Padilha pede dados sobre entidade suspeita que receberá R$ 4,2 mi do governo Bolsonaro para projeto gamer

O montante destinado pelo governo Bolsonaro a uma instituição sem CNPJ é extravagante, pois corresponde a praticamente todo o orçamento do Fundo Nacional de Cultura executado em 2020

Jornal GGN – O deputado federal Alexandre Padilha (PT) requereu ao Ministério do Turismo, nesta quarta (15), uma série de informações sobre a destinação de 4,2 milhões de reais em dinheiro público para um projeto envolvendo a entidade Casinha Games. A iniciativa ocorre após uma reportagem chamar atenção singularidades no repasse, falta de transparência e o fato de que Renan Bolsonaro, filho 04 de Jair Bolsonaro, tem “voraz interesse” no setor de games.

Para justificar o requerimento, Padilha usou matéria do portal Farofafá que lança dúvidas sobre o investimento do governo Bolsonaro. Isto porque não há sequer “registro de uma instituição chamada Casinha Games. Não há empresa com tal nome e não se tem notícia de um programa dos entes federativos com tal denominação.”

Além disso, o montate destinado pelo governo Bolsonaro a uma instituição sem CNPJ é extravagante, pois corresponde a praticamente todo o orçamento do Fundo Nacional de Cultura executado em 2020 para diversos programas.

Para se ter dimensão do volume envolvido, na mesma portaria divulgada no Diário Oficial da União, o Ministério do Turismo cedeu apenas 481 mil reais para o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Padilha solicitou ao Ministério informações a respeito da “razão social, CNPJ, currículo, etc” da Casinha Games, além de “justificativa e esclarecimento a respeito do processo de escolha do projeto da Casinha Games e informação sobre os critérios adotados.”

Segundo a reportagem, “o responsável pela destinação é André Porciuncula, militante bolsonarista de extrema direita que ocupa atualmente o posto de Secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do governo federal.”

Renan Bolsonaro “já teve reuniões com ministros de Estado, um deles o secretário especial de Cultura, Mário Frias, e é investigado pela Polícia Federal por tráfico de influência. Um dos sócios de Renan, o personal
trainer Allan Lucena, também tem uma empresa de audiovisual”, acrescentou a reportagem.

jornalggn.com.br-requerimento-casinha-games

Leia também:

1 – Renan Bolsonaro “queria abrir empresa de influencer e eu apresentei um tributarista”, diz Marconny à CPI

2 – CPI mostra como o governo Bolsonaro legalizou o crime de tráfico de influência na pandemia

3 – De corrupção a crime contra a humanidade, juristas listam crimes do governo Bolsonaro à CPI

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome