Ataque israelense atinge escritórios da Al Jazeera e Associated Press

Os ataques aéreos no sábado - o sexto dia consecutivo de hostilidades entre Israel e Hamas - ocorreram cerca de uma hora depois que o exército israelense ordenou que as pessoas evacuassem a torre al-Jalaa

The Guardian

A Força Aérea israelense destruiu um bloco de torres na Cidade de Gaza que abriga os escritórios da Associated Press e da Al Jazeera, no que foi amplamente considerado um ataque à liberdade de imprensa.

Os ataques aéreos no sábado – o sexto dia consecutivo de hostilidades entre Israel e Hamas – ocorreram cerca de uma hora depois que o exército israelense ordenou que as pessoas evacuassem a torre al-Jalaa.

Não houve nenhuma explicação imediata do motivo pelo qual o edifício de 15 andares foi visado. Além das duas organizações internacionais de mídia, o prédio era o lar de vários outros meios de comunicação, escritórios, incluindo vários provedores de Internet e apartamentos privados.

O prédio foi atingido cerca de seis vezes antes de desabar em nuvens de fumaça preta, que engolfou todo o bairro.

A Al Jazeera transmitiu ao vivo um telefonema entre o proprietário do prédio, Abu Husam, e um oficial de inteligência israelense, no qual Husam pede ao oficial que dê tempo ao pessoal da mídia para evacuar o equipamento de seus escritórios. Seu pedido foi negado.

Um comunicado das Forças de Defesa de Israel disse que o prédio continha ativos militares pertencentes aos escritórios de inteligência do Hamas.

“Antes do ataque, as IDF avisaram com antecedência os civis no prédio e deram tempo suficiente para que evacuassem o local”, disse o comunicado das IDF.

“O Hamas deliberadamente coloca alvos militares no centro de áreas densamente povoadas de civis na Faixa de Gaza.”

Um repórter da AP, Fares Akram, tuitou pouco antes de a torre ser atingida: “Descemos correndo as escadas do 11º andar e agora olhando para o prédio de longe, rezando para que o exército israelense se retraísse”.

No início do sábado, Akram publicou um artigo na primeira pessoa em que descreveu como uma bomba israelense destruiu a fazenda de sua família no norte da Faixa de Gaza no dia anterior. Seis de seus parentes, incluindo seu pai, três amigos e vários colegas morreram nas três guerras e outras hostilidades entre Israel e o Hamas, escreveu ele.

“O escritório da Associated Press é o único lugar na Cidade de Gaza em que me sinto um tanto seguro. O exército israelense tem as coordenadas do arranha-céu, então é menos provável que uma bomba o destrua.

“Mas em um nível mais profundo, é falar com as pessoas em Gaza, trabalhar para tirar suas vozes de um território do qual eles próprios não podem sair, o que me mantém são. Quando conto ao mundo o que está acontecendo aqui, encontro um pequeno consolo. ”

Mostefa Souag, diretor-geral interino da Al Jazeera Media Network, descreveu o bombardeio dos escritórios da empresa como “uma flagrante violação dos direitos humanos” e um crime de guerra, pedindo à comunidade internacional que condene o ataque e “responsabilize Israel por direcionamento deliberado de jornalistas e instituições de mídia ”.

O presidente e executivo-chefe da Associated Press, Gary Pruitt, disse: “Estamos chocados e horrorizados que os militares israelenses tenham como alvo e destruam o prédio que abriga o escritório da AP e outras organizações de notícias em Gaza.

“Este é um desenvolvimento incrivelmente perturbador. Por pouco evitamos uma terrível perda de vidas. ”

As atuais hostilidades entre militantes na Faixa de Gaza e Israel são os piores confrontos desde a guerra de 2014. Vários relatórios, citando fontes de mediação egípcias, disseram que na noite de quinta-feira Israel rejeitou uma proposta de cessar-fogo com a qual o Hamas, grupo islâmico que controla a área, havia concordado.

Desde a noite de segunda-feira, o Hamas disparou centenas de foguetes contra Israel, que atingiu a Faixa de Gaza com ataques. Em Gaza, pelo menos 139 pessoas foram mortas, incluindo 39 crianças e 22 mulheres; em Israel, sete pessoas foram mortas, incluindo um menino de seis anos e um soldado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Creio que a notícia contém contradições. A primeira é a discrepância entre o 3º e o 6º parágrafo. Israel explicou a TODOS os veículos do prédio que o prédio seria destruído por conter armazenamento de armas de guerra do Hamas, que costuma usar locais civis para guardar seus armamentos e munições.
    Há também a fala que “por pouco evitamos uma terrível perda de vidas”. Ora, Israel mandou o chamado ” toque no teto”, uma bomba sem carga explosiva que faz muito barulho e solta fumaça branca para avisar que o local será bombardeado dentro de uma hora. Fora isto Israel telefonou a todos os escritórios – comprovados pela própria TV do Hamas. Um dos gerentes chega a pedir mais uma hora ao oficial Israelense que ligou.
    Notícia errada é perigosa, tira a credibilidade. No caso, sua fonte (AP) os induziu a erro. Vale a pena corrigir o artigo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome