Sobre o sistema de defesa aérea brasileiro

Por Cesar A

Comentário ao post “Brasil estuda aquisição de sistema de defesa aérea da Rússia

O Brasil segue o modelo ocidental de defesa aérea baseada em caças, para isso os aviões devem ter duas características fundamentais alta velocidade e aceleração, com a desativação dos Mirage 2000 no inicio do ano que vem ficaremos com a defesa aérea baseada fundamentalmente nos F-5EM, são aviões táticos razoáveis e estão com a eletrônica atualizada, até mais do que os Mirage 2000… mas não sao adequados para missões de interceptação que envolvam reações rápidas, não tem alta velocidade nem aceleração, o tempo de reação será mais alto do que atualmente.

A grande deficiencia passa a ser a iinterceptação de alvos a média/longa distancia, para a curta distancia nos anos 70 o Brasil tinha o sistema Roland que foi sucateado por falta de manutenção e nos anos 80 já não estava operacional, depois criamos o sistema nacional FILA e agora vamos nessa opção dos russos?! É jogar dinheiro no lixo!

O Brasil precisa de defesa aérea de media/longa distancia e vai investir num de curta?! Parece que estão comprando pela aparencia dos veículos… vão fazer presença no 7 de Setembro?! Na Copa?! Nas Olimpiadas?

Esses sistemas de curto alcance foram concebidos para dar profundidade a um sistema maior de defesa aérea que começaria com os caças de alto desempenho apoiados por misseis de longo/medio alcance e os sistemas de curto alcance servem para dar proteção aos radares e veiculos lançadores dos misseis de maior alcance… vamos comprar o item menor do pacote?!

Abaixo o VERDADEIRO núcleo de uma bateria de defesa aérea… o sistema Tor-M

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

45 comentários

  1. nem tanto!

    o sistema russo  que o exercito deseja comprar e defesa de ponto, como disse, e mesmo no ocidente, misseis anti-aereos são usados em intalações prioritarios, Israel e um exemplo disso com o misseis patriot na primeira guerra do golfo, ok que Israel e pequeno, mas os patriot são projeto americano!

    o pais, sim precisa de caças, pois misseis ar-terra são o recurso final, e seria anti-economico disparar misseis em todo ping do radar!  Mas os misseis não são desperdicio nem são para usar em desfiles!

    o volume a ser adquirido não está claro, mas seria interessante um compra substancial, pois pontos estrategico temos aos montes.

     

    • O sistema em questão foi

      O sistema em questão foi feito para dar proteção a estruturas do tipo fixas, como edificações em geral,  por isso são montados sobre caminhões em vez de veiculos sobre lagartas,  para dar proteção a edificações o sistema de defesa de ponto conta com o radar próprio que DEVERIA trabalhar de forma integrada com os radares de longo alcance, mas repare no que o Brasil tem, os radares do CINDACTA e os do SIVAM… agora a pergunta de alguns milhões de dólares, o sistema russo de curto alcance trabalha de forma integrada com esses radares de procedencia ocidental?!?!? NÃO!!!

      Então teremos nossa defesa aérea parecendo um cara que não sabe se vestir… o sapato ( bateria de defesa de ponto russa ) não combina  com o resto ( sensores de origem ocidental )… por isso falo em adquirir um conjunto completo ou simplesmente NÃO comprar nada!

      • Você está equivocado em

        Você está equivocado em alguns pontos.

        O Pantsyr S1 é capaz de disparar em progressão. E no tocante a compatibilidade de datalink, vale saber que “sistema ocidental” operamos por aqui: Gepard, canhões L-70?

        Datalink depende da linguagem do sistema, e acredite, é possivell compatibilizar… Vai custar tempo, e recursos, mas se faz.

         

    • O Brasil não quer só os

      O Brasil não quer só os equipamentos para ‘defesa’.

      No caso do Pantsir, negocia-se também a capacitação para produzir as baterias aqui.

      A Odebrecht Defesa já possui acordo com a estatal russa de tecnologia militar, sendo forte candidata a entrar no negócio.

       

      Sds.

      • e a tecnologia do trenó do Papai-noel?

        que transferencia de tecnologica de algo tão sensivel como misseis, isso e mentira!  EUA não venderam nem para Israel a tecnologia imagine se a Russia vai vender isso para um pais notoriamente aliado dos EUA, que em 2014 pode ter novo governo!  

        • Os russos possuem acordos de

          Os russos possuem acordos de transferência de tecnologia de mísseis, com os indianos… Por que não teriam conosco?

          • Os russos ganham BILHÕES para

            Os russos ganham BILHÕES para fazer de conta que transferem tecnologia para os indianos você quiz dizer…

    • Vamos entender a situação do

      Vamos entender a situação do Brasil nessa área… temos um orçamento limitado para cumprir uma missão que é defesa aérea, pensando nisso temos de montar a melhor combinação, um conjunto equilibrado que FUNCIONE!

      Quem montou um esquema de defesa aéreo equilibrado russo fez como??? Comprou o pacote completo! Mas os clientes que fizeram isso estão em regiões “quentes” do  mundo, para que gastar BILHÕES aqui num sistema tão especifico e dedicado? Não tem por que fazer isso, mas a necessidade continua existindo.

      Como os paises de regiões como a nossa fizeram mantendo eficiencia e qualidade? Investiram em respostas ecléticas, defesa aérea de médio longo alcance fica a cargo de caças de bom desempenho apoiados por radares de boa qualidade, defesa de ponto? misseis leves e canhões guiados por radar… é barato e com os itens de maior custo ( caças e radares ) que podem ser empregados em outro tipo de missão… mas o Brasil esta pensando em desfiles, vide a compra dos obsoletos sistemas Guepard, impressionam no 7 de Setembro… mas risiveis para os padrões mais elementares atuais

       

       

      • o governo e irresponsavel!

        eu concordo com a maior parte de sua argumentação, pois o governo compra produtos de forma atabalhoada, mais para fazer factoides que pensando seriamente em uma politica de defesa e mesmo projeção de força para uma pais que possui imensas riquezas mineirais.  

        Esse tanques alemães deveria abrir uma CPI para investigar o motivo da compra desses veiculos que foram recusados por todos os paises aos quais foram oferecidos!  

  2. A defesa aérea do Brasil

    Sou leigo no assunto mas curioso das alternativas e condições atuais da defesa brasileira, no caso aérea.

    O que me pareceu da leitura do post inicial e posteriores comentários é que o interesse imediato do país é dar condições de pronta resposta a ameaças ofensivas de pequeno porte.

    Assim as baterias russas ora sob exame serviriam bem face a opção mais lenta dos F-5.

    É uma visão de um não-técnico e pode ser inviável mas está posta.

    • A defesa brasileira não

      A defesa brasileira não existe. ponto

       

      Este sistema foi comprado para oferecer uma defesa PONTUAL.

      Apeanas um pontinho do mapa, ou seja, um estádio de futebol  estaria seguro.

      • Talvez nem isso, um maluco

        Talvez nem isso, um maluco pilotando um avião poderia se aproximar de forma a não ser detectado, o que não é tão dificil de fazer ( talvez um daqueles alerta de radar de estrada vendidos nos EUA dê conta) … quando o cara estiver em cima e for tarde demais ja era… aliais viram como os EUA fazem?! Como os russos fazem? Não vai ver baterias de misseis de curto alcance ao lado de estadios em eventos importantes, sabe por que?!? Por que  não é a forma correta de fazer… agora se estiver falando de ostentar, de fazer presença, esses caminhões fazem uma bela, e ineficaz, presença

  3. Tem sentido

    Primeiro, compra-se a proteção dos grandões. Depois compram-se os grandões. Não estamos em guerra, mas, se é pra comprar material de guerra há-de se seguir a lógica da guerra: não se pode deixar um equipamento vital vulnerável à espera de proteção.

    • Pense o seguinte a defesa

      Pense o seguinte a defesa aérea não é pensada para se auto defender, se fosse esse o caso é melhor não ter uma por que ai não precisa se preocupar em defende-la… então serve para que??? Defender estruturas de alto valor, para isso montamos um “time”… tem os atacantes ( os caças com sensores de longo alcance) , o meio de campo (sensores e/ou misseis de longo alcance), os zagueiros (misseis de medio alcance e caças de defesa de ponto) e o goleiro (misseis de curto alcance e canhões guiados por radar )… no caso o Brasil tem um ataque bem fraco ( usa caças F-5 que tem alcance curto e sensores apenas aceitáveis), o meio de campo meia boca tambem ( tem os bons Aviões radar R-99 e os já não tão modernos e sobracarregados radares do CINDACTA ), a zaga esta bem desfalcada ( não temos misseis de médio alcance e os F-5 fariam o duplo papel ) e no gol ( temos os Bofors L70 do sistema FILA, os Igla lançados de ombro )… ai para reforçar esse “timeco” vem os misseis de curto alcance russos!? É como se o Flamengo/Corinthias contratassem um jogador do Barcelona, mas tipo o segundo goleiro reserva deles…

  4. Por que o Brasil ainda não

    Por que o Brasil ainda não comprou este sistema Tor-M? Por medo dos gringos ou porque os russos não querem pagar propinas aos generais/almirantes/brigadeiros?

    • É muito caro e especializado

      É muito caro e especializado demais… é comprar o Messi para jogar no Nautico achando que vai ser a garantia de que será campeão mundial

    • O TOR M2 é mais caro, apesar

      O TOR M2 é mais caro, apesar de sofisticado o bastante para merecer o preço que tem…

      Muito eficiente, tem alcacne de 15 km. Produzido pela Almaz-Antey.

      O Pantsyr é tão eficiente quanto, possui maior alcance (20 Km) e é mais barato. E mais fácil de manter. Ele é produzido pela KBP Tula.

  5. Pessoal, vocês tão se

    Pessoal, vocês tão se esquecendo do sistema ASTROS. O alcance dos foguetes vai até 300km. O que vocês chamam de longa distância deveria ser atendido por mísseis balísticos, que o Brasil não pode ter por acordos internacionais. A foto da reportagem é a de um caminhão que transporta e lança este tipo de míssil, pois a Rússia pode tê-los (dentro dos limites dos acordos SALT, SOLT e START). O ASTROS atende os de até 300km. E na minha humilde opinião, tão importante quanto ter uma arma de defesa, é ter sistemas próprios, como o software, o lançador, os radares, o controle aeroespacial (é possível lançar mísseis da estratosfera) e o conjunto de propulsão, caso contrário haverá margem para sabotagem.

    • astro e um foguete burro!

      o astros e um sistema de lançamento de foguetes similar aos Katiusha que os sovieticos usaram na segunda guerra, os foguetes não tem orientação nenhuma, portanto não servem para atingir alvos em movimento.  Ele e usado para saturar uma area onde tenham soldados inimigo.  

      Não chega perto da sofisticação do produto oferecido pelos russos! 

      uma comparação seria entre um fusca e um avião a jato!  

    • O sistema ASTROS II é um

      O sistema ASTROS II é um lançador pesado de foguetes não guiados, um dos melhores na sua categoria no mundo, mas os foguetes não guiados que ele dispara tem apenas algumas dezenas de km de alcance e não servem para defesa aérea, o anunciado missil de cruzeiro que seria lançavel a partir do lançador do ASTROS existe apenas como proposta, ele TERIA 300 km de alcance, o que não é grandes coisas quando se pensa em termos de missies de cruzeiro lançados a partir de plataformas terrestres, a vantagem dele é ser mais acessivel que os concorrentes, apenas para comparar o Tomahawk americano tem milhares de km de alcance

       

  6. outros interesses….

     

    Durante anos seguimos as diretrizes e normas de defesa aérea que são padrão para os americanos. Quando o comentarista cita ” seguimos o modelo ocidental”, quer dizer, explícitamente, as normas e os equipamentos made in USA.

     Ora, é sabido que ameaça à nossa soberânia, se houver, só pode vir das plagas do Tio Sam. Estão constantemente mapeando nossos recursos minerais, agrícolas e estratégicos.

    Sabemos também que, em nossas forças armadas, uma boa parte do oficialato e do pessoal de inteligência, vê nos EUA uma segunda pátria ( pra ser educadinho…).

    Paradigmas que nos tem mantido atrazados e dependentes. Toda e qualquer tentativa de auto suficiência foi devidamente combatida nos campos político e econômico. Isso sem contar com o caso da Base de Alcântara, a explosão que atrasou em alguns anos nosso programa espacial, que até hoje esta mal explicado. Existem setores que acreditam numa “ação executiva”,  inclusive com o assassinato de um técnico por agentes  infiltrados…

    Parece que o pacote proposto pelos russos contempla a transferência de tecnologia, algo que sempre nos foi vedado por nossos “mui amigos ”  fornecedores americanos. Acredito ser a opção mais vantajosa para o Brasil.

    Agora, se o nosso governo partir para essa associação com a Rússia,…  um grande número de membros da comunidade de inteligência, seja civil ou militar, … vai ter de, finalmente, escolher um lado….

    • Você esta muito errado na sua

      Você esta muito errado na sua conclusão, as táticas determinam os sistemas, no caso russo a doutrina de emprego é simplificando a seguinte, sistemas integrados e centralizados baseados em multiplos vetores, o que isso quer dizer exatamente? O sistema russo é altamente centralizado em um núcleo que direciona a resposta, os multiplos meios são caças e vários níveis de radares, misseis e canhões semiautomaticos, uma defesa densa… foi assim no Vietnam, foi assim no Iraque, nas guerras árabes israelenses também… é uma doutrina custosa em termos de equipamento e quantidade de homens disponíveis para operar, nos ultimos conflitos entre árabes e israelenses ( guerra de atrito de 69, Youm Kippur de 73 e invasão do Libano de 82 ) foi colocada a prova essa doutrina contra o que de melhor o ocidente tinha na época… em 1969 ainda estava imatura a defesa aérea árabe, vitória dos israelenses… em 1973 foi muito eficiente provando um numero assustador de perdas para os israelenses no inicio da guerra, vitória da doutrina russa.. em 1982 uma desatualizada defesa síria enfrentou uma renovada força aérea israelense, vitória esmagadora israelense.

      O que tem isso a ver? Sistemas de defesa aérea russos implementados da forma que devem ser são muito caros de manter e obrigatoriamente necessitam de constante atualização, exigem muita prática e armas que se mostram eficientes num momento são logo sobrepujadas por táticas e/ou contramedidas… e alem disso tudo servem para que? Quais outras missões podem cumprir?!? Basicamente NENHUMA.

      Agora veja como Israel fez, sempre fundamentou sua defesa aérea principalmente no que? CAÇAS! Um caça serve para defesa aérea, para ataque, reconhecimento, ataque maritimo, interdição e em tempos de paz capacitam os pilotos, tem atualização mais constante e barata, só para citar o F-5E é um avião da década de 60 e ainda hoje consegue fazer alguma coisa, sistemas de misseis dos anos 60 hoje são peças de museu.

      Agora quer criar uma DEFESAÉREOBRAS com um monte de gente treinada para ficar coçando o saco adote a doutrina russa… quer ter um belo caminhão armado no 7 de Setembro? compre essa bateria de defesa de curto alcance, eles são imponentes e passam a impressão de poder para os assistentes… mas se um dia um adversário razoável quizer neutralizar eles basta utilizar armamento de longo alcance, como bombas guiadas, alvos para os quais esses misseis são totalmente inadequados… antes que pergunte, até o Brasil utiliza bombas guiadas hoje em dia, são itens comuns e baratos até… o turbo hélice Super Tucano pode levar uma:

       

      • Você se equivoca, devo

        Você se equivoca, devo dizer…

        Pensas o conceito de defesa AA russa como se ainda estivessem em 1973…

        O conceito de defesa com mísseis, hoje, obedece o conceito de rede. Elementos podem ser eliminados, que o dispositivo defensivo permanece, pois ele é disposto no campo de forma descentralizada, mas orgânica. Ou seja, ele é dimensionado em camadas, mas, os vetores de longo alcance nem sempre precisam estar dispostos ao centro.

         

        A pesar de não ter o mesmo desempenho do TOR-M2 para interceptar bombas guiadas, o Pantsyr ainda o faz, tanto com o míssil 57E2, como com os canhões duplos de 30mm… A ordem de acerto do Pantsyr em defesa crítica contra alvos balísticos é de 75%…

         

         

        • Queria saber onde me

          Queria saber onde me equivoquei… todos podemos nos equivocar, mas queria saber onde… você diz que a doutrina russa mudou desde 1973… eu afirmei que a defesa aérea russa é  muito centralizada, fortemente baseada no controle de terra e composta por uma rede de radares, baterias de misseis e caças, onde o papel preponderante na defesa é dado aos misseis anti-aéreos… tirando o equipamento especificamente o que mudou de 1973 para ca para os russos em termos de doutrina? Se mudou foi que agora os recursos humanos e financeiros são muito mais limitados que antes.

          Uma coisa, você fez um jogo de palavras que para o leigo pode parecer muita coisa, mas  diz justamente o oposto do que aparenta… você afirma “A ordem de acerto do Pantsyr em defesa crítica contra alvos balísticos é de 75%…”… para os leigos explicando melhor, contra bombas “burras” em trajetória balistica ( a mais previsível das trajetórias ) a bateria russa consegue interceptar 3 de cada 4 alvos, é um numero bastante bom para um alvo pequeno como uma bomba, mas quer dizer que uma de cada quatro vai passar, geralmente uma é mais que suficiente… mas eu falei de armas guiadas, logo manobráveis, muito mais dificeis de interceptar… o indice deve ser muito pior… aliais quais foram as bombas que Israel usou quando atacou instalações militares sirias na capital Damasco?? Presumo que um alvo assim ERA bem defendido, falo ERA por que foi destruido…

          Só por curiosidade, a marinha brasileira JÁ OPERA DOIS sistemas de defesa de ponto que se vangloriam de ser capazes de atingir balas de canhão em voo, o Sea Wolf e os Aspide… Aliais se houvesse um minimo de inteligência nessa compra o Brasil ia optar pelo SPADA, que é a versão terrestre de uma arma que o Brasil já usa!!! Po poderiamos aproveitar e fazer um upgrade da versão naval se for o caso, mas ser inteligente nas decisões é bobagem…

          Aspide/Albatross que o Brasil já tem!!

          A seguir o SPADA 2000

    • tendencioso!!!

      1º nosso armamento não é majoritariamente americano, nosso rifle de assalto e um modelo belga produzido sob licença, boa parte dos tanques são alemães, nossos caças principais são franceses e nossas fragatas são inglesas.

      Portanto, como o Cesar A. disse seguimos a doutrina ocidental, porque na guerra fria eram os unicos fornecedores de produtos de qualidade. A URSS não gostava de fornecer produtos modernos para aliados dos americanos, ou que eles pensavam ser

       

      2º infelizmente, pela historia, tem sido os militares quem tem defendido uma capacidade de desenvolvimento com empresas e tecnologina nacional. tem sido os militares as molas propulsoras de mudanças nesse pais, para o bem ou para mal, 

       

      3º da mesma forma que os militares brasileiros tem nos EUA um aliado contra o comunismo, a esquerda tem em Cuba e URSS como nações amigas, 

       

      4º a Base de Alcantara explodiu a 10 anos atras, e o governo no PT não fez esforço algum para recuperar o prejuizo, o governo do PT tenta por a culpa numa ficticia sabotagem, mas antes da explosão foi o proprio governo do PT quem reduziu a liberação de verbas, tanto que ao invés de tecnicos, quem estava na plataforma fazendo ajustes, eram cientistas que deveriam estar protegidos!

      • Ó lá vai dar armas para esses milicos? NÃO!

        Alguém mais está lendo esse post?

        O cara tá falando de guerra fria? Brasileiro? Essa comissão da verdade é medíocre!

        É por existir militares como esse aí em cima na defesa americana que o brasil precisa desvincular do tio SAM.

        Ainda hipócrita por chamar outro de tendencioso!

        Militares = Amigos dos Americanos

        Esquerda (civil) = Amigos dos “Comunistas” (conta a china?vietnã?rússia?)

        “o governo do PT tenta por a culpa numa ficticia sabotagem, mas antes da explosão foi o proprio governo do PT quem reduziu a liberação de verbas”

        Não podemos lança satélites…precisamos usar os deles (FHC vendeu o único pros mesmos) agora nos espionam com viés de intervenção! Foi uma boa tática ainda acabar com todo o corpo técnico.

        Vai tomar remédio! Quem culpou quem? Sabemos que CIA roubou um laptop da Petrobrás com informações do Pré-sal antes da divulgação, que a NSA invadiu o bando de dados da Petrobrás, que não ficou muito claro o motivo da ativação da frota sul (Marinha) americana.

        Fictício? Quem falaria mal de um amigo né milicão!

        É por essas que acho até bom o exército estar sucateado, não querem nos proteger, querem se proteger assim como o corporativismo da classe médica (HIGIENISTA)

        Foi um até o tenentismo…agora. como bem observado. é um ramo que atenta contra a soberania intervindo a mando do império romano atual (DITADURA).

        Por meio destes que nos dividem a fim de nos conquistar.(como já o fizeram 64)

      • tendencioso II … a missão !

        Então vamos lá,….

         

        1- Doutrina ocidental,… guerra fria,… etc…etc…  A guerra fria acabou na década de 80, …já se vão uns 30 anos…

        2- Estamos falando de negócios e de estratégia . Nos negócios temos armamento moderno com transferência de tecnologia, …. e na questão estratégica,… alguém ainda tem dúvida que o Tio Sam esta muito interessado nos nossos recursos naturais e minerais ?…. para isso conta até com a boa vontade de alguns futuros “invadidos” né ?…

        3- Enquanto setores militares se preparam para combater o comunismo, que por sinal acabou com a queda do muro de Berlim, nossa capacidade de se defesa que já é pouca é esmiuçada e mapeada pelos USA, que recentemente deu uma reformada numa base desativada no Paraguay, … pertinho das nossa fronteira.  Você vai encontrar um vídeo legal  sobre isso  no blog do Azenha….  Quanto à ameaça do falecido comunismo, isso é risível. Hoje em dia, não ha um país onde o capitalismo e mais selvagem do que a Rússia, …. russos e chineses investem pesado na City e em Wall Street, pragmaticamente. Sobrou para os caras que estão se preparando para nos defender do comunismo, … a possiblidade de Cuba enviar uma força tarefa muito poderosa e destruir o nosso querido país, então, seguindo o seu raciocínio, a possibilidade de sermos invadidos por Cuba é muito maior do que a de sermos rapinados pelo Tio Sam .

        4- A torre da base de Alcântara explodiu…. coincidentemente, o FHC, nos meses finais do seu governo, tentou dar aos americanos o controle total de lá. Segundo o acordo proposto pelo danado,…brasileiro para entrar na base, teria de ter autorização da Cia. Com a popularidade e credibilidade dele  em baixa (nós sabemos que presidente em fim de mandato não recebe nem cafezinho do copeiro), e a acensão evidente da oposição, ele não conseguiu emplacar essa idéia criminosa… Aí coincidentemente, acontece a explosão e nosso principal técnico é assassinado, … mas você acredite no que quiser .

        5 – fui…

    • Sim… vide os iranianos, os

      Sim… vide os iranianos, os americanos basta apertar um botão que TODOS os aviões dos iranianos caem… estou sendo sarcastico tá? vai que acredita…

  7. O Pantsyr S1 como escolha representativa do conceito russo…

    Creio que o sentido de se discutir, ou debater, seja de fundo, o de informar, por isso vou comentar sobre a aquisição, a meu ver correta, do sistema de artilharia anti-aérea  de origem russa, da empresa KBP Tula, Pantsyr S-1.

    Primeiro devemos nos ater ao conceito russo de forças armadas, ela é singular. A Rússia como herdeira da URSS não mudou a estrutura, que continua a mesma… Ao contrário do nosso conceito de Exército, Marinha e Aeronáutica, os eslavos utilizam a divisão de Força Aérea (VVS), Exército, Marinha, Força de Defesa Aérea da Nação e Força de Mísseis Estratégicos, sendo que as aeronaves que fazem parte da Força de Defesa Aérea da Nação (PVO), para todos os efeitos são tripulados por pilotos formados dentro da Força Aérea, com uniformes e patentes desta, sendo desta forma um braço da Força Aérea, ainda que estejam dentro de um força singular, que também opera toda a artilharia anti-aérea, de tubo e de mísseis, para defesa do espaço aéreo russo.

    No tocante ao conceito de defesa aérea, que é o nosso interesse, os russos partem do princípio de que ela deva ser realizada em camadas, sendo as camadas de uma cebola a analogia constantemente utilizada para ilustrar esta forma de pensar. A primeira camada são as aeronaves interceptadoras, a segunda é composta por mísseis de longo alcance, a terceira por mísseis de alcance médio que é seguida pelos mísseis de curto alcance e defesa crítica. Dito isso é preciso entender, que para os russos a disposição deste dispositivo de defesa não linear, pois no campo pode haver sobreposições que dependem da compreensão tática das intenções agressivas do inimigo.

    Os equipamentos russos de defesa aérea nasceram tendo em mente o enfrentamento contra a melhor Força Aérea do mundo, ou aquela que assim se intitulava e propagandeava, além do mais costumam os russos aperfeiçoarem, bem como desenvolver novos conceitos a partir do aprendizado havido nos conflitos pelo mundo, portanto, incorporam, hoje,  a mobilidade, grande numero de lançadores por bateria, bem como a capacidade autônoma de detecção, rastreio, e de ação remota por integração em rede. Desta maneira uma unidade funciona como se fosse uma bateria completa, e se por acaso for destruída pelo inimigo não comprometerá em hipótese alguma, devido a sua perda, o restante do dispositivo defensivo.

    O Pantsyr S-1 incorpora o conceito descrito acima, ele possui um radar de detecção e rastreio, e outro para aquisição de alvos, pode, no entanto, disparar a partir de dados transmitidos por datalink de outra unidade, ou por uma alça eletro-ótica, sendo neste caso obrigado a acompanhar e engajar um alvo por vez.  Possui doze mísseis KBP Shipunov 57E6-E, capazes de um alcance máximo de 20 Km, e uma altitude de 16 km, além de dois canhões de alta cadência de 30mm. A unidade é autônoma no tocante a geração de energia e locomoção, diferindo das propostas ditas “ocidentais”, que são dispostas em reboques e dissociadas dos meios de detecção e rastreio, locomoção, além de constarem em geral com não mais que seis mísseis para pronto uso.

    Por ser autônomo, o Pantsyr-S 1 acaba por ter um tamanho maior, visto que concentra tudo em uma só unidade, no entanto, esta concentração favorece ao rápido deslocamento, algo que se mostrou primordial nos combates onde os meios de defesa aérea estiveram sob pressão. Na guerra sérvia as baterias que se moviam com maior constância conseguiram sobreviver ao bombardeio de supressão de defesas anti-aéreas e obter maiores sucessos contra aeronaves agressoras, por outro lado, a antiga defesa anti-aérea líbia, estática e ultrapassada, foi varrida pelos ataques dedicados pelos mísseis Cruise e bombas guiadas.

    O Pantsyr possui a capacidade de disparar em progressão de marcha, e devido ao seu alcance de 20km, possui a capacidade de proteger instalações de importância. Além do mais, devido a extrema agilidade do míssil 57E6, é capaz de engajar mísseis em trajetória rasante e mesmo bombas guiadas. Os canhões de alta cadência de 30mm são de duplo emprego, ou seja, podem ser usados contra aeronaves e alvos terrestres, como blindados e pontos fortes.

    Existem argumentos contra os conceitos russos, dizendo que os mesmos são caros, grandes, custosos, no entanto esses argumentos omitem que todos os equivalentes ocidentais são inferiores em desempenho, ou ainda mais caros de adquirir e manter. O costume de fracionar baterias no campo, contanto com a camuflagem como proteção, acaba por expor os defensores quando descobertos pelos radares de abertura sintética, visto que o deslocamento emergencial está comprometido pelo engate necessário dos reboques…
     
    No tocante aos mísseis de médio e longo alcance, é preciso entender que a encomenda brasileira pretende formar, antes de tudo, uma doutrina de defesa aérea com mísseis, algo inexistente hoje, e para isso o Pantsyr S1 cabe como uma luva. Ademais, esta aquisição se enquadra na diretriz de produção nacional de material bélico, haja vista que compreende um acordo para um desenvolvimento conjunto de um sistema de defesa de médio alcance. É provável que a empresa Mectron, parte integrante da Odebrecht Defesa seja a integradora principal deste esforço. Após o primeiro lote, deverá haver a montagem de outras unidades, com itens provenientes da KBP Tula, com nacionalização progressiva. O lote inicial deverá contar com chassi e cavalo mecânicos de origem russa, a discutir se da marca Kamaz, ou BAZ.

    É o que eu tenho a informar aos leitores do Blog Luis Nassif. Meu nome é César Antônio Ferreira e sou conhecido como “Ilya Ehrenburg” nos fóruns de assuntos de defesa.

    • Olha eu nem ia mais colocar

      Olha eu nem ia mais colocar comentários nesse tópico, mas diante dessa verdadeira propaganda institucional do missil russo não resisti, o autor fala um monte de verdades entremeadas com conclusões equivocadas.

      Compara o conceito russo de defesa aérea com uma cebola, boa comparação! O que o Brasil pretende comprar é uma das camadas dessa cebola, uma das mais internas aliais, então vamos ter não a cebola inteira, apenas uma parte dela… vamos ficar chorando por que cebola sem casca provoca isso.

      Depois ele fica detalhando dados de desempenho do missil russo, fala de alcance máximo, de máxima altitude e coisa e tal… quem lê sobre o assunto sabe que esses numeros são engodo, o alcance prático é o que conta e no caso são bem menores.

      Sobre poder atuar de forma autonoma, é verdade, mas não é o ideal, lembra da cebola? pois é, fica desfalcada.

      Ser capaz de engajar misseis e bombas em trajetória terminal não quer dizer que seja a maneira mais eficaz de fazer isso, e de fato não é, um caça leve pode transportar no minimo duas bombas guiadas, saturando facilmente uma defesa assim, afinal o caça estara atuando fora do alcance da bateria.

      O canhão realmente tem capacidade de ser usado contra alvos terrestres, mas utilizar esse modelo sobre rodas da bateria contra alvos terrestres é verdadeiramente uma medida desesperada, até entenderia se fosse o modelo anterior, o Tunguska, que é um veículo blindado projetado para acompanhar formações de tanques.

       

      Finalizando, a Siria possui essas baterias, empregadas dentro do conceito russo de defesa em camadas, mas a cerca de um ano a força aérea israelense invadiu o espaço aéreo sirio e fez uma SÉRIE de ataques onde destruiu instalações suspeitas… reação da defesa aérea siria? NENHUMA

  8. A respeito da defesa aérea nacional

    Caros, permitam-me fazer um comentário tardio, pois o assunto é da mais alta relevância. Mas vamos por tópicos, que fica menos chato de ler:

    1. O Brasil está comprando esse sistema Tor M2E da Rússia. Isso já são favas contadas. A novidade é a possibilidade de aquisição de aviões de 4,5 e 5ª gerações (com fabricação e desenvolvimento compartilhados), mas essa é outra história.

    2. Esse sistema Toré considerado o mais avançado do mundo em sua categoria – sistema antiaéreo MÓVEL terra-ar a curto/médio alcance (depende do sistema/rede detector vinculado a ele), ideal para proteger cidades e instalações estratégicas contra helicópteros, aviões, foguetes e mísseis (incluindo balísticos).

    3. A definição curto/ médio alcance diz respeito apenas ao raio (área de alcance) em que este sistema consegue abater o alvo, não à distância de detecção do mesmo (que depende do sistema de radares vinculados a ele). Sistemas de defesa aérea de longo alcance são os desenvolvidos para a prevenção a ataques de mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), que também são sistemas de mísseis balísticos. Portanto, Não precisamos desses sistemas de longa distância.

    3. O Brasil NUNCA TEVE um sistema similar. “…Hoje, a defesa antiaérea quase inexiste no Brasil, sendo restrita a menos de 200 canhões com projeto dos anos 50, 112 lançadores portáteis russos Igla e alguns franceses Mistral. Não há meios para abater mísseis e, se um avião supersônico penetrar perigosamente o espaço aéreo brasileiro, irá ser confrontado apenas por aviões como o Mirage-2000 ou o F-5…’Do ponto de vista de defesa antiaérea, estamos desguarnecidos’, diz o diretor de Material do Exército brasileiro, general Sinclair Mayer…” (fonte: http://www.forte.jor.br).

    4. A compra desse sistema visa garantir a proteção para os eventos da Copa do Mundo e Olimpíadas – e a sua mobilidade (montado sobre um veículo com lagartas, como um tanque) facilita seu posicionamento nas cidades-sedes e realocação posterior.

    5. Esse sistema foi testado recentemente em combate real – e com sucesso. “…A fonte também informou ao diário libanês que  (…) os EUA dispararam os dois mísseis de uma base da OTAN na Espanha. Os mísseis foram instantaneamente detectados pelos radares russos e foram repelidos pelos sistemas russos de defesa: um deles foi destruído em voo e o outro foi desviado em direção ao mar…” (http://jornalggn.com.br/blog/iv-avatar-do-rio-ooooooooo/russia-teria-interceptado-dois-misseis-disparados-contra-a-siria). O sistema russo que o abateu era uma versão anterior do Tor, conhecida como SS-N-9 – “…Os mísseis do sistema Tor-M1 também são utilizados em versão naval, como mísseis de defesa aérea, estando instalados em navios da marinha russa…” (fonte: http://www.areamilitar.net).

    6. O Tor M2E tem ainda um sistema de proteção no Pantsir-S1 que é, basicamente, um “sistema de defesa da defesa antiaérea”. Igualmente móvel, ele protege o Tor de ataques e contramedidas prévias feitas para anular/reduzir  a capacidade de defesa antiaérea, antes do ataque propriamente dito.

    Por fim, vale ressaltar: é o melhor. Tenho lido afirmações do tipo “os russos não fazem transferência de tecnologia”, ou “se fosse bom, não seria russo”. Da primeira, posso afirmar que é declaração de quem rejeita por completo, sem aceitar os fatos – quem declara publicamente que não transfere (a não ser para Reino Unido e Israel) são os EUA; a Rússia transferiu recentemente tecnologia sensível para China, Irã, Índia e Síria – com histórico de transferências de armamentos militares para Líbia, Cuba, Egito e Angola (fábricas de Kalashnikovs, de aviões Mikoyan-Gurevich, radares e sistemas de interceptação balística de longo alcance. Já a segunda afirmação que difama a capacidade tecnológica russa, há o evento citado no item 5 – mas há algo mais: sabem como a ISS (International Space Station) está sendo abastecida com homens e equipamento no espaço, desde o cancelamento dos ônibus espaciais da NASA (que eram os únicos lançamentos espaciais feitos pelos EUA)? Pois bem, é pelo sistema  Soyuz TMA-03M lançado a partir de Baikonur – muito mais barato e eficaz (menos defeitos) que as Shuttle lançadas pelo Cabo Canaveral. Abs

    • Falou um monte de coisas,

      Falou um monte de coisas, grande parte verdade, como quando diz que o sistema de defesa aérea nucleado no Tor-M é provavelmente o melhor do mundo… mas do objeto em questão falou pouco e não o suficiente para se chegar a uma conclusão correta.

      Começando por onde falhou, diz que o Brasil NUNCA teve sistema similar, SE ENGANOU, nos anos 70 o Brasil comprou uma bateria móvel de misseis Roland da Alemanha, um dos mais modernos na época… resultado? nos anos 80 estava desativado por falta de manutenção… alguns veiculos lançadores chegaram a virar alvos em exercicios de tiro.

      Do texto o que diz respeito ao caso concreto são os itens 3 e 6, o resto esquece, informação sobre o Tor-M, que o Brasil não vai adquirir, estamos comprando apenas o miolo da cebola…

      Sobre transferencia de tecnologia, o maior parceiro dos russos hoje é a India, que tem problemas serissimos em manter o material de origem russa, chegando ao ponto de lançar ao mar um submarino nuclear sem reator!!! ou no caso mais recente da “parceria” para o FGFA, a versão indiana do PAK-FA, existem inumeras repportagens demostrando o desastre que esta sendo… A Russia faz  e a India paga, uma verdadeira parceria CARACU…  os russos entram com o car… e os indianos com o c.

      Olha UMA das noticias a respeito:

      NOVA DELHI : maior projeto de defesa da Índia na fabricação , o desenvolvimento conjunta do avião de caça de quinta geração ( FGFA ) com a Rússia, voou em algum mau tempo .

      Fontes do Ministério da Defesa disse que a assinatura do projeto final e contrato de R & D para o caça stealth foi atingida por um enorme atraso , com a Rússia também de levantar os custos para o projeto futurista. “É muito improvável que o contrato design final FGFA será concluído no ano fiscal de 2013-2014 “, disse uma fonte .

      Este contrato deveria ser firmado em 2012, de acordo com o cronograma , em seguida revisto após a conclusão do contrato de projeto preliminar (PD C) fase . Índia vai eventualmente acabar gastando próximo a US $ 35 bilhões ao longo das próximas duas décadas para adquirir mais de 200 desses caças ” swing- role ” .

      O plano era até ano passado de que a Índia iria começar utilizando o FGFA de 2022 em diante, com os pilotos de teste da IAF ficando três protótipos em 2014, 2017 e 2019 para os ensaios na fábrica da Hindustan Aeronautics no Ozar .

      ” Os prazos terão agora de ser revistos. Ministério da Defesa criou um comitê de especialistas e funcionários de finanças para verificar o aumento dos custos . Uma comissão de negociação do contrato interna também está em andamento “, disse a fonte.

      Mas a Índia permanece firme em rejeitar a oferta dos EUA para se juntar a sua Joint Strike Fighter ( JSF) ou o programa do F-35 ‘Lightning -II . ” Um monte de tempo e dinheiro foi investido na FGFA com a Rússia. Índia simplesmente não podem pagar duas FGFAs , tanto financeiramente, bem como logisticamente “, disse.

      O PDC 18 meses de US $ 295 milhões do FGFA com a Rússia foi firmado em dezembro de 2010 , em que designers indianos e cientistas sequer foram estacionados na Rússia para elaborar os planos e documentação para o caça .

      O FGCA será um  ” caça multi- função ” será baseado no monoposto russo chamado Sukhoi T- 50 PAK -FA , que hoje conta com quatro protótipos voando , vai ser ajustado às necessidades do IAF . IAF tinha inicialmente demanda para 166 caças biplace e 48 monoplaces, mas vai apenas para os jatos monoplaces agora para reduzir os custos , bem como proteger as características furtivas .

      O contrato de projeto final que está em negociação ficariam em US $ 11 bilhões, com a Índia ea Rússia partilha 5,5 bilhões dólares cada para o custo do projeto, infra-estrutura de montagem em Ozar , desenvolvimento de protótipos e testes de voo . Cada caça vai custar mais de US $ 100 milhões. ( os americanos estão sendo duramente criticados por que o F-35 esta atingindo esse valor,a versão indiana do caça da parceria com os russos nem começou a ser projetado e já esta nesse montante!!)

      IAF é bastante confiante de que o T-50 irá satisfazer as suas necessidades futuras. Além de ultra- manobrabilidade e capacidade de cruzeiro supersônico , o FGFA vai levar suas armas dentro da fuselagem para diminuir sua assinatura radar. Com uma velocidade de cruzeiro de Mach 1,7 a 1,8 , tem tanto ataque de longo alcance e as capacidades de defesa aérea de alta resistência.

      IAF está composta por apenas 34 esquadrões de caça ( cada um tem de 14 a 18 jatos ), apesar de precisar de pelo menos 44 para manter capacidade tanto contra o Paquistão e a China. Os custos de aquisição de 270 Sukhoi – 30MKIs foi de  US $ 12 bilhões, bem como a assinatura para o início do projeto de quase US $ 20 bilhões para adquirir 126 caças franceses Rafale para preencehr lacunas operacionais até o FGFA torna-se uma realidade

  9. S-300

    Cesar A.

    A foto que vc.coloca não é apenas de um Tor-M ( a direita) com os misseis rebatidos, mas a esquerda se encontra um Sistema S-300 em posição de disparo, e a frente deste, o radar de acompanhamento final deste sistema, destinado a médio/longo alcance, dependendo do missil utilizado

  10. Falta informação…

    Falar em  “sistema de defesa aérea por caças” é esquecer que apenas e somente os EUA os possuem em quantidade suficiente para tal.

    Uma defesa aéra baseada em aviões é stronomicamente cara, muitas vezes mais que uma defesa baseada em sistemas de mísseis em terra.

    Apenas para ilustrar, um caça custa seco, sem nada, em média 70 milhões de dólares, fora armas, combustível infraestrutura, piloto(até vinte anos para formar), aviões tanque, aviões AWACS…

    O Pantsyr é adequado justamente por ser muito fléxivel, pode ser fixo, montado sobre chassis 8×8 ( não tem nada a ver com caminhão), sobre lagartas, em containeres estáticos, rebocados, em navios… Enfim, é realmente muito flexível.

    Sobre os tais 75% de taxa de acerto do Pantsyr, é por cada disparo, e a bateia possui 16 deles para pronto uso.

    Apenas para ilustar, na Sérvia, mesmo usando equiapemento russo dos anos 60, a defesa aérea conseguiu abater vários aviões ocidentais, sendo um stealth inclsive, e pós o fim dos conflitos, mais de 80% do exército sérvio estava intacto. NENHUM helicóptero Apache,erroneamente  tido como uma super máquina, conseguiu ou sequer se aventurou a entrar na  cena de combate.

    A chave da sobrevivência era a mobilodade da unidades.

    Recentemente, um F-4RF turco foi abatido na Sísia justamente por Pantsyr.

    Na Síria, os alvos atacados por Israel NÃO ESTAVAM DEFENDIDOS POR PANTSYR. Foram atacdos por mísseis de cruzeiro disparados de submarinos.

     

    Quando o Brasil tiver mais de mil caças se poderá em “defesa antiaérea ocidental”, seja lá o que isso signifique.

     

    Até lá temos que galgar um degrau de cada vez.

     

     

    • Total desinformação sua

      Total desinformação sua argumentação.

       

      _ Caças são na maioria das vezes multifunção, podem realizar diversos tipos de missão, reconhecimento, escolta, ataque, ataque naval, superioridade aérea etc. Na pior das hipoteses estariamos formando pilotos de jato… e os operadores de misseis antiaereos podem fazer o que depois?!

      _ Flexivel não é a mesma coisa que móvel, mas mesmo na questão de mobilidade veiculos sobre rodas tem mobilidade restrita a terrenos pouco acidentados, em terrenos acidentados ou condições de campo de batalha são mais adequados veículos sobre lagartas.

      _ Na Servia a infraestrutura do pais foi destruida enquanto as forças armadas se escondiam, aliais era a unica coisa que podiam fazer.

      _ A derrubada do F-117 foi realmente um grande feito, mas pouco detalhado pelos dois lados, é algo que se situa entre um grande golpe de sorte e uma operação muito bem planejada, mas foi algo realmente pontual.

      _ A força aérea israelense constantemente desafia o poderio sirio, desde 1982 quando foram massacrados os sirios NUNCA mais tentaram esboçar qualquer tipo de reação as provocações israelenses.

      • E daí??

        Que caças sejam multi-função não quer dizer que devemos basear toda a defesa aérea neles, e ter só caças, seria UM VERDADEIRO suicídio tático!!

        Não é assim na pratica… Não é assim na pratica em NENHUM LUGAR DO MUNDO… Acho que é você que está desinformando pois não conhece o tema, não sabe o que fala!!

        Pelo visto só tentou fazer politica, mais nada, pois na Pratica, a defesa aérea é mais complicada, muito mais complicada do que o simplismo ideológico diz!!

        Que você queira ou não o Brasil está se aproximando da Rússia e seus equipamentos militares assim como já fizeram outros BRICS, China e Índia por exemplo que tem uma montanha de armas em operação, e a maioria esmagadora de fabricação russa ou com sua tecnologia, veja o caso J-10 Chinês que tem motor e componentes eletrônicos russos…

        Talvez seja esse o problema aqui pra falar tanta coisa fora da realidade tática militar, o preconceito!

         

        Valeu!!

  11. O sistema de defesa aérea é por camadas!!

    Um sistema de defesa aere é feito por camadas, simples assim não tem essa da “Arma Justa”… e o Ilya tentou explicar, mas pelo visto não quer entender…

    Os Pantsir seriam somente uma parte das camadas que o EB precisa, pois é o EB que se ocupa de defesa antiaérea…

    Os caças fazem a maior cobertura, mas a DEFESA AEREA É VARIADA, e SEM as baterias antiaéreas de terra NÃO EXISTE DEFESA AEREA!!

    Só com caças você não defende COISA ALGUMA, não existe um só país no mundo com a doutrina de defesa aérea baseada SOMENTE EM CAÇAS!!!

    Os russos usam as de longo alcance S-400 com o guarda-chuvas geral nos 350-400KM, e tem varias baterias para cobrir o país… dentro desta camadas existem outras baterias antiaéreas, os russos, sírios, e outros países depois usam vários sistemas, como os S-300 que não são mais produzidos mas ainda estão nos arsenais da Rússia, para uns 250-300Km de cobertura, e dentro dessa camada tem os Buk-M1 ou M2, para a média de 50 Km de distancia, e dentro dessa camada vemos algumas baterias de S-125 Pechora para os 30KM, e dentro dessa camada ESTÃO OS PANTSIR-S1 que compramos, com misseis para os 15-20Km e canhões de 4km… e dentro dessa camada dos nossos PANTISIR-S1 ainda teremos necessidade das artilharias de Tubo como os canhões dos GEPARD ou até os canhões a reboque ZU-23-2 ou os dois mesmo, além obviamente dos misseis MANPADS Igla-s que o soldado à pé pode carregar nas costas e disparar, pois são portáteis!

    Em TODO CASO esse sistema de camadas para a defesa aérea, perder algumas partes é previsto no sistema, e assim não tem problema grave algum, pois uma camada é composta por varias baterias, e cada bateria, levando em consideração as defesas antiaéreas russas citadas aqui, e que o Brasil comprou deles, vem com na configuração média de 6-7 veículos, 2 ou 3 veículos pra lançamento dos misseis, onde cada veiculo tem um radar e um sistema de controle de tiro, e tem mais um veiculo comando para analisar esses dados, mais 1 veiculo de energia e 1 veiculo renunciador… agora coloque uma bateria de S-400 protegendo 2 baterias de BUK-M2, que protege 3 baterias de S-125Pechora que protege 4 Baterias de Pantsir-S1, que protege 6 baterias de canhões que protegem 8 baterias de MANPADS… e tudo isso protegendo em vice-versa também… O BRASIL NÃO JOGOU DINHEIRO FORA, SÓ COMPROU UMA PARTE DO QUE PRECISA!!

    Valeu!!

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome