Terraformando Marte!, por Alexandre Sartori

Cerca de 4,2 bilhões de anos atrás, o campo magnético deste planeta desapareceu repentinamente, o que fez com que a atmosfera de Marte se perdesse lentamente para o espaço, varrida pelo vento solar.

Terraformando Marte!

por Alexandre Sartori

Saudações Terráqueos 2020! Marte é um enorme canteiro de obras e teremos que mudar o termo de “faraônica” para “marsiônica”! Sim, estamos mudando todo o planeta. Neste incrível projeto multinacional, o plano é transformar o planeta em um novo lar para humanos, bichos e plantas. Marte de hoje é frio, desértico e inabitado, exceto por Cimon e eu, nesta pequena bolha autossustentável. Para torná-lo habitável temos várias etapas simultâneas já em andamento:

A primeira é a do escudo magnético. Marte já teve um campo magnético protegendo sua atmosfera. Cerca de 4,2 bilhões de anos atrás, o campo magnético deste planeta desapareceu repentinamente, o que fez com que a atmosfera de Marte se perdesse lentamente para o espaço, varrida pelo vento solar. O vento solar é um fluxo de partículas, principalmente de prótons e elétrons, que fluem da atmosfera do sol a uma velocidade de cerca de um milhão de quilômetros por hora, acelerando átomos de gás atmosférico carregados eletricamente (íons) e lançando-os ao espaço. Este efeito continua até os dias de hoje de uma forma significativa. Em resposta a este desafio, o Dr. Jim Green – diretor da Divisão de Ciência Planetária da NASA – e um grupo de pesquisadores posicionaram um satélite inflável, gerador de um dipolo magnético de 2 tesla, no ponto Lagrange de Marte (L1), projetando uma sombra (ou uma magnetosfera artificial) que encobriu todo o planeta, protegendo-o do vento solar e da radiação.  Funciona como se fosse a sua sombra na praia ao pôr do sol, que pode encobrir até um prédio inteiro devido a angulação dos raios solares e a grande distância do edifício. A atmosfera de Marte tem cerca de 6 mbar de pressão de ar (menos de 1% da pressão do nível do mar na Terra). Com esse escudo magnético artificial espera-se causar o aumento progressivo da pressão atmosférica, derretimento do CO2 das calotas polares (causando um efeito estufa), gerando aquecimento do ambiente para 4ºC e, finalmente, derretimento de parte das lagoas de água, simplificando em muito a gestão de recursos no planeta. Esta mudança visa permitir que uma massa maior de equipamentos aterrissem na superfície (pelo aumento da frenagem pelo arrasto atmosférico), proteger os colonos das radiações cósmicas e solares, estender a capacidade de extração de oxigênio/combustível e fornecer estufas ao ar livre para a produção de plantas. A segunda principal etapa do projeto é acréscimo atmosférico. A idéia é a mineração completa de sua lua Phobos e depois jogá-la sobre Marte. Esta idéia, inicialmente, chocou a comunidade científica internacional, mas foi impulsionada pelo grande interesse militar envolvido. Desta forma a Força Espacial dos Estados Unidos designou esta missão para Nasa, Boring Company e Space X. Foi enviado a Phobos uma grande perfuradora autônoma e robôs construtores geridos por inteligência artificial (os mesmos que construíram esta base em Marte) para mineração e estabelecimento de uma base habitável subterrânea (está quase concluída). Vai funcionar como uma base logística para Marte e zona de reabastecimento para espaçonaves, nos moldes do projeto Artemis, da lua terráquea. Após alguns anos de exploração planejam migrar esta base, o equipamento e minérios para Deimos. Planejam futuramente gerar a propulsão de Phobos em direção a nova atmosfera de Marte, agregando a lua, composta de principalmente água, carbonáceos, oxigênio e metano, na nova atmosfera marciana. Pelos estudos isso poderia aumentar a temperatura ambiente para 7ºC. O objetivo principal, caso funcione, é de futuramente capturar alguns asteróides próximos para ir refazendo aos poucos a atmosfera marciana, até ficar totalmente habitável. Já podem planejar, portanto, suas férias em Marte lá por 2050! Por hoje é isso, fiquem em casa e lavem bem as mãos!

*Detalhes sobre as tecnologias? Siga-me no tweeter @AlexandreSart13

**Após uma implosão acidental, ocorrida no Brasil em 2013, foi catapultado através do horizonte de eventos para uma base marciana em 2025. Escreve de lá quinzenalmente para o GGN.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Em 2050? Bem otimista hein?!

    O projeto do finado Carl Sagan de terraformar Vênus me parece mais facilmente exequível. Alguns foguetes levando algas que consomem CO2 e produzem oxigênio e o efeito estufa do planeta estaria debelado em cerca de 100 anos.

  2. O Homem; As Viagens
    (Carlos Drummond)

    O homem, bicho da Terra tão pequeno
    Chateia-se na Terra
    Lugar de muita miséria e pouca diversão,
    Faz um foguete, uma cápsula, um módulo
    Toca para a Lua
    Desce cauteloso na Lua
    Pisa na Lua
    Planta bandeira na Lua
    Experimenta a Lua
    Coloniza a Lua
    Civiliza a Lua
    Humaniza a Lua.
    Lua humanizada: tão igual à Terra.
    O homem chateia-se na Lua.
    Vamos para Marte – ordena a suas máquinas.
    Elas obedecem, o homem desce em Marte
    Pisa em Marte
    Experimenta
    Coloniza
    Civiliza
    Humaniza Marte com engenho e arte.
    Marte humanizado, que lugar quadrado
    Vamos a outra parte?
    Claro – diz o engenho
    Sofisticado e dócil.
    Vamos a Vênus
    O homem põe o pé em Vênus,
    Vê o visto – é isto?
    Idem
    Idem
    Idem.
    O homem funde a cuca se não for a Júpiter
    Proclamar justiça junto com injustiça
    Repetir a fossa
    Repetir o inquieto
    Repetitório.
    Outros planetas restam para outras colônias.
    O espaço todo vira Terra-a-terra.
    O homem chega ao Sol ou dá uma volta
    Só para tever?
    Não-vê que ele inventa
    Roupa insiderável de viver no Sol.
    Põe o pé e:
    Mas que chato é o Sol, falso touro
    Espanhol domado.
    Testam outros sistemas fora
    Do solar a colonizar.
    Ao acabarem todos
    Só resta ao homem
    (Estará equipado?)
    A dificílima dangerosíssima viagem
    De si a si mesmo:
    Pôr o pé no chão
    Do seu coração
    Experimentar, colonizar, civilizar
    Humanizar o homem
    Descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas
    A perene, insuspeitada alegria de con-viver.

  3. Levar-se-ia 100 anos para reverter o efeito estufa da Bela Vênus. Enquanto espera-se pelo resfriamento do mencionado Planeta, tal qual o Raul, Eu

    “Tô trancado aqui no quarto
    De pijama porque tem
    Visita estranha na sala
    Aí eu pego e passo
    A vista no jornal

    Um piloto rouba um “mig”
    Gelo em Marte, diz a ”Viking”
    Mas no entanto
    Não há galinhas em meu quintal
    Compro móveis estofados
    Me aposento com saúde
    Pela assistência social

    Dois problemas se misturam
    A verdade do Universo
    A prestação que vai vencer
    Entro com a garrafa
    De bebida enrustida
    Porque minha mulher
    Não pode ver

    Ligo o rádio
    E ouço um chato
    Que me grita nos ouvidos
    Pare o mundo
    Que eu quero descer’.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome