Ciência brasileira tem “escolhas trágicas” pela frente

Escassez de recursos decorrente da pandemia obrigará pesquisadores a fazer opções duras sobre o que continuar pesquisando, prevê a cientista social Marta Arretche, da FFLCH-USP

do Jornal da USP

Ciência brasileira tem “escolhas trágicas” pela frente

por Herton Escobar

 

“Temos que seguir caminhando, mas vamos ter que escolher o que vai ficar no barco ou não. Acho que nós conviveremos um bom tempo com escolhas trágicas; quase escolhas de Sofia”, afirmou Marta. “Teremos que, como comunidade científica, fazer uma discussão muito séria sobre o que nós queremos preservar e o que nós queremos salvar.”

Professora titular do Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e ex-diretora do Centro de Estudos da Metrópole (CEM), Marta foi a segunda convidada da série Você e o Pesquisador, uma iniciativa da Pró-Reitoria de Pesquisa da USP, que está realizando debates quinzenais com pesquisadores da Universidade. Os eventos são transmitidos ao vivo e permanecem à disposição no Canal USP do YouTube. A ideia é mostrar como as pesquisas feitas na instituição geram resultados práticos para a sociedade. 

“A discussão sobre o que é relevante não é trivial”, acrescentou a professora. “O critério do que é relevante ou não depende de ordenamento de preferências que os indivíduos têm; e eu acho que a nossa situação vai ficar tão dramática que teremos de fazer escolhas entre questões que são igualmente relevantes. Nem tudo que é relevante nós vamos conseguir salvar, lamentavelmente.”

Leia também:  Pesquisa revela ignorância dos jovens adultos sobre o que foi o Holocausto

Assista à íntegra do evento:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome