Cadeira no STF impulsiona lobby evangélico

Embora Jair Bolsonaro prefira André Mendonça no lugar de Marco Aurélio, o nome de Humberto Martins leva vantagem no Senado Federal

Jornal GGN – A aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal (STF) acendeu o lobby das igrejas pelo nome “terrivelmente evangélico” prometido pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o nome favorito do presidente Jair Bolsonaro para assumir a cadeira é do advogado-geral da União, André Mendonça, pastor licenciado da Igreja Presbiteriana Esperança, uma denominação considerada mais progressista dentre aquelas que aderiram ao bolsonarismo.

Em conversas com interlocutores evangélicos, o presidente afirma que Mendonça foi seu escudeiro durante o período em que ocupou o Ministério da Justiça e da Segurança Pública –  entre outras medidas, Mendonça frequentemente fazia com que críticas de opositores virassem caso de polícia por crime de honra.

Entretanto, a maioria dos senadores prefere que o indicado seja o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, que integra a Igreja Adventista do Sétimo Dia e aposta em alguns trunfos: o apoio do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), a falta de interlocução de Mendonça com o Congresso e o fato de ser responsável pelo tribunal responsável pelas ações contra governadores (Bolsonaro não só critica as medidas restritivas adotadas por diversos governadores, como cobra investigações na CPI da Covid).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome