Prisão de Almirante Othon estaria relacionada com segredos militares

Do Conexão Jornalismo

Segredos militares estariam por trás da prisão de Othon Pinheiro da Silva

O Wikileaks havia cantado a pedra em 2011. Na ocasião, a preocupação latente do governo americano com o trabalho desenvolvido por cientistas brasileiros no campo da energia nuclear, que culminaria com a entrada em operação, em 2025, de um submarino de propulsão nuclear, produzido em conjunto com a França, já havia sido tornada pública. Desta forma há de se questionar: qual o papel que a Polícia Federal, sob o mando (e desmando) do ministro Sérgio Moro assume agora? Por que ela invade a área da Segurança Nacional e decide investigar o nosso principal representante no campo estratégico da segurança de estado e da energia? Veja a reportagem publicada pelo O Globo em 2011.

WikiLeaks revela disputa entre Defesa e Itamaraty nos bastidores da corrida nuclear

O Globo, 04/11/2011

Nas correspondências, a diplomacia americana constata que há um único “quase-consenso” em Brasília, que é a resistência em aderir ao Protocolo Adicional do Tratado de Não Proliferação (TNP).

Os bastidores da política nuclear do Brasil ocuparam os Estados Unidos tanto quanto o monitoramento de possíveis acordos de cooperação com potências nucleares como a Índia, ou a aproximação com o Irã. A disputa de poder e influência entre o Ministério da Defesa e o Itamaraty sobre a política nuclear vem à tona em telegramas diplomáticos americanos sobre não proliferação, revelados ao O Globo pelo WikiLeaks. Nas correspondências, a diplomacia americana constata que há um único “quase-consenso” em Brasília – a resistência em aderir ao Protocolo Adicional do Tratado de Não Proliferação (TNP).

As fissuras dentro do governo brasileiro aparecem na descrição de um encontro do então embaixador Clifford M. Sobel com o presidente da Eletrobras, Othon Pinheiro, apontado pelos americanos como “o czar da energia nuclear do Brasil”. Diante da constante pressão dos EUA pela adesão brasileira ao Protocolo Adicional do TNP – que autoriza a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a inspecionar instalações nucleares com um curtíssimo aviso prévio – Pinheiro sugere uma medida menos intrusiva: a instalação de sensores capazes de identificar material nuclear, uma vez que elementos físseis são facilmente detectados. O projeto fora apresentado ao Itamaraty e recebido sem grande entusiasmo. Sobel, então, levou a ideia ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, e questionou quem mais poderia participar do debate.

Veja também
Por que o ministro Sérgio Moro mandou prender Othon Pinheiro?

“Jobim respondeu que qualquer discussão sobre esses tópicos deve passar por ele, exclusivamente, e não pelo Ministério das Relações Exteriores”, relatou um trecho do telegrama enviado a Washington em 17 de fevereiro de 2009.

Outro episódio que expôs irritação do ministro da Defesa foi o pedido da AIEA para entrevistar um cientista brasileiro após a publicação de uma tese sobre como produzir a bomba atômica. Jobim disse ter “ficado perturbado” ao descobrir que o Ministério das Relações Exteriores estava cooperando com a AIEA.

“Ele declarou estar engajado em pôr um fim a qualquer permissão para que a AIEA interrogue o cientista”, descreve a embaixada, na mesma mensagem.

O ministro se referia à controvérsia acerca do físico Dalton Barroso, um doutorando do Instituto Militar de Engenharia (IME) que, baseado em sua tese, publicou em livro a fórmula para se chegar à W-87, uma das mais poderosas ogivas americanas – o que explica o alarmismo dos EUA diante da informação.

Três meses depois, a vice-chefe da missão americana em Brasília, Lisa Kubiske, reuniu-se com funcionários do governo brasileiro e observou que Nelson Jobim estava ciente de que sua recusa em cooperar com a AIEA causou desconforto. Segundo o informe da embaixada, “ele está agora buscando uma maneira de cooperar sem minar o que vê como responsabilidade dele em temas nucleares”. Na mesma série de reuniões, diante da recusa definitiva do Brasil em aderir ao Protocolo Adicional do TNP na Conferência de Revisão de 2010, os americanos advertiram que o governo do presidente Lula “sempre apoiou com relutância medidas de não proliferação e permanece desconfiado de propostas novas, uma situação que provavelmente só será alterada com a entrada de um novo governo em 2011”.

“Embora o Ministério das Relações Exteriores insista que conduz a questão do Protocolo Adicional, na nossa visão, depois do presidente Lula, é o ministro Jobim que tem mais influência em temas nucleares”, avaliou o telegrama de 11 de maio de 2009.

O Protocolo Adicional, aliás, era apontado como o único consenso em Brasília. Ou quase, devido à posição do diretor da Divisão de Desarmamento e Tecnologias Sensíveis do Itamaraty, Santiago Mourão, único funcionário brasileiro favorável à adesão. Os americanos também observaram divergências de abordagem entre civis e militares brasileiros quanto aos temas nucleares.

Na correspondência de 26 de janeiro de 2009, pouco depois de uma visita da representante oficial da Presidência dos EUA para Não Proliferação, embaixadora Susan Burk, é relatado um encontro dela com o diretor do Departamento Internacional do Ministério da Defesa, general Marcelo Mario de Holanda Coutinho. E numa indicação de que havia percepções distintas entre o ministro e funcionários do ministério, dele, a americana ouviu que “apesar de o Ministério da Defesa ser parte do grupo que cuida de questões nucleares, é o Ministério das Relações Exteriores quem comanda e fala em nome do Brasil”.

O general aproveitou, ainda, para minimizar uma declaração recente do então vice-presidente, José Alencar, segundo a qual “o Brasil estaria melhor se tivesse armas nucleares”.

“Ele enfatizou que as declarações devem ser ignoradas e certamente contrariam a política do governo brasileiro. Ele deu de ombros à declaração, como coisa de políticos, que às vezes dizem o que vem à cabeça”, informou o texto.

19 comentários

  1. Com um ministro da justiça

    Com um ministro da justiça omisso desses e um governo atarantado não pode se esperar menos.

  2. pelo andar da carruagem….

    O angú pode ser nosso, mas o caroço…… sei não . Só queria estar viva para um dia talvez ver que o caroço não tem cor verde-amarela. A pressa do Aecim deve tb estar ligada a isso.

  3. Imprescindível, que os Orgãos
    Imprescindível, que os Orgãos de Segurança do País, mantenham um esquema de proteção ao Almirante Othon, 24 horas por dia, esteja ele preso ou não.

  4. VITÓRIA DE PIRRO

    Só não consiguo entender como um homem com a inteligência e a formação do almirte OTHON, coloca em risco toda a sia BIOGRAFIA  ao ser VERGONHOSAMENTE desMOROlizado.

    Como???

    Se ganharia muito mais DINHEIRO, PRESTÍGIO, FAMA,e RECONHECIMETO para o seu feito, se o fizesse em conlúio com os EUA ou se trabalhasse diretamente com eles ou para eles.

    Caso esse seja um engano da LAVA JATO entre tantos menos cotados como foi o da irmã que não era a irmã, ou os dos quadros que eram cópias etc…etc…

    De que forma a “JUSTIÇA” iria reparar esse HISTORICO, PROPOSITAL e DESCABIDO ERRO???

    A meu ver nem colocando MORO na CADEIA.

    Caso seja VERDADE, a VITÓRIA de MORO será tão AMARGA quanto a VITÓRIA DE PIRRO, que quando em conluio com a MÍDIA GOLPISTA, atirou a PRIMEIRA PEDRA no  SONHO de LIBERTAÇÃO do POVO pela EDUCAÇÃO e a do PAÍS pela INDEPENDÊNCIA.

    • Trabalhar com eles? Já

      Trabalhar com eles? Já combinou com eles?

      Neste ramo, Se vc se destacar no ramo no SEU país, os EUA te recrutam para ACABAR com o que vc faz no SEU país e passar a fazer SÓ no deles.

      MAs antes vc precisa fazer algo…

      Eles não tem interesse porque tem gente mais qualificada. Othon não era do ramo. Se tornou porque recebeu ordens para se-lo. Era tu ou tu mesmo!

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome