semiótica, por Zê Carota

semiótica

por Zê Carota

como sindicalista, organizou e liderou greves vultosas e tensas.

como expressiva liderança progressista, protagonizou inúmeros atos pelas Diretas Já.

como candidato, fez comícios, passeatas, carreatas e corpo a corpo para eleger-se, primeiro, deputado federal constituinte, depois, e por duas vezes, presidente.

como estadista mundialmente reconhecido e requisitado, rodou ocidente e oriente.

já septuagenário, como liderança única (no sentido mais poderoso dessa palavra) por uma democracia que se conquista para demolir seu simulacro permitido, não conseguiu resgatá-la, mas precisou de apenas um dia – repetindo, UM DIA – para conseguir o que somente ele seria capaz: em meio ao mais sólido campo de concentração de poderes já construído pelo capital (nacional e internacional), pela mídia e pelo escritório de advocacia de ambos, o judiciário, encontrou o milímetro necessário para gritar ao mundo o GOLPE (mais um) em curso nesse misto de cassino para punheteiros (lucro, afinal, é gozo unilateral) e disneylândia do ódio a que o Brasil ‘precisa’ ser reduzido.

nesses seus 40 anos de estrada, Lula sempre esteve não somente COM o Povo, mas EM MEIO a este, trocando suores, lágrimas e perdigotos derivados de exclamações, sendo engolido por bololôs daquela esperança que só a promessa que se vê e se sente no olhar da legitimidade da história de vida e de luta pode promover, e arrastado por tsunamis de todos os sentimentos derivados da Dignidade por DIREITO que conferiu a todos que só a conheciam pelos dicionários ou, mais comum, a intuiam em sua versão doente, naquele arremedo de vida dos que os exploravam.

em todos esses fuzuês, aqui e no exterior, maior fosse a tensão do momento, piores fossem os conflitos, Lula nunca sofreu nem sequer um arranhão nas bochechas.

ontem, você soube, os elementos do stf que legitimou a ilegalidade do GOLPE em Dilma e, colocando-se de joelhos para um ordenança do imperialismo lotado em Curitiba, prendeu Lula, escandalizando juristas do mundo inteiro, criaram, no aeroporto de Brasília, uma área vip para si, alegando razões de “segurança”.

quem, afinal, cometeu crime e está preso?
responda para si mesmo, você aí, que apoiou o GOLPE – e que, não, não tem acesso ao conforto covarde daqueles para os quais não tem mais serventia, ou uso.

#LulaLivre

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora