Coaf aponta operação suspeita de R$ 1,8 milhão em escritório de Salles

A principal suspeita envolve uma operação no mercado financeiro que teria sido realizada pelo escritório do ministro, "destoando do perfil histórico de operações"

Agência Brasil

Jornal GGN – O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ) revelou que o escritório de advocacia do ministro Ricardo Salles realizou uma operação financeira suspeita de R$ 1,799 milhão, após ele ter assumido o ministério do Meio Ambiente.

O relatório sigiloso, obtido pelo jornal O Globo, aponta que a transação teria ocorrido entre outubro de 2019 e abril de 2020. A principal suspeita envolve uma operação no mercado financeiro que teria sido realizada pelo escritório do ministro, “destoando do perfil histórico de operações”. Segundo o órgão, “chamou a atenção o volume expressivo movimentado”.  

O Coaf ainda afirmou que o escritório de Salles realizou “movimentação de recursos incompatível com o patrimônio”, já que a empresa tem faturamento médio anual de R$ 350 mil.

A defesa de Salles se manifestou afirmando que não há irregularidades e que os clientes do escritório do ministro não têm relação com suas atividades políticas.

O Coaf enviou os indícios das movimentações financeiras suspeitas à Polícia Federal, que serviram de base para a Operação Akuanduba, deflagrada na semana passada com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) e que cumpriu busca e apreensão nos endereços de Salles.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome