Se entrego à tua mão meu atropelo, por Romério Rômulo

Teu rosto traduzido em Caravaggio. Tua mão como um segredo de Picasso.

Picasso - fragmento

Se entrego à tua mão meu atropelo

por Romério Rômulo

1.
Vi tua mão brilhante e adormecida
Arcar sob o mundo, um calabouço
A me quebrar, eu todo carne e osso
Como se quebra a carne dividida.
2.
Teu olho a dizer do meu presságio
Tua estrada a mostrar tudo que faço
Teu rosto traduzido em Caravaggio
Tua mão como um segredo de Picasso.
3.
Se deixo à tua mão meu atropelo
E rasgo a carne doce como nada
Eu tenho a tua mão como uma estrada:

A minha vida é fio e é novelo.

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome