“Tron: O Legado”: Simbologias Alquímicas Esvaziadas pelos Estúdios Disney

“Tron: O Legado” (Tron: Legacy, 2010) é mais um exemplo do conservadorismo dos Estúdios Disney. Se em “Tron” de 1982, uma das primeiras representações cinematográficas do mundo digital, tinhamos uma abordagem heróica e contestadora de uma ciberutopia que enfrentava as grandes corporações computacionais, nessa continuação temos um refluxo desse ímpeto. Todos os elementos místicos e gnósticos esboçados há 28 anos, agora são até ressaltados e mais desenvolvidos. Porém, são esvaziados e submetidos à ideologia que o primeiro Tron tanto combatia.


Ao assistirmos a essa continuação do clássico filme de ficção científica “Tron: Uma Odisséia Eletrônica” (1982) temos a sensação de uma atmosfera de final de festa. Comparado com o primeiro Tron de 28 anos atrás (expressão de uma cibercultura emergente em tons épicos e heroicos), “Tron, O Legado” parece ser um réquiem para toda uma ciberutopia. Se na década de 80 o protagonista Flynn lutava pela liberdade do servidor da empresa ENCOM contra a tirania do PCM (Master Control Program – que expressava a luta pela liberdade dos primeiros PCs feitos em garagens contra os gigantescos main frames corporativos), aqui nessa continuação Flynn se confronta contra seu próprio avatar, numa jornada sem mais tons épicos, mas, agora, numa narrativa solipsista e introspectiva.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  “O menino do Bandolim”, um mergulho na vida de Ian Coury

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome