E quando eu fosse sozinho/Pra sempre no meu desejo, por Romério Rômulo

Te entrego o que não caibo / As reticências travadas

Lucian Freud

E quando eu fosse sozinho/Pra sempre no meu desejo

por Romério Rômulo

1.
Te entrego as minhas janelas
O meu corpo sem perícia
O meu mundo de intempéries
A minha alma fenícia
A arte do meu esboço
Minha estrada d’além mar

Te entrego o que não caibo
As reticências travadas
O olho que sobra sempre
A resistência do saibro
Do momento mais injusto
Quando a vida me apavora.
2.
E quando eu fosse sozinho
Pra sempre, no meu desejo
Eu pegaria a estrada
De cada dia, o harpejo
Onde cabe o meu amor
Destravado e sem sentido.

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome