O meu estranho cérebro confunde «tomar banho» com «tomar café», por Marco Neves

Enviado por Gilberto Cruvinel

O meu estranho cérebro confunde «tomar banho» com «tomar café»

Marco Neves

do blog Certas Palavras

Não sei se devia contar isto…

Bem, que se lixe. Vou contar.

Há muitos anos, andava ainda na faculdade, telefonei a uma amiga minha com quem queria falar e perguntei-lhe se… queria tomar banho!

Ficámos os dois em silêncio e ela lá disse: «Desculpa?…»

Fiquei envergonhadíssimo, pedi mil desculpas e enfrentei com coragem as risadas sinceras da minha amiga.

Juro que não era nenhum convite disfarçado de engano (vulgo «atirar o barro à parede»). Foi mesmo um qualquer curto-circuito da minha cabeça.

E tanto é assim que, meses depois, cheguei-me a um grupo de amigos, na faculdade, e perguntei alto e bom som: «Querem ir tomar banho?» Todos ao molho!

O riso foi geral.

Comecei a ficar preocupado: que estranha ligação era esta, na minha cabeça, entre «banho» e «café»?

Tenho algumas teorias. Talvez tudo tenha a ver com o verbo «tomar», que estará arrumado numa gaveta com o «banho» e o «café» e, quando abro a gaveta, sai o que estiver mais à mão. Talvez. Não sei.

Anos depois, as confusões momentâneas começaram a ser mais estranhas. Há uns cinco anos, tive uns meses em que confundia palavras sem qualquer relação possível ou imaginável.

Começou quando disse à minha mulher que tinha havido um acidente na telenovela (ou seja, na auto-estrada).

Dias depois, disse-lhe que uma amiga nossa mandara uma mensagem a combinar um café no Subsídio de Férias.

Ela ficou a olhar para mim com cara preocupada e, segundos depois, lá me caiu a moeda e expliquei que o Subsídio de Férias, dentro da minha cabeça, é o Cais do Sodré.

Leia também:  Opinião, por Izaías Almada

Essa tendência para a troca de palavras por outras sem qualquer relação lá amainou.

No entanto, de vez em quando, lá me acontecem uns novos incidentes.

Há uns dias, aconteceu-me um destes lapsos de língua, mas com as mãos.

Costumo estacionar o meu carro em três estacionamentos diferentes: em casa, no escritório da empresa de tradução onde trabalho e na faculdade onde dou aulas. São três estacionamentos bem diferentes, e em nenhum momento me passa pela cabeça confundi-los.

Pois bem, quando ia a subir o estacionamento da faculdade, que não tem portão fechado, peguei no comando da garagem de casa e comecei a carregar furiosamente, para poder sair. Com o portão aberto à minha frente. Não sei se o meu cérebro pensou que o comando iria parar o trânsito da Avenida de Berna, mas sei que fiquei muito envergonhado — e não estava ninguém a ver.

Porque estou a falar disto tudo?

A nossa cabeça tem razões que a própria cabeça desconhece. Os neurónios são bichos estranhos e o cérebro é, pelo que dizem, o mais complexo objecto alguma vez encontrado em todo o universo conhecido (pelo menos até encontrarmos os míticos marcianos de grandes cabeças, onde se esconderão cérebros tão complexos que nos deixarão ao nível da pequena formiga).

Bem, toda esta história e todas estas confissões para chegar a uma conclusão muito simples: o nosso cérebro é muito falível. E muito mais falível do que parece pelos exemplos que dei acima: há erros muito mais graves que todos fazemos e, nalguns casos, nem reparamos (e, por isso, não podemos contá-los num blogue).

Ao contrário do que se possa pensar, todas as profissões usam o cérebro. Das mais intelectuais às mais físicas, não há profissão que possa ser exercida por quem não usa o órgão mais complexo do nosso corpo.

Leia também:  J’Accuse, por Wilson Ramos Filho

Mas, obviamente, há profissões que puxam mais pelo motor intelectual do que outras. As várias profissões da área da tradução são um exemplo: tradutores, gestores de projecto, revisores, terminólogos, etc.

Os tradutores precisam de puxar especialmente pelo cérebro, uma máquina que é muito mais do que uma máquina, um músculo que consome muito mais energia do que qualquer outro órgão do corpo humano, um milagre da evolução natural que nos deixa com capacidade para tanto e, mesmo assim, é tão, mas tão limitado quando está cansado ou não está para aí virado. Temos de o conhecer para trabalhar bem. Temos de o ter bem descansado e bem treinado — se queremos trabalhar bem com as palavras.

Mas, acima de tudo — e este post que já vai longo resume-se a isto — temos de perceber que o nosso cérebro falha e adaptar os nossos procedimentos a esse facto que tantos ignoram. Ou melhor: tantos ignoram no que toca ao seu próprio cérebro.

Há uma tendência muito marcada no nosso cérebro para ignorar ou desculpar os erros próprios (que, por vezes, nem são considerados erros) e para encontrar e sublinhar os erros dos outros.

Na área da tradução, conseguimos aproveitar este facto da vida em benefício dos nossos clientes quando conseguimos ter duas pessoas a olhar para o mesmo texto.

Quando estamos a falar de tradutores individuais, é preciso ter muita força de vontade e contrariar assumidamente essa tendência do nosso cérebro para ignorar os nossos erros — se queremos conseguir rever em condições os textos que traduzimos. (Aliás, o mesmo se aplica aos textos que escrevemos.)

Se alguém estiver convencido que nunca se engana e raramente tem dúvidas, mais facilmente irá cair em erros e não saberá aproveitar a sabedoria da dúvida.

Leia também:  A perda da crônica, por Eliseu Raphael Venturi

Por fim (prometo que deixo o vosso cérebro descansar logo a seguir): temos de perceber que o nosso cérebro não evoluiu dentro dum escritório ou virado para o computador durante horas a fio e por isso há cuidados especiais a ter por quem se vê nessa situação. Porque, senão, o cérebro revolta-se quando menos esperamos. Também disso espero conseguir falar neste blogue nos próximos tempos.

Nós não somos máquinas infalíveis: somos um animal com um cérebro sobredimensionado, que usou essa característica (que o distingue dos outros seres vivos) para chegar muito longe, mas que por vezes não consegue deixar de cair na tentação de se achar mais perfeito e infalível do que, de facto, é.

Tradutor e professor. Autor dos livros Doze Segredos da Língua Portuguesa (2016), A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa (2017) e A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (2017). Saiba mais nesta página.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. O caso isolado é explicável (pela LÍNGUA); a repetiçao…

    O caso isolado (tomar banho/ tomar café) realmente pode ser explicado pelo uso do mesmo verbo. Mas se vc está tendo episódios repetidos de troca de palavras devia consultar um neurologista, isso é sintoma de disfasia, e pode evoluir para afasia. Melhor consultar um médico e fazer uma ressonância.

    • Eu ia falar mais ou menos o

      Eu ia falar mais ou menos o mesmo.

      Eu sou tao audiocentrado que confundo palavras QUE RIMAM, so na fala, claro – alguns dos meus melhores malapropismos sao baseados nisso, alias.

      Minha esposa eh tao visual que ela fala “pega aquele negocio la no coisa pra mim” e nao consegue ver o que esta errado.

      Agora, na sentenca “eu tomei banho no mes passado” todo mundo se concentra em “no mes passado” enquanto o autor estariaa se preocupando com o verbo somente e perderia a intencao da sentenca.  O que quer dizer que ele faz erros de classificacao de CATEGORIAS funcionais.  Nao ha nada de “errado” com isso.  Eh a arquitetura pessoal que ele tem em seu cerebro.  Eu recomendaria algum exame mais aprofundado somente se achasse que ele tem ligacoes neuroniais entre dois hemispherios cerebrais.  Mas por enquanto…  Isso eh bem improvavel.

      Pra mim…  So arquitetura cerebral mesmo, a esse ponto.  E uma sequencia de classificacoes de categorias truncada.  Nada de mais.

      • Visitinha

        Antes de levar a coisa tão a sério, se vocês derem uma olhadinha na página de Marco Neves talvez não façam as mesmas recomendações. Achei uma delícia, bem melhor que os biscoitos de amendoim que estou comendo. 

      • Ivan, os exemplos q ele deu sao comuns em disfasias

        E isso merece uma investigaçao neurológica. Parecem bem com sintomas de disfasia, do tipo dos que ocorrem na afasia de Wernicke (NAO ESTOU dizendo que se trata de afasia; mas é algo do tipo, e é melhor investigar).

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome