Te deixo o meu corpo permanente, por Romério Rômulo

E se a vida me chegar um dia, te deixo tudo em vão, em pensamento

Klimt

Te deixo o meu corpo permanente

por Romério Rômulo

Te revelar a minha faca rubra
o meu tridente armado, o meu diabo solto
o meu estado de alma, a minha turba viva

E se a vida me chegar um dia
te deixo tudo em vão, em pensamento
e corro destro e sinistro no caminho

Faço correntes de tédio serem vivas
irei beber o que sobrar de ti
na tão alada treva que me cabe

No meu olhar mais vão e arrasado
vou te contar da minha luta armada
Eu me despeço, então. Mais do que sempre.

Romério Rômulo

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador