Cinema: Memórias do Subdesenvolvimento

 

“Memórias do Subdesenvolvimento” chega em DVD no Brasil

Image Hosted by ImageShack.us

 

SYLVIA COLOMBO
da Folha de S.Paulo


Um homem de tez caribenha e ares europeus anda por entre as prateleiras de uma livraria de Havana. Na estante, uma biografia do cosmonauta russo Yuri Gagarin e romances de Nabokov. Observa uma moça com cara de ingênua.

Seria apenas uma tarde qualquer na capital cubana se o ano não fosse o de 1961 –dois após a Revolução Socialista– e se, por trás da câmera, não estivesse o diretor Tomaz Gutiérrez Alea (1928-1996), mais conhecido hoje pelo sucesso de “Morango e Chocolate” (1994).

“Memórias do Subdesenvolvimento” (1968), que sai agora em DVD no Brasil (Videofilmes, R$ 46), é um dos mais importantes documentários latino-americanos e um dos principais registros que o cinema cubano produziu sobre sua revolução socialista. “É muito mais interessante do que o “Encouraçado Potemkin” [1925], por exemplo”, diz o cineasta Eduardo Coutinho, comparando-o ao clássico de Sergei Eisenstein. “A União Soviética teve um cinema pós-revolucionário, mas era de pura exaltação ao novo regime. O cinema cubano do início dos anos 60 foi único ao olhar para o processo de implantação do socialismo de um modo muito crítico”, diz o diretor de “Edifício Master”.

“Memórias” conta a história de Sergio, um homem de 38 anos, de classe média alta, que vê sua mulher e seus amigos fugirem da ilha e do comunismo logo após a revolução. Ele não quer partir, não porque seja um revolucionário, mas porque quer saber o que vai acontecer. É um personagem que destoa do ambiente, e seu anacronismo é o modo pelo qual Alea critica os rumos que o regime tomava rumo ao autoritarismo.

“Ele reflete o que sentíamos todos nós daquela geração. Não queríamos abandonar nossas raízes porque isso seria desprezar a nossa lucidez. E víamos o que estava acontecendo como uma espécie de delírio coletivo”, conta à Folha o escritor cubano Pedro Juan Gutiérrez, autor de “Trilogia Suja de Havana” e que, assim como Alea, apesar de ser anticastrista, nunca deixou Cuba.

O filme mescla cenas documentais “de verdade”, tomadas à época da batalha de Playa Girón (1961) e da Crise dos Mísseis (1962), e cenas documentais “de mentira” –como o episódio armado que mostra um aeroporto repleto de cubanos ricos carimbando passaportes para deixar o país. Há ainda um romance ficcional e a interferência da realidade nessa ficção –como quando o protagonista vagueia no meio de uma festa real do 1º de Maio.

Para o cineasta Nelson Pereira dos Santos, a individualidade da obra está nessa combinação entre documentário e ficção, com toques de neo-realismo. “Alea tomou o neo-realismo e o levou mais adiante”, diz.

Após ser abandonado por seus circunstantes, Sergio fica sozinho em seu apartamento, que, apesar de amplo e com uma luxuosa vista para a orla, faz com que se sinta sufocado. “Nesse lugar Alea tem um momento Godard, pois segue o protagonista entrando e saindo dos quartos de sua própria casa como se estivesse em uma prisão, tudo com planos longos e artísticos”, diz Coutinho.

O filme é baseado no romance homônimo do escritor Edmundo Desnoes, hoje exilado nos EUA. “Ele e Alea realizaram “Memórias” no período de dez anos após a revolução, quando a vigilância e censura do Estado não eram tão intensas e ainda era possível produzir uma crítica tão intensa ao regime”, diz Gutiérrez.

O diretor de “Rio 40 Graus”, por sua vez, chama a atenção para o fato de o filme trabalhar com conceitos relacionados ao contexto dos anos 60/70, mas que não perderam a atualidade. “Desenvolvimento e subdesenvolvimento são palavras datadas, mas que mostram como a história, às vezes, parece curta e, na verdade, não é. “Memórias” nos indica que ainda não saímos daquele período.”

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u60700.shtml

1 comentário

  1. Só o fato de Gutiérrez Alea

    Só o fato de Gutiérrez Alea ter feito esse filme nesses anos desmonta a acusação de que Cuba era totalitária. Aliás que pais não teria tomado as cecisões que Cuba tomou na situação de guerra em que estava e está? Não houve campos de concentração para japoneses nos Estados Unidos? Churchill et caterva teriam tolerado británicos simpatizantes do nazismo enquanto eram bombardeados pela Luttwaffe?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome