Sintomas, de Paulo Leminski

Por jns

O Mal de Paulo

Leminski, São Paulo, 1984 (Foto: Avani Stein/Folhapress)
 Avani Stein/Folhapress)

– Quando eu não aguento mais, eu faço um poema.

– O senhor é o caso mais grave de poesia que eu já vi até agora. Preciso consultar uns colegas.

– O que é que eu faço, doutor?

– Tome duas estrofes e me telefone amanhã cedo, sem falta.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Trago meu cavalo doido, por Romério Rômulo

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome