Um grande CD de sambas, por Aquiles Rique Reis

Esta semana vamos de Samba é Amor (lançado pelo selo Lobo Music, da produtora Kuarup), o quarto álbum de Marcelo Kamargo, mineiro de Coronel Fabriciano-MG

Um grande CD de sambas

por Aquiles Rique Reis

Ao ouvir CDs que recebo com frequência – físicos em maioria –, sinto não poder comentá-los todos – há que selecioná-los.

Esta semana vamos de Samba é Amor (lançado pelo selo Lobo Music, da produtora Kuarup), o quarto álbum de Marcelo Kamargo, mineiro de Coronel Fabriciano-MG, parceiro de Ricardo Gomes Kamargo em duas músicas. Gomes é também arranjador das onze faixas do álbum, com eles realçando as qualidades de um bom samba.

“Samba é Amor” (Ricardo Gomes e Marcelo Kamargo) tem sabor de samba-de-quadra, dá título ao álbum e abre o CD. Com levada rítmica balançada, a intro tem violão de sete (Gustavo Monteiro) e acordeom (Duduzinho Aguiar). Logo vem Marcelo Kamargo. Seguro de si, valendo-se de uma boa voz, ele simplesmente canta – não precisa de rodeios, vai tão firme quanto delicadamente às notas. A harmonia é virtuosa, e a linha melódica é digna de costurar a emoção. Belo começo.

A seguir, “Natural é o Amor” (Marcelo Kamargo) sacode o esqueleto de qualquer amante do samba que se preze. Em ritmo acelerado, a percussão (Diego Panda) se une ao cavaquinho (Fernando Bento) e ao sete cordas (Gustavo Monteiro), para dar ao samba o que ele tem de mais precioso: melodia em tom menor, inspirada em mestres de tempos imemoriais, e em sentimentos que nos levam à emoção. Junto com um coro misto (Ana Espi, Luisa Espi, Sofia Espi, Ricardo Gomes e Marcelo Kamargo), o repertório só faz crescer.

“Não Há Mal Que o Samba Não Cure” (Marcelo Kamargo) tem a magia do samba tocada pelo cavaquinho (Fernando Bento), pelo sete cordas (Gustavo Monteiro) e pelo violão com cordas de náilon (Ricardo Gomes). Mais uma vez, a presença do coro exalta os vocalistas e também o som de instrumentistas de alta classe.

Ler os nomes que inspiraram Kamargo foi suficiente para atestar que um trabalho como esse não tem como não ser singular. Ouvir o álbum, iniciado pelos três sambas aqui citados, foi o que me bastou para decidir comentar Samba é Amor.

Conhecendo a magnitude dos inspiradores citados por MK – Nelson Cavaquinho, Cartola, João Nogueira, Adoniran Barbosa, Tom, Chico Buarque e Pixinguinha, dentre outros –, sente-se que ali está traçado o caminho para que talentos como Marcelo Kamargo se multipliquem e se aperfeiçoem.

Ora, também com tantos espelhos a refletir sabedorias, um bamba como MK deita e rola. Não só ele como os que trabalham dia a dia para fazer da música popular ofício.

Compondo canções que revelam mestres de ontem, de hoje e do futuro à alma dos brasileiros, cada vez mais solidificarão e manterão a nossa música como a melhor do mundo.

Assim, ó: numa boa, ouçam Marcelo Kamargo! Se puderem, comprem o CD, se não puderem, busquem o disco na internet.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

Ficha técnica:

violeiro Chico Lobo: curadoria;

fotografia, produção e arranjos, além de baixo, teclado e violão de náilon: Ricardo Gomes;

mixagem e masterização: Alessandro Tavares/arte Nova Estúdio;

projeto gráfico: Rosana de Alencar Ribeiro;

arte final: Kuarup produções.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome