O que esperar do empresariado nacional? Por Rui Daher

Dos aquietados empresários, só posso imaginar burrice e, mais provável, ganhos financeiros ainda maiores do que tiveram na época de Lula.

O que esperar do empresariado nacional? Por Rui Daher

Respondo ao título. Como sempre nada, além da otimização de proveitos oportunistas contra a histórica miserabilidade da população brasileira, que não os envergonha.

Exceções? Claro. Como em tudo. Mas o Brasil atual dá a eles oportunidade de discernimento, percepção do ridículo, do abominável e inconcebível.

Então, por que o silêncio que não se repetiu com Jango, Collor e Dilma?

Medo das Forças Armadas Bélicas, ingenuamente, aparelhadas por Lula? Hoje a coonestar o assaque do insano.

Pequenina brecha na fenda do Acordo Secular de Elites, ainda ignorante em aceitar a nulidade de três décadas do infeliz inativo, por quase três décadas, Jair Messias Bolsonaro.

O que temem? `Perderem as benesses, liberdade de expressão e judicial, sempre ofertadas por Lula e Dilma em seus mandatos, mas esquecidas por vocês?

Na época, quais foram as taxações sobre heranças e fortunas? Nada. Então, esperem para saber de quem, além dos miseráveis do ajuste, pagará a conta de uma pandemia, real, mas exacerbada por um governo federal de equívocos e trapalhadas, insufladas por presidente imbecil.

Dos aquietados empresários, só posso imaginar burrice e, mais provável, ganhos financeiros ainda maiores do que tiveram na época de Lula.

Ninguém saberá mensurar.

Diante de um louco genocida, apoiado por filhos, ministros e políticos incapazes, apoiadores de ocasião, ele desconectado intelectualmente de qualquer compromisso ético, precisa ser derrubado imediatamente.

Haverá entraves e consequências, mas não tão definitivas como as que estão por vir, enquanto persistir o câncer bolsonarista.

As Forças Armadas, ora elas, estão com ele, cooptadas e aparelhadas que foram por insubordinado capitão da reserva. Pode? E a hierarquia e disciplina? Fazem-se valentes, mas faltam-lhes culhões para sair do armário antidemocrático.

Muitos de vocês poderão se isentar, embora avisados fossem. De nada adiantou, como exposto por bons e honestos pensadores sobre as novas formas ditatoriais, coonestadas pelo voto popular e “democrático” expresso em eleições, que se aproveitam de ignaro gado.

São muitos os pesquisadores que souberam entender a gênese de nosso final lúgubre, que hoje em dia parece sem volta.

Refiro-me a vocês que escolheram eleger Jair Messias por voto direto, nulo ou abstenção.

Pois é. Mataram a nação. Espero que, pobres ou ricos, continuem felizes. Cada um com sua pior culpa. Ignorância e ignorância.

Não descansarei enquanto essa canalha estiver no poder do nosso País.

Inté!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora