Pandemia ou a objetividade obtusa de Tostão, por Urariano Mota

Entendam. Para um homem que também é médico não se deve exigir dele que seja um Sócrates.

Pandemia ou a objetividade obtusa de Tostão

por Urariano Mota

Tostão foi um dos nossos maiores craques. Depois, se tornou cronista esportivo e, justiça feita, para um jogador de futebol ele escreve muito bem. Mas aqui e ali o nosso craque no gramado comete, ou paga, o talento de uma formação para a bola. Na coluna publicada hoje na Folha de São Paulo, ele escreve: 

“Daqui a 100 anos, como a história contará a atual tragédia? Deduzo que, com as atuais tecnologia e informação, as narrativas estarão muito mais próximas da realidade e da verdade que no passado. Com o tempo, os fatos eram modificados pelas versões e pelos relatos pouco precisos, às vezes, literários”. l

Entendam. Para um homem que também é médico não se deve exigir dele que seja um Sócrates. Mas Tostão mal sabe, ou nem sabe, que a narração literária está acima da mais alta tecnologia ou invenção eletrônica, digital. Isto é: a narração, por força do muito e bem observar, e melhor ainda meditar com as armas da arte e da poesia, por sensibilidade insubstituível  vê o que as imagens gravadas jamais serão capazes de mostrar.

Lembro de imediato Norman Mailer, que ao contar a luta decisiva de Muhammad Ali contra George Foreman, viu e nos mostrou:  

“Faltando vinte segundos para o final do assalto, Ali atacou. Por sua própria avaliação, por aquela avaliação decorrente de vinte anos de boxe, com o conhecimento de tudo o que aprendera a respeito do que se pode e do que não se pode fazer em qualquer instante no ringue, escolheu aquela ocasião e, deitado nas cordas, acertou Foreman com uma esquerda e uma direita, saiu das cordas para atingi-lo com uma esquerda e com uma direita. Nesta última direita aplicou outra vez a luva e o antebraço, uma pancada estupefaciente que lançou Foreman aos tropeções para a frente. Enquanto ele passava diante de si, Ali acertou o lado de seu queixo e saltou das cordas, de modo a deixar Foreman próximo a elas. Pela primeira vez em toda a luta ele havia bloqueado o caminho de Foreman. Agora Ali alvejou-o com uma combinação de socos velozes como os do primeiro round, porém mais duros e mais consecutivos, três direitas capitais seguidas atingiram Foreman, depois uma esquerda, e por um instante surgiu no rosto de Foreman a consciência de que estava em perigo, e que deveria começar a procurar por uma última proteção. Seu oponente estava atacando, e não havia cordas por trás do oponente. Que deslocamento: os eixos de sua existência invertidos! Ele era o homem nas cordas! E então um grande projétil, do tamanho exato de um punho dentro da luva, penetrou no meio da mente de Foreman, o melhor soco daquela noite espantada, o soco que Ali guardara por uma carreira. os braços de Foreman voaram para os lados como os de alguém que salta de paraquedas de um avião e, nessa posição dobrada, tentou vaguear até o centro do ringue. Todo o tempo seus olhos ficaram voltados para Ali, e fitou Ali sem raiva, como se Ali fosse a pessoa que ele melhor conhecesse no mundo, que estaria com ele em seu leito de morte. A vertigem tomou George Foreman e o revolveu. Ainda dobrado pela cintura, naquela posição de incompreensão, os olhos o tempo todo em Muhammad Ali, começou a desmoronar e a ruir e a cair, mesmo não querendo ir ao chão. Ímãs mantinham sua mente nas alturas do campeonato e seu corpo buscava o chão. Foi ao chão como um mordomo de sessenta anos e um metro e oitenta, que acaba de ouvir uma notícia trágica, sim, caiu ao longo de dois demolidores segundos, ao solo foi gradualmente o campeão, e Ali voluteou em torno dele num círculo fechado, a mão pronta para atingi-lo mais uma vez, mas não precisou fazê-lo” 

Ou como expressou muito bem o maior cronista esportivo que já houve, mais conhecido pelo nome de Nelson Rodrigues: 

– O tape é burro!

Ou seja, não existe imagem que melhor fale sem o poder da literatura. A imagem, a câmera que flagra, a mais alta  tecnologia, isolada, só ela, é burra. Ou digamos, para suavizar a sentença, é obtusa. 

*Vermelho https://vermelho.org.br/prosa-poesia-arte/urariano-mota-pandemia-ou-a-objetividade-obtusa-de-tostao/ 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Frases & Versos (II), por Izaías Almada

10 comentários

  1. Urariano, pela figura que foi e que é, o Tostão
    não merece essa crítica. Nota-se uma certa
    pessoalidade em seus argumentos.

    7
    2
  2. Eu, que sou bastante obtuso, além de não ter visto a tal luta, entendi “orra” nenhuma deste texto! Pelo pouco que meus “tom & jerri” puderam apreender, a reflexão do Tostão foi, acima de tudo, “hipocloridrica”, que eu também não faço a menor ideia do que significa!

    1
    1
  3. O senhor não lê o que Tostão escreve ou pelo menos não lê com alguma frequência. Se lesse veria que ele nunca, em nenhum momento, desprezou a literatura, pelo contrário, enfatizou-a em toda sua singularidade. Difundiu, mais que todos os cronistas, a sua importância, citando autores e obras e vinculando-as à vida, à política e ao esporte. À questão que ele levanta o senhor nada acrescentou, e ela é importante. O senhor preferiu prender-se à uma única palavra que poderia, na crônica, ser substituída pelo autor invencionices. Ou o senhor pensa, por exemplo, que toda a invencionice em torno da vida de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, não é literatura?

  4. Uuuufffa ! Muito apreensivo ao ler o título, pensei no Tostão, que muito admiro, ter dito algo deplorável, tipo Havan, Madero ou Justus. Foi apenas uma bobagem literária. Ops, ops, prezadíssimo Urariano, calma, calma, foi só uma escorregadela de alguém que não é médico, nunca jogou futebol e não sabe escrever mas felizmente sabe que nada que seja literário possa ser bobagem. Então corrijo, Tostão disse só uma bobagem.

  5. “Para um jogador de futebol ele escreve muito bem”…impressão minha ou aqui se têm um grosseiro exercício de falsa superioriade intelectual?

    3
    1
  6. Urariano,
    A abundância de avaliações negativas evidência que a leitura e interpretação de textos é para poucos.
    Pior, a arrogância abunda! Se o cidadão não entendeu o que leu, melhor ficar calado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome