Nossa bandeira nunca será vermelha!, por Janderson Lacerda

Nossa bandeira nunca será vermelha!, por Janderson Lacerda

O título desta crônica, caro leitor, não foi criado por mim. Admito desde já para não ser acusado de plágio. Fato é que não faço a menor ideia de quem inventou esta frase. Apenas ouço-a com enorme frequência e quer saber a verdade? Devo reconhecer que essa é a mais pura realidade: nossa bandeira nunca, jamais, em hipótese alguma, será vermelha!

E por mais que alguns queiram reescrever a história, isto não é possível! O senador estadunidense, Daniel Patrick Moynihan disse certa vez que “você tem direito as suas próprias opiniões, mas não tem direito a seus próprios fatos”. Em outras palavras, você pode até desejar que a bandeira do Brasil tenha outra cor, mas isso será a sua opinião e não o que acontecerá efetivamente!

A Bandeira Nacional como sabemos é composta por quatro cores: amarelo, azul, branco e verde. Já a frase “ordem e progresso” foi inspirada no pensamento positivista de Auguto Comte.

Enfim, se a nossa bandeira nunca será vermelha não podemos dizer o mesmo a respeito do nome de nossa “pátria mãe gentil”. Há quem defenda a ideia de que o Brasil recebeu esta nomenclatura por volta de 1527, logo nos primeiros anos de sua “colonização”. Na época era retirada das matas a madeira da “Caesalpinia echinata”, conhecida, popularmente, como pau-brasil. Desta madeira era extraída uma resina de cor vermelha, cor de brasa, Brasil, que era usada para tingir tecidos. Essa madeira avermelhada era predominante na Terra de Santa Cruz e dava o tom e as nuances por aqui. Os portugueses seduzidos pelo comércio importavam cada vez mais o pau-brasil e, por fim, decidiram chamar a “antiga Terra de Santa Cruz”, de Brasil. A decisão de mudar o nome da colônia não soou bem para parte do clero. Afinal, o nome de um pau que tinge panos tornou-se mais importante do que o nome da madeira que deu cor e vida ao cristianismo. Isso, porque Santa Cruz fazia menção ao sangue de Cristo que fora derramado para redenção daqueles que creem…

Leia também:  Tato de ninguém, por Eliseu Raphael Venturi 

Apesar do mal estar provocado, o nome Brasil, como sabemos, foi mantido. Mas, ainda que não fosse o vermelho estaria impregnado por aqui. Seja tingindo a Santa Cruz ou dando cor ao vil comércio dos portugueses.

O vermelho é parte da nossa identidade nacional e não importa se o país é chamado de Estados Unidos do Brasil, República Federativa do Brasil, Brasil acima de todos, Deus acima de tudo ou Pátria Amada Brasil; em todos os casos o vermelho está presente. Contudo, se isto não for suficiente e se ainda assim você não aceitar este fato, valerá o slogan utilizado durante a ditadura militar, “Vermelho, ame-o ou deixe-o”! Quero dizer, “Brasil, ame-o ou deixe-o”!

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. vão processar o autor

    bem provável que esse povo processe o autor do texto…imagina associar o brasil à brasa=vermelho! vão enlouquecer, os que conseguirem ler e entender o assunto!

  2. Nosso Brasil

    Que bom poder ver esta análise! Em tempos onde a ignorancia é exaltada, ter acesso a estes textos é como uma brasa de raciocínio que ainda está viva! Para não esquecer: brasa viva e vermelha de Brasil!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome