Home Editoria Cidadania Militares deram golpe no Ministério da Saúde, por Ricardo Mezavila

Militares deram golpe no Ministério da Saúde, por Ricardo Mezavila

Militares deram golpe no Ministério da Saúde, por Ricardo Mezavila

Militares deram golpe no Ministério da Saúde

por Ricardo Mezavila

 A nomeação do general Eduardo Pazuello para o Ministério da Saúde, teria sido para afastar indicados políticos que ocupam cargos estratégicos na liberação de verbas.

A CPI está revelando que os militares deram um golpe no Ministério da Saúde para ocuparem esses cargos.

O depoimento do ex-diretor Roberto Dias à CPI, mesmo com todas as mentiras, deixou claro que há uma disputa por espaço entre militares e políticos.

Embora a competência do ministério seja a saúde, principalmente em plena pandemia que ceifou mais de 530 mil vidas, o interesse desses grupos é a corrupção.

A saúde nunca foi prioridade no governo Bolsonaro, as negociações na compra das vacinas são obscuras, sem transparência, com documentos falsificados e com pessoal estranho não credenciado.

É surreal e criminoso, que milhões de vacinas que custam bilhões de reais, sejam tratadas entre um reverendo, um cabo PM, um coronel do exército e mascates, pistoleiros da saúde, reunidos em um bar.

É óbvio que fazem parte de ladroagem do dinheiro público que, desde que Bolsonaro assumiu, vem sendo disputado entre políticos influentes e militares nomeados para cargos no governo.

O presidente da CPI, Omar Aziz, deu voz de prisão ao servidor Roberto Dias, que tem a proteção do deputado federal Ricardo Barros, que parece ter ascensão sobre Bolsonaro, que articula a militarização do governo em detrimento do Congresso.

Bolsonaro quer se livrar da pressão do poder do Congresso que pode afastá-lo por prevaricação.

O presidente está acuado pelos graves escândalos de corrupção e não tem outra saída que não tentar um golpe.

O povo nas ruas em seguidas manifestações, é a única força capaz de ‘estourar’ o cativeiro e resgatar o estado democrático e de direito.

Ricardo Mezavila, cientista político

Este artigo não expressa necessariamente a opinião do Jornal GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Sair da versão mobile