A importância do Gripen para o desenvolvimento tecnológico

Jornal GGN – As negociações do Brasil com a Suécia estão avançando e a expectativa das autoridades dos dois países é que até o início de dezembro seja assinado o contrato de desenvolvimento conjunto do jato Gripen New Generation. O projeto marca uma nova fase para a indústria nacional de defesa, que busca absorver a tecnologia estrangeira e conquistar mais autonomia.

Três modelos de avião participaram da concorrência do projeto FX-2, que busca modernizar a frota de aeronaves militares supersônicas da Força Aérea Brasileira (FAB): o americano Boeing Super Hornet, o francês Dassault Rafale e o sueco SAAB Gripen NG. Os três foram aprovados nos testes realizados pelos pilotos brasileiros, que simularam as necessidades operacionais da FAB. O Gripen foi escolhido, entre outros motivos, pela possibilidade de desenvolvimento conjunto.

O assunto foi tema no 50º Fórum de Debates Brasilianas.org, que reuniu especialistas para discutir a decisão. Na opinião de Sami Youssef Hassuani, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde), o projeto é extraordinário e representa um bom negócio para o Brasil, mas não garante que o País terá independência tecnológica. “O motor não vai ser feito aqui, a bomba de combustível não vai ser feita aqui. É um bom negócio? É. Mas não nos dá independência tecnológica”, disse.

O executivo tem um olhar crítico para o conceito de transferência de tecnologia. “Transferência de tecnologia não existe. Nenhum país transfere tecnologia. O know how é apenas uma transferência técnica. É reproduzir processos e produtos já definidos, sem a capacidade de inovar”, afirmou.

Leia também:  Advogados de Lula pedem urgência a juiz que tomará decisão sobre liberdade

No entanto, ele defende que é possível absorver tecnologia e, nesse ponto, entende que o Gripen está na direção certa. “Tecnologia pode ser absorvida por meio da realização conjunta de programas, do desenvolvimento conjunto. Isso sim vai trazer capacidade para gerar novos processos e desenvolver novos produtos”.

Vianney Junior, editor chefe de avaliações da Defesanet, teve a oportunidade de testar os três caças que participaram da concorrência. Experiente, com mais de 12 mil horas de vôo em 80 tipos de aeronaves, ele garante que os três modelos atendem aos requisitos da Força Aérea Brasileira. “A avaliação foi feita independentemente e os testes simulavam missões que as aeronaves teriam que cumprir. Não existe uma aeronave melhor, a pergunta não é essa. Existe a aeronave que se adequa aos meus parâmetros. Quanto à questão do cumprimento da missão operacional, todas cumpriram dentro do esperado”, garantiu.

Ele entende que os benefícios do Gripen para o Brasil vão além da aviação militar e no médio prazo atingem toda a indústria. “A indústria de defesa é um lead de tecnologia para toda a sociedade. Ela trabalha na ponta da lança. Às vezes a gente pensa que isso se resume àquela empresa que vai produzir um componente, que vai se especializar em como lidar com um determinado metal, um determinado compósito, que vai ser a produtora da pecinha da ponta da asa. Não. Aquela tecnologia que ela vai incorporar pode ser aplicada em vários outros empregos civis. E o que vai ficar é o conhecimento, o que vai ficar é o domínio desses materiais, o domínio dos processos de transformação e a instrumentação. Isso é importantíssimo”, defendeu.

Leia também:  Advogados de Lula pedem urgência a juiz que tomará decisão sobre liberdade

Fundador da Defesanet, Nelson Francisco Düring concordou com o piloto, e citou uma série de exemplos nos quais aviões militares trouxeram conhecimento para a aviação civil. “Na década de 50, o jato Gloster Meteor nos ensinou a operar com querosene de aviação; na década de 70, o Aermacchi nos ensinou a operar linha de montagem e o Northrop F-5 nos obrigou a aprender a colar metais e desenvolver estruturas mais leves; nos anos 80, o AMX nos ensinou a projetar sistemas de controle de vôo; e nos anos 90, com o projeto Sivam, aprendemos a fazer integração de sistemas eletrônicos e compatibilidade eletromagnética”, listou. “Hoje, não podemos dizer com certeza qual será o real ganho do Gripen. Mas todos esses eram projetos essencialmente militares que deram retorno de 10 a 15 anos depois”.

O assessor de defesa da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Samuel César da Cruz Junior, lembra que a base industrial de defesa não envolve apenas o produto. “Tem empresas de serviços, indústria, engenharia, centros de pesquisa e desenvolvimento e universidades”.

Os especialistas concordam que o projeto deve trazer ganhos tecnológicos para o Brasil. A questão é se, por si só, essa tecnologia ainda será relevante quando estiver finalmente disponível.

Contando as duas etapas, FX e FX-2, o processo de modernização da frota nacional já dura quase 15 anos. A princípio, o Brasil vai produzir com a Suécia 36 caças Gripen NG. Mas a necessidade do país até 2023 será de 120 aeronaves. Estamos falando de caças que, hoje em dia, são atuais. Mas até lá eles já estarão competindo com modelos novos, de quinta geração, como os F-35 norte-americanos.

Leia também:  Advogados de Lula pedem urgência a juiz que tomará decisão sobre liberdade

O que preocupa, portanto, é se o Brasil não estará se comprometendo, pelos próximos 40 anos, com um projeto que estará defasado nos próximos quatro a dez anos.

Sami Youssef Hassuani, da Abimde, lembra que o País gasta menos do que a média mundial com defesa. Os gastos militares nacionais são de US$ 31,4 bilhões. Em termos absolutos, é mais do que qualquer outro país da América Latina, mas se levarmos em conta o percentual em relação ao PIB, só estamos à frente da Argentina. Na comparação com os BRICS, o Brasil só investe mais do que a África do Sul.

Atualmente, no Brasil, a única indústria de alta tecnologia com (modesto) saldo positivo na balança comercial é a aeronáutica e aeroespacial. Sami entende que é essencial aumentar os investimentos nessa área, pois “Estatisticamente, para cada dólar investido no setor de defesa, exporta-se 10”.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. defesa e os militares.
    Me recordo de alguns militares das tres forcas armadas que fizeram classe com nos outros em mestrado.
    Me recordo de um grande professor matematica que so na ditadura 64 nos descobrimos, por necessidade, seria uns dos bambam da cadeira no IME.
    Me confundi como esta turma hoje nao conhece a historia dos militares e a defesa. E puxam as sardinhas para sua brasa quando necessita da historia.
    A historia da defesa militar do Brasil e os militares, quem eh quem, poderia ser curiculo basico, para degraus de defesa e ataque dos projetos de hoje e do futuro. Mais nao eh.
    A base tecnica e historica cientificamente e dos confrontos militares quase todos sabem muito e sao muito bons, mais politicamente sao socialmente sao fracos. Ha dentre eles destaques eh claro. Mais o que se segue na rede e nos informativos sao radicais e defensores de posicao e nao do Brasil. A farsa.
    Se na area dos medicamentos, ninguem passa informacao, que pode salvar vidas e como querem que seja feita a transferencia de uma tecnologia militar?
    Vc estuda somente para aprender ou so para ganhar dinheiro?
    Uma necessidade foi a escolha feita.
    O Brasil teve muita dificuldade com os Franceses e vai ter no futuro com o escolhido.
    O aviao eh uma colca de retalho e ainda pode por mais retalhos no futuro.
    E o melhor? Nao existe hoje um que seja no geral e de todos do americano ao russo existe caso a caso para cada um.
    Nunca houve transferencia para China, india e outros eles quebram pedras com aos maos, seja na naval/foguetes e na nuclerar/submarinos. Pq vamos ser diferentes.
    Ha sempre teve e tem espionagem, informacao, contra informacao, roubos, fortes nesta area e israel, china, india, paquistao, russos e americanos buscam neste mercado cada segundo alem da seguranca, ameacas, dinheiro e protecao.
    O AMX foi um fiasco somente comparando investimento, retorno e uso#aplicacao militar.
    O que nao podemos eh confundir e se deixar atrapalhado com os vira latas.
    Independentes dos donos do projeto, dos seus fornecedores e do Gripen a FAA do Brasil e os brasileiros da area envolvidos tem que fazer o melhor e pensar no pais e no futuro.

  2. E nosso sub nuclear?

    Interessante a discussão. Digo isto tendo em vista o número de anos de pesquisa e desenvolvimento promovido pela Marinha do projeto do reator para um submarino. Alguém sabe de algum resultado? Como leigo acredito que pelo tempo e grana já gastos, os resultados já deveriam estar claros.

  3. O desenvolvimento tecnológico

    O desenvolvimento tecnológico militar na área militar é importante, mas costuma ser superestimado. Quem invadir o Brasil terá que enfrentar o candiru na região Amazônica, combater nazistas no Rio Grande do Sul, derrotar o Cruzeiro em Minas Gerais e as piranhas nos rios e alagados do Mato Grosso, suar para deter o avanço da helicoverpa armígera em Goiás e certamente encontrará uma morte dolorosa por dengue, BOPE e funk dos manos nos morros cariocas. Se conseguir sobrepujar todos estes inimigos, o invasor morrerá de sede em São Paulo e ainda terá que tentar combater brasileiros porretas na caatinga nordestina. Na Bahia haverá paz e descanso, axé, sombra, água-de-coco e Dorival Dorival Caymmi para invadidos e invasores. Ha, ha, ha… 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome