O duelo entre Žižek e Peterson, por Christian Ingo Lenz Dunker

Christian Dunker comenta o confronto intelectual mais esperado desde o embate entre gregos e alemães no "futebol dos filósofos" de Monthy Python

Imagem: Boitempo

do Blog da Boitempo

O duelo entre Žižek e Peterson

por Christian Ingo Lenz Dunker

No próximo dia 19 de abril, Jordan Peterson e Slavoj Žižek encontram-se no Sony Center, no Canadá, para um debate com cobertura digna de uma final de campeonato e os mais de 3000 ingressos esgotados. O confronto promete ajustar as contas entre a nova direita e esquerda esclarecida, depois de um longo período de escaramuças e provocações mútuas.

Jordan Peterson é um psicólogo clínico da Universidade de Toronto que combina a psicologia analítica de Jung com pesquisas psicobiológicas contemporâneas sobre o funcionamento da personalidade e a caracterização de gêneros. É conhecido como o “lobster man”, por sua frequente comparação entre humanos e lagostas, cujas semelhanças entre sistemas nervosos faz com que os crustáceos reajam a anti-depressivos, andem aos pares em casais, bem como desenvolvam sentido de hierarquia social.  A fórmula de Jordan tornou-se popular quando ele recusou-se a cumprir a diretiva canadense para tratar pessoas transgêneros em acordo com pronomes indeterminados:

“Nunca vou usar palavras que odeio, como ‘el@’ ou ‘elx’, que são artificialmente construídas e estão na moda. Essas palavras são a vanguarda de uma ideologia radical esquerdista pós-moderna que eu detesto e que são, na minha opinião de profissional, surpreendentemente similares às doutrinas marxistas que mataram pelo menos 100 milhões de pessoas no século XX.”

Slavoj Žižek é um filósofo da Universidade de Liubliana (Eslovênia) e Birkbeck (Inglaterra) que trabalha com a psicanálise de Jacques Lacan combinada com a renovação do pensamento dialético à luz da teoria de Marx. Ele tornou-se mundialmente conhecido por suas intervenções em questões políticas candentes como a invasão do Iraque, movimentos de Ocupação e a primavera Árabe. Ele mistura de forma peculiar  pensamentos complexos e eruditos como os de Lacan e  Hegel, tornando-os acessíveis para o público não especializado. Empregando cinema, cultura pop e piadas locais, Žižek dá continuidade à tradição de crítica como retorno aos problemas ontológicos e ao materialismo, levando em conta a contradição social e seu ocultamento pelas fantasias ideológicas.

“Nem no campo da política devemos aspirar a sistemas que explicam tudo e projetos de emancipação global; a imposição violenta de grandes soluções deve dar lugar a formas específicas de intervenção e resistência. […] Não precisamos de profetas mas de líderes que nos incentivem a usar a liberdade. […] Como se em todos os níveis vivêssemos, cada vez mais, uma vida desprovida de substância. Se consome cerveja sem álcool, carne sem gordura, café sem cafeína, eventualmente sexo virtual, sem sexo.”

Se Peterson nos ensina como recuperar o sentido da vida, Žižek defende que uma vida boa é aquela que acontece no paradoxo da falta de sentido. Mapas do Significado, de Peterson, um extenso compêndio de mitologias para uso cotidiano, saiu no Brasil pela É Realizações. Menos que nada, uma síntese contemporânea do pensamento dialético, de Žižek, foi editada pela Boitempo. Se Peterson tem dois ou três livros traduzidos no contexto da nova direita, Žižek é um clássico da esquerda, com dezenas de livros estudados há pelo menos trinta anos no Brasil.

É o confronto intelectual mais esperado desde o embate entre Gregos e Alemães no futebol dos filósofos do Circo Voador de Monthy Python.

Leia também:  Direitos Já!: uma oportunidade para a democracia, por Ricardo Cappelli

Žižek joga no campo do adversário, tanto porque a partida se desenrolará no território de Peterson, em Toronto, quanto pelo fato de que o debate foi estipulado como um antagonismo entre capitalismo e marxismo sobre um tema suspeito: a “felicidade”. Muitos já argumentaram que os termos da contenda são mal formulados: o capitalismo é um sistema econômico o marxismo é uma teoria social. A comparação justa seria entre socialismo (ou marxismo) e liberalismo (ou neoliberalismo). Acredita-se que Žižek, que foi candidato a presidência lutando contra o comunismo de Estado na ex-Iugoslávia, terá dificuldade em explicar que o que se passou na União Soviética, em Cuba ou na atual Coréia do Norte ou Venezuela, está longe de ser uma realização das ideias de Marx. Mas a dificuldade não será menor para Peterson, que terá que explicar por que afinal somos felizes sob o capitalismo, ainda que não saibamos disso.

Peterson tem um estilo ferino. Com paletó e colete, ainda que fora de moda, desanca entrevistadoras em público e é especialista em ensinar os outros como vencer debates. Ele dá conselhos para sanear a vida das pessoas: mantenha as costas eretas, cuide de si mesmo, torne-se amigo de quem te quer bem, compare-se consigo mesmo e não com os outros, não deixe seus filhos fazerem coisas que fazem com que você deixe de gostar deles, limpe sua casa e arrume seu quarto, busque aquilo que é significativo e não aquilo que é conveniente, respeite que o outro pode saber algo que você desconhece, procure dizer a verdade com precisão, não se intrometa demais na vida de seus filhos e… acaricie gatos na rua.

Žižek apresenta-se de modo irresistivelmente sincero, com suas camisetas largas, com seus tiques, seu sotaque eslavo e suas piadas infames. Ao seu modo ele também é um tipo de moralista, ao dizer coisas como: nos sentimos livres porque há uma limitação da linguagem para exprimir nossa servidão, seja sincero e exponha seu dogmatismo à crítica pública, “vejo você no céu ou no comunismo”, o amor é o que faz do sexo algo mais do que a masturbação, sou um marxista que não vê a revolução na esquina, o modo de perceber o problema é parte do problema, Gandhi foi mais violento que Hitler.

Há, no entanto, vários pontos de aproximação entre Žižek e Peterson. Ambos são pensadores trágicos – o primeiro mais cômico, o segundo mais religioso. Peterson é adorado pelos homens desamparados e infantilizados diante do novo feminismo. Žižek já foi acusado de ser um “esquerdo-macho”, que defende a luta de classes como ponto de convergência das lutas identitárias. Os dois acreditam no que dizem, e levam a sério a prática do debate como confronto de ideias. Ambos acham que a ideologia impede que nossas atitudes políticas revertam o cenário de colapso ambiental, social e econômico, ainda que o entendimento de ideologia seja diferente em cada caso. Ambos detestam o “politicamente correto” seja lá o que isso represente.

Leia também:  Future-se é o programa de desmonte da universidade, por Gilberto Maringoni

Contudo, o mais interessante para o momento regressivo da civilização brasileira não é o que Slavoj e Jordan tenham diferenças e semelhanças, enquanto legítimos representantes da esquerda e da direita contemporânea, mas como o debate entre eles acontece em um plano completamente diferente da conversa brasileira. Por aqui, há pouco tempo acreditava-se que esquerda e direita eram rótulos inúteis, desde que o muro de Berlin havia caído. Por aqui, a tensão entre conservadores e progressista reduziu-se a um problema moral. Contra nossos obscurantistas que acreditam que intelectuais e professores são manipuladores de almas infantis, ou funcionários parasitas de universidades, tomadas pelo “marxismo cultural”, ambos representam fenômenos mundiais de vendas, de influência, de debates em redes socias, de relevância em movimentos sociais e fóruns de discussão. Peterson contra Žižek mostra que a polarização não é um mal em si mesmo, mas que o que temos por aqui é uma falsa polarização, com os representantes governistas da direita recusando-se aos debates de verdade e apresentando ideias e argumentos abaixo do nível da várzea.

Žižek aceitou o desafio de Jordan. Será um duelo intelectual, e não um faroeste caboclo com gente atirando pelas costas.

Zizek não ficou “atrás da mesa com o cu na mão”, como Olavo de Carvalho, quando foi desafiado para um debate pela antropóloga Débora Diniz (ou por mim mesmo, ao vivo, na Rádio CBN). Žižek e Peterson respeitam o cristianismo e disputam o seu legado cultural. Eles não se referem à “igreja só pra roubar o dinheiro que as velhinhas colocavam na caixinha do altar”. O debate entre eles é um modo de reconhecer que a palavra é o meio de tratamento dos conflitos, sem “discriminação por causa da sua classe e sua cor”. Nenhum deles “aumentou seu ódio diante de tanto terror”.

Existe um pensamento de direita conservador, que usa a ciência de forma controversa para se justificar, mas ele não insinua “violência e estupro do seu corpo”. Existe um desejo de ordem e de autoridade, mas nem Žižek nem Jordan defendem “medo de polícia, capitão ou traficante, playboy ou general”.

Ninguém nesse debate está dizendo que a esquerda é composta por um bando de assassinos, crápulas que deveriam ser eliminados ou presos. Ninguém defende presidente que “organizou a Rockhonha” jurídica depois “indo pra Brasília”, pois “neste país lugar melhor não há”.  A conversa promete ser dura, mas duvido que alguém invoque coisas como terra plana, Jesus na goiabeira ou nazismo de esquerda. Nenhum deles rebaixa a escola ou o “professor que com ele aprendeu”. Porque se o fizer, perdeu na hora. A crítica e o diálogo, que se consagram na própria ideia de debate, não são valores que habitam nosso Ministério das Relações Exteriores, que quer reescrever a história com “o ódio que Jesus lhe deu”. Nem o Guedes-Tchutchuca que “sempre dizia que o seu ministro ia ajudar” escapou do golden shower de incultura que assola o país.

Leia também:  3º Aniversário da Tentativa de Golpe na Turquia, por Serkan Gedik

Por isso, recomendo que todos os interessados no Brasil assistam ao debate entre Žižek e Peterson. É para desistir desta ideia de que ser de direita é sinônimo de ser grosseiro, estúpido ou de agir como aquela moça dos direitos humanos que “dizia que era crente mas não sabia rezar”, ou como aquele ignorante do Ministério da Educação que quando acordou “descobriu que tinha outro trabalhando em seu lugar”. Assistir ao debate ajuda a desistir dessa ideia de que ser de esquerda é ser sujo, mal-intencionado ou ladrão, como aquele que “atira pelas costas”. Direita e esquerda é outra coisa … pode olhar lá no Canadá. Senão você vai continuar perdido no Faroeste Caboclo.

***

Christian Ingo Lenz Dunker é psicanalista, professor Livre-Docente do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), Analista Membro de Escola (A.M.E.) do Fórum do Campo Lacaniano e fundador do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da USP. Autor de Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica (AnnaBlume, 2011) vencedor do prêmio Jabuti de melhor livro em Psicologia e Psicanálise em 2012 e um dos autores da coletânea Bala Perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação (Boitempo, 2015). Seu livro mais recente é Mal-estar, sofrimento e sintoma: a psicopatologia do Brasil entre muros (Boitempo, 2015), também vencedor do prêmio Jabuti na categoria de Psicologia e Psicanálise. Desde 2008 coordena, junto com Vladimir Safatle e Nelson da Silva Junior, o projeto de pesquisa Patologias do Social: crítica da razão diagnóstica em psicanálise. Colabora com o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Bem, faltou dizer que Peterson alimenta a direita conservadora metida a moderada mas, na verdade, odienta e misógina.
    Não é um embate de pensadores igualmente respeitáveis, como foi o William Buckley Jr e Gore Vidal no passado.
    Peterson vende, se vende, e organiza a direita golpista no mundo inteiro… foi ele que praticamente espalhou a tolice de “marxismo cultural”.
    Então, é um debate a se ver, mas se ver com muitos pés atrás… até pq, Peterson é tão covarde e MENTIROSO, que já afirmou várias vezes que esquerdistas não topam debater com ele, o que é completamente mentira… já foram feitos N convites, mas ele sempre os recusa… e mente dizendo que não o convidam…
    É o primeiro que ele aceita, não se sabe os motivos.

  2. Artigo muito bom. Não vou perder este debate, precisamos de mais idéias e teorias para entender um pouco mais a miséria do existente. Um pouco mais, pois mundo é por demais complexo e o que nos resta é tatear sem jamais entender o real. Mas não desistimos nunca, talvez o sentido da vida seja este: procurar sabendo que morreremos perdidos.

  3. Olhe, Dunker, admiro seu canal (sou seu seguidor no Youtchube), mas a análise é meio fora do chão.
    Primeiro, porque, como já disseram, está longe de pensadores igualmente respeitáveis.
    Segundo, que você mesmo disse, os limites dados ao debate são ridículos.
    Terceiro, porque debates, ainda mais entre pensadores midiáticos (com licença do termo), acabam por ser bem menos elucidativos do que livros, porque estes são mais detalhados e porque fazem parte de uma comunidade muito mais ampla de filósofos, alguns, com todo respeito, são bem mais significativos que os debatedores.
    Por fim, esperar consenso é demais. Não vamos ter o Olavo debatendo (imagina o show de horrores), mas vamos ter um debate que a esquerda vai pensar algo, a direita outra coisa, e da confusão final saem todos sem resposta, alguns com a boca babando, outros confusos e outros tocando a fábrica de memes.

  4. Você? Debater com o Olavo? Por favor, né? Fique com seus pobres argumentos de terra plana. Em breve os recursos terminarão.

  5. Peterson não fala que nazismo é de esquerda mas insinua, e se referia intencionalmente ao nazismo como “nacional socialismo” no seu livro. Aquela tecnicalidade básica que todos sabemos o por quê.

  6. Você desafiando o Professor Olavo para um debate?!! Não acha que é muita pretensão da sua parte?!! Procure alguém do seu tamanho.

  7. Que eu saiba, Peterson não se autoidentifica como “direita” (seja lá o que “direita” signifique). Posso estar desatualizado quanto a isso.

    Whatever, “por aqui há pouco tempo acreditava-se que esquerda e direita eram rótulos inúteis”. Você erra ao escrever o verbo “acreditar” no pretérito, pois felizmente alguns poucos de nós ainda acreditamos. O comentário do Lewandowski é certeiro, no Brasil esse debate não servirá pra nada além de fabricar memes e fazer com que tribos políticas tirem, cada uma, suas conclusões ancoradas em pirraça semântica e perpetuem suas picuinhas mútuas.

    “Esquerda” e “direita” são etiquetas que só fazem sentido na Revolução Francesa. Fora dali, são travas semânticas esvaziadas de sentido que em vez de ajudar o debate, atrapalham.

  8. Os comentários no geral me entristecem. Apesar de não ver como super bem escrito ou posicionado eu gostei muito do artigo. Pelo menos tem alguém prestando atenção em gente que está buscando desenvolvimento mental e evolução. Dois papos rasos deveriam sumir de uma vez por todas – 1) Duelo. Não é duelo. Jordan Peterson conversou por duas noites seguidas com Sam Harris e afirmou que embora o público e a mídia tenham chamado não oficialmente de duelo, não é o que aconteceu. Sam Harris confirmou.
    2) Jordan Peterson não promove ódio ou misoginia. Essa é uma visão de quem tem medo e preguiça de um discurso mais profundo e bastante desconfortável sobre a realidade.
    Dito isto, o nível em que estas pessoas discutem os problemas é imprescindível para nossa evolução e atualmente a maioria das pessoas está bem longe disso. Uma das primeiras coisas que se nota ao conhecer a obra / entrevistas de Peterson por exemplo é o respeito que ele tem com o jogo de polarização esquerda / direita, como ele afirma a necessidade que uma tem da outra existir para que haja equilíbrio nas estruturas sociais, explicando de um ponto de vista da psicologia e biologia humana.
    Estou a ir atrás mais do Zizek para poder comentar melhor e ansioso para ver o debate assim que for disponibilizado.
    Obrigado Dunker!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome