Chegamos ao futuro: nasceu Roy, o replicante de “Blade Runner”, por Wilson Ferreira

Por Wilson Ferreira

“É com muita satisfação que comunico que o replicante Roy Batty, modelo Nexus 6 – MAA10816, entrou em funcionamento nessa sexta-feira, 8 de janeiro de 2016. Parabéns ao envolvidos!”. Esse é o texto que acompanhou um meme que circulou nas redes sociais lembrando que mais uma vez chegamos ao futuro – em 21/10 do ano passado estivemos também no futuro com “De Volta Para O Futuro 2”. Roy, o icônico replicante do filme “Blade Runner  – O Caçador de Androides” (1982) de Ridley Scott, já nasceu e daqui a quatro anos terá uma violenta crise existencial ao descobrir que tem tão pouco tempo de vida. O que significa para nós essa estranha sensação de chegarmos ao futuro através de filmes como “2001”, “1984”, De Volta Para O Futuro” e “Blade Runner”? É o que o “Cinegnose” pretende descobrir.

Quando chegou o ano de 1984, foi irresistível não fazer comparações com o clássico livro de Orwell 1984:  o futuro mundo distópico projetado pelo escritor inglês em 1949 teria sido enfim realizado? O Estado Big Brother imaginado por Orwell aconteceu? Ele é comunista ou capitalista? A “novilíngua” já está presente nas mídias de massas?

Em 2001, o mesmo frisson comparativo com o clássico filme de Kubrick 2001: Uma Odisseia no Espaço – até hoje, vê-se no filme previsões como Skype, tablets, computadores falando diversas línguas e invadindo a privacidade de usuários.

No ano passado, uma nova febre varreu mídia e redes sociais em torno do 21 de outubro de 2015: há 26 anos os personagens Marty McFly e o Dr. Emmet Brown da saga De Volta Para o Futuro estacionaram o DeLorean em uma Hill Valley no futuro daquela época no século XXI. 

E nessa última sexta-feira a mesma sensação de que chegamos ao futuro. No filme Blade Runner, O Caçador de Androides (1982) de Ridley Scott vemos a ficha do replicante Roy (Hutger Hauer)  com a data de “nascimento”: Roy Batty, modelo Nexus 6 – Início: 08 de janeiro de 2016. 

Segundo o filme, daqui a quatro anos Roy entrará em um conflito existencial por não aceitar que o seu fabricante destinou-lhe apenas quatro anos de vida, fugirá de uma colônia espacial em direção da Terra à procura do criador e Rick Deckard (Harrison Ford) terá que caçá-lo.

Um futuro próximo

O primeiro aspecto que chama a atenção é a relativa proximidade dos eventos imaginados nos filmes: entre 26 e 35 anos no futuro. Certamente se basearam na crença de um crescimento linear em progressão aritmética da tecnologia e das instituições, seja nos aspectos positivos (utopias) ou negativos (distopias).

1984 imaginou a expansão totalitária e explícita do Estado e dos aparatos repressivo – polícia e vigilância.

Arthur Clarke (autor do livro) e Kubrick imaginaram 2001 a partir de uma expansão linear e sem interrupções do projeto espacial norte-americano ao ponto que a tecnologia nos levaria ao encontro dos nossos próprios criadores. Além de existirem computadores que alcançariam o nível da inteligência artificial como o HALL 9000.

Blade Runner em 1982 projetou para esse ano catástrofes ecológicas – uma chuva ácida constante cai sobre Los Angeles e só uma elite consegue abandonar o planeta em direção das colônias espaciais. Além de autômatos alcançarem a tal nível a inteligência artificial que seriam capazes de fazer reflexões metafísicas sobre vida e morte.

De Volta Para O Futuro 2 imaginou um 2015 com carros voando, a progressão linear das franquias no cinema (Tubarão 19 estrearia nos cinemas no ano passado), skates flutuando e tênis auto-ajustáveis.

Utopia, Distopia, Hipo-utopia

Então essas obras fracassaram nas suas previsões? Não totalmente. Esse é o segundo aspecto dessas chegada prematura ao futuro: 1984, 2001, Blade Runner e De Volta Para O Futuro realizaram sim suas projeções, mas de uma forma irônica. Nem pela utopia e nem pela distopia. Acertaram pela via da hipo-utopia.

Na hipo-utopia o futuro tal qual previsto nas utopias científicas e tecnológicas modernistas não se realizou nem nos aspectos utópicos ou distópicos. Paradoxalmente, são filmes de ficção científica sem futuro (“hipo” no sentido de “insuficiência” + “topia” do grego “topus”, “lugar”): refletem mais as mazelas do presente. Na verdade, o futuro não existe, é apenas uma extensão paródica ou metafórica do presente.

Em tempos de Edward Snowden e as denúncias de invasão de privacidade na Internet e dispositivos móveis, drones e a promessa da nanotecnologia também ser mais um instrumento de espionagem, ironicamente as profecias de 1984 se realizaram. Porém, de uma forma sutil, invisível e sem as tonalidades épicas e dramáticas tanto do livro quanto do filme.

De Volta Para O Futuro 2 não acertou quanto aos carros voadores e skates flutuantes, mas ironicamente viu em 2015 a realização plena das estratégias da indústria do entretenimento iniciadas nos anos 1980: franquias e blockbusters cinematográficos e a customização do consumo simbolizado pelos tênis auto-ajustáveis.

 

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

rdmaestri

- 2016-01-11 03:24:38

A conclusão é simples: quem nasceu para roteirista de filme de

Holiwood nunca chega a Júlio Verne.

O resto é achar nomes para as previsões futurísticas erradas, distrópicas, atrópicas, hipotrópicas.....

Zuraya

- 2016-01-10 21:25:20

Roy Batty, modelo Nexus 6
Rutger Hauer Ator Rutger Oelsen Hauer é um ator dos Países Baixos. Wikipédia Nascimento: 23 de janeiro de 1944 (71 anos), Breukelen, Países Baixos CônjugeIneke ten Kate (desde 1985) FilhaAyesha Hauer FiliaçãoTeunke HauerArend Hauer

 

altamiro souza

- 2016-01-10 16:34:50

orwel só não previu que a sua

orwel só não previu que a sua novela seria realidade...

mas no capitaslismo!!!!

ironicamente....

de resto é certo que há´um amesquinhamento do ser humano...

a tal da hipo-topia....

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador