Vivenda dos micros e pequenos empresários, por Rui Daher

Nem mesmo, à CEO, uso o fato de a pandemia ter, em parte, prejudicado os resultados. Seria mentir, escusas para patrões do passado, para não ser demitido.

Vivenda dos micros e pequenos empresários, por Rui Daher

Passei o dia numa das empresas fabricantes de tecnologias naturais, orgânicas e de bioestimulantes, para quem presto assessoria. A proprietária da empresa, diretora, mal reage quando a menciono como CEO (Chief Executive Officer) da empresa.

Por que não? Os profissionais da administração evoluíram, para enganar os funcionários da hierarquia militar-empresarial, de chefes de seção, encarregados, supervisores, gerentes (níveis 1, 2, 3 … n), diretores adjuntos e sênior, vice-presidentes, seja lá do que for: compras, logística, técnica, novos mercados, finanças, distribuição, produção, marketing, vendas, não resisto ao termo genérico, o caralho a quatro.

Pois bem, enquanto entrava nos detalhes (sempre ascéticos quando vindos de contadores) do balanço que encerra o ano da empresa, para gáudio ou desgraça, ria muito para espanto da CEO.

Uno o equilíbrio do resultado contábil (bom) ao potencial futuro da empresa, pelos certeiros alvos de um planeta em reconsideração de passados equivocados.

Nem mesmo, à CEO, uso o fato de a pandemia ter, em parte, prejudicado os resultados. Seria mentir, escusas para patrões do passado, para não ser demitido.

Como por muitos considerado liquidado, fui safo. Devo isso à leitura marxista e à Ignorância de meus detratores.

Hoje, enquanto destrinchava os números do balanço, a CEO fazia o quê? Etiquetava milhares de sacos plásticos de terra vegetal e húmus de minhoca para serem entregues a uma das maiores cadeias nacionais, voltadas para o consumo pet e de jardinagem. Quando terminou o trabalho manual, o infeliz consultor anunciou: “Foram bons os números, diante de ano tão ameaçador”.

Sua resposta foi simples.

“Ótimo! Continuaremos lutando, sofrendo ou ganhando, a cada dia deste 2021”.

Respondi: “Sem dúvidas, querida. Enxergaremos juntos ao alvorecer de País tão rico, mas inferiormente complexado. Prometo-lhe lutar para deixar a melhor das esperanças”.

Mostre a seus pares, bolsominions ou alienados, as evidências hoje tão claras por descobertas e confissões, e mostradas aonde quiserem ir e verificar.

Não seu caso, a parecer, sempre distante e sem opinião política, focada apenas no trabalho.

Parabéns, guerrilheira empresarial! Este o Brasil de que precisamos.

Inté.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora