Poema da mulher que volta sempre, por Romério Rômulo

E o amor benzido, e a estrada pura dariam nossas mãos a muitos deuses

Poema da mulher que volta sempre

por Romério Rômulo

Porque se tua mão chegasse agora
sobre a canção mais triste do meu corpo
tudo teria a terra como forra

E o amor benzido, e a estrada pura
dariam nossas mãos a muitos deuses
sem os pecados que nos fazem vis

E como os calos do corpo são petardos
que sempre mandam além das agonias
sobramos pelas noites do escuro

As pedras aplacadas de desejos
navios arrasados pelos cascos
de muitas lutas, paixões e desavisos

O meu tormento é raro, como fosse
o arcabouço de um mundo triste
onde as frações da vida já nem cabem

Porque se tua mão chegasse agora
sobre a canção mais triste do meu corpo
tudo teria a terra como forra.

Romério Rômulo

Leia também:

Te deixo o meu corpo permanente, por Romério Rômulo

O poema me diz que é infeliz, por Romério Rômulo

Se bem me lembro/Morrer é dezembro, por Romério Rômulo

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

ODONIR ARAUJO DE OLIVEIRA

- 2022-04-21 09:35:23

Belo poema, Romério. 21 de abril para todos nós.

JOSÉ CORTES ROLEMBERG FILHO

- 2022-04-21 09:23:20

Caro Romério : Descobri Vc. com enorme prazer ! O Corpo de toda Mulher batida e torturada/É uma Memória de Dor/Que não desaparece/Pois Ela nunca esquece/Carregando pela Vida uma Ferida de Desejos/ Será que Cicatriza ...??? ABS. Companheiro. José Cortes Rolemberg Filho

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador