas e estuda a possibilidade de investir em criptomoedas. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Muito bom!

    Muito bom!

    “De uma forma ou de outra, o Capitalismo inclui a todos. Muda apenas a posição de inclusão. Mas mesmo essa pode ser mudada! Você pode, sim, ser um de nós! Basta fazer o que mandamos, ficar onde determinamos!

    Mendicância é pop! Mendicância é tech!”

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome