Vacinas devem ser novo tópico na briga entre China e EUA

País asiático tem sido principal exportador de imunizantes para o mundo, mas disputa deve avançar após Biden atingir meta de vacinação

Agência Brasil

Jornal GGN – O avanço da vacinação da população norte-americana levou o governo de Joe Biden a tomar duas decisões: desobrigar o uso de máscara por quem já tomou as duas doses da vacina contra covid-19, e o aumento da participação na chamada “diplomacia da vacina”.

Atualmente, a China é a principal fornecedora global de imunizantes contra o vírus: dados da consultoria Airfinity indicam que o país exportou mais de 240 milhões de doses de vacinas até 11 de maio, sendo 94,4 milhões para países da América do Sul e América Central. No mesmo período, o total exportado pelos Estados Unidos para a região foi zero.

Além das vendas, a China doou imunizantes para vários países: dentre as mais de 587,5 milhões de doses produzidas pelo país até 11 de maio, 345 milhões foram usadas para vacinação nacional, e o restante distribuído ao redor do mundo. Já os Estados Unidos, que produziram 329,6 milhões de imunizantes o mesmo período de pesquisa, priorizaram por completo o mercado doméstico, e concederam um empréstimo de 4,3 milhões de doses da Oxford-AstraZeneca para México e Canadá.

Segundo o jornal O Globo, as vacinas podem se tornar um ponto de guerra comercial após Biden anunciar que o país está em condições de “compartilhar vacinas e conhecimento com outros países que realmente precisam”, ao mesmo tempo em que apoiou a proposta de quebra de patentes de vacinas no âmbito da Organização Mundial de Comércio (OMC).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome