Tuiuti foi beija-flor, por Zê Carota

Foto de Luis A. Florit

Tuiuti foi beija-flor

por Zê Carota

o jornalista norte-americano Henry Louis Mencken (1880-1956) assim definiu o pessimista: “Alguém que quando sente cheiro de flores pergunta onde é o velório”.

 

na manhã seguinte ao antológico desfile da Paraíso do Tuiuti, nas redes sociais, a maior parte das pessoas, dentre as quais me incluo, saudou e exaltou o curso intensivo de História do Brasil que a escola de samba carioca deu na avenida (e  transmitido para o país inteiro), com enfoque na escravidão, desde a original, com legítimos sinhozinhos de engenho e seus capitães-do-mato, até a sua dissimulada versão atual, com sinhozinhos fantasiados de “empresários” e seus capitães-dos-patos – entre estes últimos, o próprio grupo midiático globo, com nada menos do que três GOLPES em seu extenso Boletim de Ocorrências.

 

mas também houve alas que, feito os jurados do título, tiraram décimos da escola, minimizando a importância ao mesmo tempo catártica e histórica de seu desfile.

de um lado, intelectuais conservadores e progressistas, com toda experiência e sabedoria de quem, se receber um tamborim e duas varetas, dirá “obrigado, mas cadê o sushi?”, decretaram que “não se faz revolução com carnaval”; do outro, políticos e militantes da velha e da nova esquerda que precisam do caos, não de sua redução ou extinção, porque, no caso dos políticos, ele é combustível para o discurso de suas teorias revolucionárias, e, no caso dos militantes, veículo para a expressão daquele prazer babaca e sadomasoquista do “eu disse que nada adianta, não disse?”.

 

sem distinção, todos corroboram a citada frase de Mencken.

de execrável lambuja, eximem-se de sua parte na obrigação de todos: lutar.

 

Leia também:  Crônica de uma Mariana Ilheira, por Rui Daher

é irresponsável, estúpido, injusto e covarde minimizar e cobrar mais de uma célula social composta justamente pela camada mais violentada pelo golpe, seus arquiteto$ e $erviçai$, que, com visceralidade, legitimidade e beleza, enfrentou publicamente, com os seguintes e imediatos efeitos: inflamou o ânimo para a luta em toda uma militância refém da letargia das autoproclamadas lideranças sociais, sindicais e políticas que prometeram incendiar o país caso o golpe passasse, mas, pelo visto, até hoje não encontraram os fósforos; enfureceu a mídia golpista, que lhe arreganhou suas garras e presas; e chamou a atenção da mídia internacional, mostrando ao mundo o verdadeiro crime organizado deste país.

 

enquanto isso, o que seus críticos e jurados fizeram efetivamente, além de textões e memes para retroalimentação infértil e maçante entre seus pares?

se há alguma serventia nisso, a de revelar como direita e esquerda se valem do mesmo diapasão para discursos reativos ao que ambas não toleram: protagonismo de Povo, pois os primeiros exigem obediência incondicional e perpétua, enquanto os segundos não admitem perder o direito autoconferido de falarem pela plebe que creem rude e ignara – papel que hoje em dia, além de redenção, gera likes no facebook.

 

o desfile da Tuiuti foi uma AÇÃO extremamente poderosa e inspiradora, o que, por todos os efeitos obtidos, já descritos acima, é infinitamente maior e mais eficaz do que qualquer discurso, hashtag, slogan etc.

 

em sua famosa parábola, usada na campanha para mobilizar o país contra a fome, o Betinho nos conta do beija-flor que durante um incêndio na floresta ia ao rio, enchia o biquinho com água, que despejava sobre o fogo, repetindo a ação seguidas vezes.

em dado momento, lhe disseram que o que estava fazendo não iria apagar o incêndio, ao que responde o beija-flor: “Eu sei, mas estou fazendo a minha parte”.

 

Leia também:  Dos cristais à porcelana: a América Latina na mira dos milicianos, por Luís Fernando Vitagliano

a Tuiuti foi, de verdade, beija-flor.

única.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Tuiuti….

    Betinho idealizou o Brasil Sem Fome, no ano em que o IBGE constatou que o maior problema alimentar nacional era a Obesidade. Está lá nos registros. Mas o tal compactuou até com Traficantes de Drogas em busca da sua glória. Não resume bem nossa Elite Intelectulóide Esquerdopata? “We are the World” vendeu milhares de cópias. Alavancou carreiras mundiais. Redefiniou a internacionalização da Indústria Fonográfica. Qual era mesmo o objetivo? Etiópia ou Somália? Poderíamos citar um único nome dos beneficiados?  Michael Jackson, Stieve Wonder, Bruce…? Etiope ou Somali?  Ah! Se o Povo pudesse estudar e apreneder sobre Henry L. Mencken. Talvez não precisasse mais da sua Elite Esquerdopata. E isto seus Sindicatos, que se apossaram do Ensino Público num pacto com um Ditador nos anos de 1930, nem sonham em permitir. Mas sabemos a razão das nossas Escolas. A culpa é dos outros. O atual Bicheiro, Lavador de Dinheiro de Corrupção Policial, Politica, Criminosa, do Tráfico de Drogas, Patrono da Escola Beija Flor é o atual ‘dono’ do RJ, depois da morte de Castor de Andrade. Outro pária patrono de outra Escola de Samba. Criminosos em igual teor. Coincidência ser dele a escola que está sempre ganhando? Exzcelente exemplo que nossa Elite Esquerdopata sugere para os caminhos desta Nação. O Brasil é de muito fácil explicação. (P.S. quando Betinho falava em fome no Brasil, mostrava regiões onde se dizia que nada era possível de produção. Até Brasileiros Tranbalhadores com outra Visão de Mundo chegarem por lá com sua Agropecuária. Agora são das regiões maiores produtoras de Alimentos do Mundo Vale do Jequitinhonha, interior do PI, CE, BA, MA, RN,…) 

  2. Excelente! Precisamos todos

    Excelente! Precisamos todos fazermos a nossa parte. Obrigada, por ser sempre um incentivo e não nos deixar desanimar!

  3. AÇÃO extremamente poderosa e inspiradora

    Tão poderosa que os verdes de cortunos chegaram pisando forte, marchando em alto e bom som, dois dias depois.

    Os capitães-do-mato, lacaios, sem caráter e vegonha na cara.

    Obrigado e parabéns aos Tuiutanos.

  4. pessimistas e realidades

    Gostaria de acreditar que  um evento controlado pela rede globo há décadas fosse capaz de algum efeito além de uma catarse popular de curta duração.Ainda mais um evento a contrariar os interesses da própria globo.  A TV Brasil ,pública, na transmissão do desfile das campeãs já tomou as devidas precauções censurando boa parte do desfile da Tuiuti. As retaliações que virão contra o povo que promoveu a audácia contra seus algozes o tornará mais prudente no próximo carnaval . Um indicador seguro de uma tomada de consciencia seria a retaliação de qualquer evento transmitido pela  globo. Enquanto a ¨revolução¨for pasteurizada e filtrada pela globo não vejo nada além de pequenos arroubos de indignação em ebulição. Afinal, toda panela de pressão precisa de uma valvula. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome