Fervor e tradição: as Festas do Rosário de Nossa Senhora da Penha, por Jorge Henriques Bastos

"Tudo acontece no largo diante da Igreja. Ao ser levantado o mastro de São Benedito, os festejos começam e se prolongam nas semanas seguintes"

Igreja de Nossa Senhora Rosário dos Homens Pretos. Foto: reprodução do Facebook

Por Jorge Henriques Bastos

A Penha é um dos bairros mais antigos de São Paulo. Tornou-se parte da Zona Leste após o crescimento da capital. Todos os anos, no mês de junho, a Igreja do Rosário dos Homens Pretos da Penha de França se engalana. É quando tradição e história se espalham pelas ruas: são as Festas do Rosário.

Tudo acontece no largo diante da Igreja. Ao ser levantado o mastro de São Benedito, os festejos começam e se prolongam nas semanas seguintes, dando continuidade a uma tradição secular.

Construída em 1802, a Igreja é um exemplo genuíno da traça arquitetônica colonial paulista, e está situada no local de origem. Foi erguida em taipa de pilão, apresenta uma nave, capela-mor, galeria lateral e sacristia. É simples, como os homens negros daquela época, que suaram e se cotizaram com o pouco que tinham para erguê-la.

Em contraponto aos parcos recursos que possuíam, a fé foi a riqueza que moveu os seus músculos para suplantar as dificuldades. Até hoje ela se manifesta nos festejos que animam a região.

A festa permaneceu interrompida durante décadas. Apenas em 2002, à beira da Igreja completar duzentos anos, foi criada a Comissão do Rosário dos Homens Pretos da Penha, responsável por capitanear a revivescência do evento. Retomar a tradição era, em simultâneo, celebrar a presença afro-brasileira, revelando a preponderância de um patrimônio que não é só material.

A festa em si abriga peculiaridades históricas que se perdem no tempo. O historiador e crítico musical, José Ramos Tinhorão, em várias das suas obras, já acentuara certos aspectos que compõem a Congada, que chega ao Brasil com os escravos vindos da África. Segundo Tinhorão, Portugal utilizou-se de um simulacro – a nobiliarquia dos Sobas como “reis” do Congo, algo alheio à sua cultura – a fim de estabelecer a Coroa na costa africana. Este artifício se transplantou para cá via imaginário dos escravos e, ao assistirmos tais festejos, vemos se reproduzir simbolicamente aquela estratégia colonial lusitana. Assim como testemunhamos a história transformada em folclore. Mas também é resistência e fervor.

A festa começa no primeiro domingo de junho, com o levantamento do mastro, culminando no dia 21, com a coroação dos “Reis da Festa”. Então entram em cena dezenas de agrupamentos populares, oriundos de São Paulo e Minas Gerais, por exemplo.

Leia também:  Lula diz querer "mesma disposição do papa Francisco para brigar por um mundo melhor”

As ruas em torno da pequena Igreja se enchem de ônibus que trazem os grupos. Um desfile de Congadas, Moçambiques, Maracatus e Folias acaba colorindo as calçadas logo pela manhã. Os estandartes e os corpos balançam sob os ritmos dos tambores, atabaques, caixas e timbas que ecoam pelas adjacências; roupas brilhantes estampam o asfalto. A mescla de sons aumenta e acompanha o barulho dos carros que passam.

O exemplo do sincretismo brasileiro se reproduz aqui. O altar católico deixa as dependências do edifício religioso e é colocado no meio da praça. Uma missa afro é rezada, seguida pela coroação do casal que encarnará os reis da festa.

Um rosário gigante pende sobre o frontão da Igreja. Eis um pormenor remoto, e mais uma vez nos socorremos do historiador. Segundo Tinhorão, uma hipótese para explicar a devoção dos negros por Nossa Senhora do Rosário, em Portugal, deve-se ao colar de contas que caracteriza a santa, remetendo aos búzios presentes em suas tradições. Ou seja, tornar-se devoto de Nossa Senhora do Rosário era o mesmo que honrar os seus deuses originais.

Quem já visitou Lisboa, talvez tenha tido a oportunidade de ver que, no Rossio, uma das praças principais da cidade, muitos africanos se reúnem no perímetro. Próximo daí, numa rua paralela à praça, existe a Igreja de São Domingos, onde há uma imagem de Nossa Senhora com um rosário, e que pode ter sido aquela que os primeiros escravos passaram a prestar devoção. Não podemos esquecer ainda que as Irmandades dos Homens Pretos surgiram inicialmente na capital portuguesa, só depois chegaram aqui.

Leia também:  "Estou feliz de poder te ver caminhando pelas ruas", diz Papa a Lula

Portanto, a partir da astúcia lusitana para estabelecer seu domínio no continente africano, ao ingressar no Brasil, através dos costumes do povo escravizado, a tradição se populariza e adota novas expressões, vivas até a atualidade, com múltiplas nuances e especificidades.

Ao longo dos dias, a festa recebe grupos, associações, coletivos artísticos e muita gente anônima, ávida por ver gêneros de folguedos que poucos conhecem. Dessa maneira, as tradições se revigoram, resistindo ao tempo e aos homens.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome