Cristina Kirchner contra o veto a Vargas Llosa

Por MiriamL

Da Folha.com

Cristina Kirchner intervém contra veto a Vargas Llosa

LUCAS FERRAZ
DE BUENOS AIRES

Cristina Kirchner interveio contra o veto a Llosa na feira literária

A tentativa de vetar a participação do escritor Mario Vargas Llosa na abertura da Feira Internacional do Livro de Buenos Aires por divergências políticas e ideológicas abriu uma polêmica na Argentina só amenizada após intervenção da presidente Cristina Kirchner.

Um grupo de escritores e intelectuais simpáticos ao governo pediu formalmente que o Nobel de literatura fosse barrado da inauguração do evento, em abril, por “não ser adepto da corrente de ideias que abriga a sociedade argentina”.

Vargas Llosa é crítico do peronismo e, em entrevistas, fez duras declarações contra os Kirchner, afirmando que o governo de Cristina é “um desastre total”.

O presidente da Biblioteca Nacional argentina, Horacio González, escreveu à Fundação do Livro, organizadora da feira, pedindo veto ao escritor peruano.
González, na carta, diz que Vargas Llosa é um “autoritário messiânico”, cuja presença na abertura da feira era “inoportuna”.

O comunicado recebeu o apoio do Carta Aberta, um grupo de intelectuais argentinos que considera política a escolha do escritor –o país terá eleições em outubro.

Em entrevista ao diário espanhol “El País”, ontem, Mario Vargas Llosa considerou “lamentável” a polêmica e disse que estará na abertura do evento, no próximo mês.

“A única vez que me ocorreu isso foi durante a ditadura militar, quando um general proibiu meus livros”, disse o escritor sobre a censura sofrida na Argentina nos anos 1970. 

FREIO

Quem freou a polêmica foi a presidente Cristina Kirchner, que ligou para o presidente da Biblioteca Nacional, pedindo retratação.

Leia também:  Portugal torna obrigatório uso de máscara ao ar livre

Ele acatou. Escreveu nova carta dizendo-se favorável à “livre expressão das ideais políticas” e “comprometido com toda discussão que sirva para dar mais qualidade à vida democrática”.
Indagado se seu gesto não era autoritário, González negou e disse à Folha que a discussão é “ampla”.

“Trata-se de um debate político-cultural que estamos desenvolvendo na Argentina, principalmente sobre o papel do intelectual na sociedade contemporânea”, diz.

Apesar de ressaltar que aprecia a literatura de Llosa, o presidente da Biblioteca Nacional fez questão de reafirmar que a escolha de seu nome foi “meramente política”. “Preferíamos na abertura um escritor argentino”, concorda Alejandro Vaccaro, presidente da Sociedade Argentina de Escritores.

“Vargas Llosa é um político fracassado [ele concorreu à Presidência no Peru nos anos 1990] e tem ideais equivocados sobre a América Latina e a Argentina”.

Vários escritores condenaram a tentativa de vetar a presença do peruano no evento.

Gustavo Canevaro, presidente da Fundação do Livro e organizador da feira, afirmou àFolha que a presença de Llosa está mantida.

“Essas polêmicas são normais na Argentina”, disse.

“Claro que há sempre um componente político, mas não estamos interessados nisso. É mais rico o debate cultural e o prestígio de ter na abertura um prêmio Nobel”. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome