Para Maria, por Urariano Mota

Como responder ao preconceito fascista que sobrevive no século vinte e um? Procuro um caminho e não o encontro agora. Mas enquanto uma resposta não vem, copio breve trecho do meu romance “O filho renegado de Deus”, que fala de uma certa Maria falecida em 1958. 

Fernando Botero

Para Maria

por Urariano Mota

Uma deputada bolsonarista postou: “E o Instagram sumiu mesmo com o número de likes. Tudo para a gorda feminista peluda do cabelo roxo não ficar deprimida ao ver o desempenho da coleguinha na rede”

Como responder ao preconceito fascista que sobrevive no século vinte e um? Procuro um caminho e não o encontro agora. Mas enquanto uma resposta não vem, copio breve trecho do meu romance “O filho renegado de Deus”, que fala de uma certa Maria falecida em 1958. 

Para as gordas feministas, tudo mesmo. 

“Suave pluma que acaricia, assim como se diz de uma página antes de nela se inscrever uma vida, como a dizer ‘aqui o necessário amor será construído, aqui e daqui será feito um memorial do teu instante’, a mão amiga e companheira que pegasse em sua mão e lhe dissesse, ainda que sem palavras, ‘o nosso caminho não é fácil, mulher, mas estarei muito feliz contigo, sob qualquer fogo ou dor’, e assim, lado a lado, cúmplices e justos, mais justo que um pênis em sua morada, mais justo que uma vagina em seu morador, e maior que a extensão do caminho, psiu, amigos, silêncio, que Maria e seu amor estão passando. Nós, silenciosos, os acompanhamos com os olhos e a compreensão de que a felicidade é possível, como uma necessidade que faz do barro a forma do que manda o espírito. Prenda e presa Maria está passando. Olhem só como ela canta, Maria canta!, ninguém sabia, Maria sorri com as faces rubras, Maria faz graça dela própria e se finge com raiva, incha as bochechas e as abre num sorriso, Maria mostra os seios, na rua, e nisso existe apenas eu sou Maria a mãe, mulher e amante em uma só pessoa, sim, Maria se despe dos vestidos mais toscos e esmolambados, para andar com a sua harmonia descalça, e nisso é apenas ela, ela e seu amor de que necessita. Maria alcança enfim o amor de que precisa. 

Nessa vista do que ela poderia ser, estranho é que o seu companheiro não se materializa aos olhos. Ela é como uma felicidade sem o seu objeto, a mulher feliz com um companheiro que não se vê. E a causa não é difícil nem inexplicável. Mesmo na abstração, mesmo no sonho mais livre, as linhas da realidade exigem um vínculo, uma determinação que não é exata nem férrea nem opressora, mas é presente. As maiores possibilidades, mesmo as de maior fantasia, sempre partem de um terreno, de uma terra conhecida. Mesmo na visão do que o meu coração precisa, até quando a vemos feliz junto a  seu companheiro encantado, o lugar desse homem está sem ninguém. Melhor, está sem nada, pois jamais recebeu hóspede, morador ou inquilino. Maria era gorda. 

Havia antes na sociedade, ainda há, o conceito anterior à experiência de que as pessoas eram e são tais quais as formas exteriores. Assim, um homem de cara feia, forte, seria um homem perigoso, um criminoso potencial, como diria um Lombroso simplificado. Quem visse Maria, antes de mais nada via a mulher gorda. E numa posição anterior até à mulher, via a gorda. E essa vista apreendia uma pessoa risível, ridícula, incapaz, e, apesar disso, dotada de qualidades simpáticas, de apreciadora da boa mesa. No entanto, Maria mal possuía uma mesa, vale dizer, apenas possuía uma tábua sobre quatro pés, o lugar onde se punham calorias, farinha e gordura de banha de porco, nada de fino gosto e melhor elaboração. Simpática, sim, mas a sua simpatia era a de gostar e de amar pessoas,  de abraçar gente, como se com elas celebrasse os últimos dias de vida. Para um meio sexualizado pela brutalidade, essa não era uma qualidade feminina, queremos dizer, de fêmea, para uma concessão a esse gênero de sexualizar a mulher. Esse modo de simpatia não era percebido, não lhe viam o pertencimento a um todo erótico, amoroso, sensual. Ela era simpática porque todos os gordos são simpáticos, isto é, cômicos, engraçados. Gordos folgazões, comilões, fracos, coitadões, por comida farta. Gordos inofensivos, palhações. Com a diferença que, sendo mulher, contrariava a condição número 1 da mulher: ser boceta conforme as musas do cinema. Se não iguais, porque impossível, que guardassem pelo menos um corpo de miss. 

Ela jamais seria Miss Maria. Era uma senhora que iria brilhar até a idade provecta de 30 anos.  Cintura larga, busto largo, braços largos, pernas largas, pés largos. E com estatura baixa, o que a fazia ainda mais cheia. A uma senhora assim não estavam reservados encontros idílicos, amorosos, sensuais, sensuais!, não nos matem de rir. Que comédia. O beco, o bairro, a cidade inteira poderia explodir numa gargalhada se soubesse o calor do carinho que Maria guardava” .

*Vermelho http://www.vermelho.org.br/noticia/322062-1

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  D’Artagnan D’Ourinol Episódio 10 - Final, por Rui Daher

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome