A máquina do mundo (pós Drummond), 3, por Romério Rômulo

(Sôfrego instante. Me mato em ti e morro, tanto e somente sem caber no dia.)

Marc Chagall

A máquina do mundo (pós Drummond), 3

por Romério Rômulo

E como eu fosse, à tua revelia
o próprio mundo que revela, triste
a dor de ser o bicho e a sua carne

E como eu não coubesse em tua mão
arrebentada por conter martelos
que sangram pelas portas do desejo

E eu fosse triste, eu te falava sempre
do duro do suor que me abate
no irrevelado destino que nos cabe.

(Sôfrego instante. Me mato em ti
e morro, tanto e somente sem caber
no dia.)

E como uma pedra me batesse
o rosto duro e fragoroso e lento
a minha pele te deixou no escuro.

Não fosse eu e o temido tempo
a nutrição do mundo não cabia
uma revelação que fosse a mesma.

A máquina é um instante da mão
e toda raiva é um ser ingrato.

Romério Rômulo

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador