Cruzada do século XXI: religiosos da Casa Branca na agenda de presidentes da América Latina

O governo de Donald Trump nos Estados Unidos provocou um aumento do poder político evangélico pela América Latina, uma estratégia transnacional

Foto: Reuters

Jornal GGN – O governo de Donald Trump nos Estados Unidos provocou um aumento do poder político evangélico pela América Latina, uma estratégia transnacional incentivada diretamente pelo mandatário estadunidense, que viu ganhar efeito em países como a Nicarágua de Daniel Ortega, Guatemala de Jimmy Morales, Honduras de Juan Orlando Hernández e o Brasil de Jair Bolsonaro.

As atividades de líderes e organizações religiosos ligados à Casa Branca foram investigados por jornalistas de 16 veículos latino-americanos, entre eles a Agência Pública do Brasil. A apuração explicita uma verdadeira cruzada do século XXI por estas entidades que atuam diretamente na legislação e políticas públicas dos mais altos círculos da América Latina, interferindo em pautas que vão desde a saúde sexual e os direitos da população LGBT.

Reportagem publicada pela Univision, dentro da série “Transnacionais da Fé” revela detalhes de como a agenda fundamentalista foi disseminada por líderes evangélicos apoiados por Donald Trump. Entre estas articulações, a reportagem mostrou o apoio dado por Michele Bachmann, ex-congressista dos EUA e membro do Escritório de Fé e Oportunidade da Casa Branca (OFCB), a Bolsonaro, ainda em período pré-eleitoral.

Em agosto do ano passado, ela gravou um vídeo pedindo aos brasileiros para votar em um candidato que estivesse disposto a transferir a embaixada do Brasil para Jerusalém. Ela esteve na celebração dos 70 anos da criação do estado de Israel em uma igreja de Belo Horizonte, no qual também participou o filho do mandatário brasileiro, Eduardo Bolsonaro. O evento foi financiado pela ex-tesoureira da campanha de Bolsonaro. A matéria traz ainda outros encontros estratégicos no período de campanha eleitoral no Brasil com lideranças religiosas da Casa Branca.

Leia a primeira parte do especial aqui: Agenda evangélica fundamentalista de Trump foi estratégia transnacional na América Latina

E, abaixo, a parte 2:

Líderes evangélicos blindados pela Casa Branca exportam agenda fundamentalista para a América Latina

Por Giannina Segnini e Mónica Cordero

Do Especial Transnacionais da Fé

Expansão explosiva na América Latina

Em maio de 2017, três meses depois de assumir o cargo de pastor dos estudos bíblicos da Casa Branca, Drollinger [Ralph Kim Drollinger, fundador dos estudos bíblicos no Congresso hondurenho] nomeou Oscar Zamorado Peru, como diretor dos Ministérios do Capitólio para a América Latina e criou uma versão em espanhol de seus estudos bíblicos em seu site.

Desde então, os Ministérios do Capitólio abriram ministérios em oito países da região: México, Honduras, Brasil, Peru, Uruguai, Equador, Paraguai e Costa Rica e anunciaram a abertura do Panamá em outubro. O próprio Drollinger viajou para alguns desses países para inaugurar oficialmente sua operação e se reunir com líderes políticos locais. (Leia as notas que os aliados no MéxicoBrasilHondurasCosta Rica e Paraguai escreveram sobre o trabalho que os Ministérios do Capitólio desenvolvem em cada país).

We are so excited for our Capitol Ministries team in Latin America! We praise God for this new ministry launch serving Members of the bicameral National Congress of the nation of Mexico.

Publicado por Capitol Ministries em Domingo, 14 de outubro de 2018

Seu anúncio de expansão mais recente é, sem dúvida, o mais incomum. Em 18 de julho, Drollinger viajou para a Nicarágua depois de ser pessoalmente convidado pelo presidente Daniel Ortega e sua esposa, vice-presidente Rosario Murillo, a estabelecer um ministério em seu governo em Manágua. O casal presidencial também convidou Drollinger para dividir o palco com eles na comemoração do 40º aniversário da Revolução Sandinista.

Em um comunicado de imprensa, os Ministérios de Capitólio explicaram que foi Ortega quem enviou uma carta a Drollinger convidando-o a abrir um ministério em seu governo. Na carta publicada por CM, Ortega afirmou: “Sabemos que se as pessoas a quem Deus confiou o destino de uma nação nascerem de novo, nossos deputados irão legislar de acordo com a Bíblia”.

Enquanto Ortega professava sua fé, um relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos concluiu que “a ação repressiva do Estado na Nicarágua” havia deixado “até junho de 2018, pelo menos 212 pessoas mortas, 1.337 pessoas feridas e 507 pessoas privadas de liberdade”. Em agosto daquele ano, a contagem da CIDH já estava em 322 mortos, a maioria jovens protestando contra abusos e corrupção do governo. Ortega criticou fortemente a Comissão por este relatório, mas reconheceu que pessoas morreram em protestos.

Apesar desse registro de violações dos direitos humanos, Drollinger aceitou o convite de Ortega com entusiasmo, sem mencionar a crise dos direitos humanos. No ato da comemoração da revolução sandinista, ele disse: “Queremos agradecer ao presidente e ao vice-presidente por esta oportunidade que nos abre para ver a possibilidade de também semear a palavra de Deus aqui e começar a semear este ministério do Capitólio no meio da comunidade de políticos”. Ele fechou lembrando aos presentes sua proximidade com o governo dos EUA: “Em nome dos estudantes de estudos bíblicos da Casa Branca, em nome dos estudantes da Bíblia no Senado dos Estados Unidos, em nome dos Representantes da Câmara dos Deputados que estudam a Bíblia, trazemos a você nossa paz e nossa bênção.”

Usando o nome da Casa Branca em suas intervenções públicas, os Ministérios do Capitólio também expandiram o nível de sua influência política. MC está presente em sete parlamentos latino-americanos e, em março deste ano, abriu seu primeiro ministério dentro de um gabinete presidencial em Honduras. A organização anunciou que também terá um ministério no gabinete presidencial em Manágua.

Leia também:  O que o Brasil não faz em Washington, por Andre Motta Araujo

O Congresso hondurenho inaugurou seu ministério desde novembro passado, em um ato com o presidente Hernández e sua esposa. Durante a cerimônia, Oscar Zamora, diretor latino-americano da CM, lembrou a origem da iniciativa. “O Presidente Hernández ficou tão impressionado com a consistência entre as crenças e os princípios bíblicos dos estudos dos Ministérios do Capitólio – na Casa Branca – que pediu para ter um estudo idêntico para o seu gabinete (que foi inaugurado em março). Como eu sempre digo, isso é feito apenas através de Deus! Louvado seja o Senhor, que continua a abrir portas para os Ministérios do Capitólio na América Latina! ”Ele disse.

Honduras é o segundo país da América Central que expulsa mais migrantes para os Estados Unidos e estima-se que 41% de sua população acredita no cristianismo evangélico (a taxa mais alta da região, juntamente com a Guatemala). O Presidente Hernández deu boas-vindas ao ministério de Drollinger, apesar do pastor americano afirmar que “Deus desaprova os imigrantes ilegais”, que os imigrantes ilegais “merecem ser presos e enfrentam todo o peso da lei” e são excluídos das escolas públicas dos Estados Unidos.

O CJI e a contracorrente independente da mídia hondurenha entrevistaram o pastor Miguel Muñoz , escolhido por Zamora para liderar o ministério em Honduras. Questionado sobre como ele reconciliou o sofrimento de seus companheiros migrantes com as crenças da organização que representa o pastor, ele respondeu: “Ainda não é a minha vez de chegar a esse estudo, porque vamos por semanas e eu ainda não o li”.

Diplomacia sionista

Enquanto os Ministérios do Capitólio expandiam seus ministérios nos parlamentos latino-americanos, os membros do Gabinete de Fé da Casa Branca trabalhavam ativamente para alinhar os políticos da região com a agenda de Trump e com o Primeiro Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para o Oriente Médio.

Bramnick e outros membros da OFCB começaram sua turnê na América Latina com uma visita à Guatemala em janeiro de 2018. A missão era homenagear e recompensar o presidente daquele país, Jimmy Morales, por ter anunciado um mês antes sua decisão de mudar o Embaixada do seu país em Jerusalém.

A Coalizão Latina por Israel (LCI), cujo fundador é Bramnick, transferiu 23 de seus membros executivos para a Guatemala. “Naquela noite, pude ver como, nos Estados Unidos, o Senhor está usando a igreja em um papel muito importante”, lembrou. O pastor estava se referindo ao “testemunho” que ouviu em primeira mão sobre como o presidente Morales tomou a decisão, no último minuto, de mudar a sede diplomática após uma conversa por telefone com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em dezembro.

Segundo Bramnick, Morales havia coordenado uma ligação com Netanyahu e pediu a um pastor local para servir como tradutor de inglês. O presidente, explicou, havia decidido antecipadamente rejeitar o pedido de Netanyahu de mudar a sede e, portanto, ele o comunicou a toda a equipe do governo que estava na sala.

“A ligação vem e é cortada, vem e é cortada”, disse Bramnick e enquanto esperavam, o pastor leu algumas citações bíblicas com ele e disse ao presidente: “Se Deus o colocou neste escritório, é para mudar a história da Guatemala. ” No final da ligação, segundo Bramnick, Morales mudou de idéia e decidiu mudar a embaixada e se tornar o segundo país a fazê-lo, depois dos Estados Unidos. Ambos os locais se mudaram para Jerusalém em maio de 2018, com dois dias de intervalo.

Publicado por Mario Bramnick em Segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

 

Apenas um ano após a homenagem dos líderes evangélicos, Jimmy Morales encerrou o acordo da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala (CICIG) das Nações Unidas, criado por um acordo da ONU e do governo daquele país. em 2006, originalmente para desvendar forças ilegais de segurança e dispositivos criminais que cometem crimes e afetam os direitos humanos. O mandato da CICIG, que interrompeu várias estruturas criminosas ligadas às mais altas esferas de poder, foi prorrogado várias vezes, a última a pedido do próprio Morales, em setembro de 2017.

Mas em janeiro deste ano, o presidente guatemalteco havia mudado de idéia. Ele deu 24 horas aos funcionários da Comissão que ainda estavam no país para deixar o território.

Desde agosto, Morales declarou o comissário colombiano Iván Velásquez uma pessoa que não é da classe, que ainda dirige a CICIG do exterior e prepara seu fechamento final em setembro. Morales anunciou a medida na televisão e cercado pelos militares, enquanto jipes militares acompanham as instalações da CICIG na cidade.

A CICIG havia investigado o Presidente Morales em busca de financiamento eleitoral ilegal. Ele também abriu investigações contra seu filho e seu irmão, acusados de terem enganado o Estado ao criar e remunerar funcionários fantasmas no Registro Geral de Propriedades.

Em agosto de 2017, o Promotor da Guatemala e a CICIG encerraram sua primeira investigação contra o Presidente Morales e seu partido por alegado financiamento ilegal de campanhas. Os promotores estimaram que Morales e seu partido político falharam em declarar 15 milhões de QQ – cerca de US $ 2 milhões – em contribuições para sua campanha política.

Em 25 de agosto, os promotores e a CICIG apresentaram ao Congresso guatemalteco o primeiro de vários preconceitos contra Morales e solicitaram que sua imunidade fosse removida para continuar as investigações criminais contra o presidente, a fim de forçá-lo a aparecer e continuar investigando seu envolvimento nos supostos crimes. Os casos foram arquivados em outubro do ano passado, depois que o Congresso votou três vezes a favor de manter intacta a imunidade de Morales. Em relação às acusações, o Presidente Morales respondeu com uma frase que também era seu slogan de campanha: “nem corrupto, nem ladrão”.

Leia também:  Michael Bloomberg e o teste da democracia, por Mathias Alencastro

O governo Barack Obama, e todos os presidentes anteriores, apoiaram incondicionalmente a CICIG e a defenderam em tempos de ataques. O governo Trump começou garantindo total apoio, mas gradualmente adotou um perfil mais baixo e um discurso alinhado ao de Morales, para apoiar um CICIG ” reformado ” .

Em julho de 2018, a cadeia de jornais Maclatchy publicou uma matéria na qual citou uma fonte americana “com conhecimento direto das conversas” sobre o CICIG em Washington DC. “A única razão pela qual os Estados Unidos fazem isso [deixa de apoiar o trabalho da CICIG] é porque está feliz que a Guatemala tenha transferido sua embaixada para Jerusalém. Só porque o Presidente [Morales] está chateado que a CICIG investiga alguns de seus parentes toma a decisão [de transferir a embaixada para Jerusalém] para se destacar diante do governo Trump e depois diz a Trump: ‘Me ajude com a CICIG ‘”

A publicação não foi negada ou confirmada pela Casa Branca e pelo Departamento de Estado dos EUA.

O CJI, o CLIP e os aliados jornalísticos Nómada e Plaza Pública na Guatemala entrevistaram duas fontes com acesso ao governo da Guatemala que concordam com a fonte citada pelo jornal americano. Segundo eles, o Presidente Morales viu a oportunidade perfeita de obter apoio dos americanos e tirar o CICIG da Guatemala, em troca da transferência da embaixada.

Após a viagem à Guatemala, cinco líderes da OFCB se reuniram com o presidente de Honduras durante sua visita a Washington em junho de 2018. Nessa reunião, Bramnick explicou: “perguntamos ao presidente como poderíamos ajudar a orientar sua decisão – sobre o embaixada – e o encontramos duas vezes mais nos meses seguintes. ”

Além de Bramnick, outro líder do Escritório da Fé desempenhou um papel de liderança em reuniões com políticos na América Latina. Michele Bachmann, ex-congressista dos EUA e fundadora da Camarilla do Tea Party na Câmara dos Deputados, é uma das mais ativas da OFCB e uma das duas únicas mulheres que fazem parte do grupo masculino.

É também o mais conectado. Ele é membro do conselho de administração dos Ministérios do Capitólio e dirige pessoalmente um ministério na Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, de onde ele evangeliza líderes mundiais e promove uma visão de Israel de acordo com o Antigo Testamento.

Em agosto do ano passado, dois meses antes da eleição no Brasil, o ex-candidato à presidência dos Estados Unidos gravou um vídeo pedindo aos brasileiros que votassem em um candidato que está disposto a transferir a embaixada do Brasil para Jerusalém. Bolsonaro prometeu mudar a sede diplomática durante sua campanha eleitoral. Bachmann não mencionou o nome de Bolsonaro e se identificou como ex-congressista e ex-candidato à presidência nos Estados Unidos.

“Por 3.500 anos, Deus designou Jerusalém como a capital de Israel, é um fato (…) Queremos que o Brasil seja abençoado, queremos que ele prospere, por isso não deixe de votar em um candidato que mude a embaixada do Brasil para Jerusalém” disse Bachmann.

Dias antes, Bachmann e Mario Bramnick haviam participado da celebração dos 70 anos da criação do estado de Israel, em uma mega igreja em Belo Horizonte, Brasil, onde Bramnick disse que o próximo presidente brasileiro mudaria a embaixada do país para Jerusalém, para não mencionar o nome de Bolsonaro. O evento, onde o filho do presidente Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, esteve presente, tornou-se um ato de apoio ao então candidato à presidência, conforme relatado pelo aliado jornalístico no Brasil, Agência Publica (Veja nota publicada pela Agência Publica) A legislação brasileira proíbe os religiosos de fazer propaganda eleitoral e também proíbe os estrangeiros de se intrometerem em questões eleitorais. Bramnick e Bachmann não mencionaram explicitamente o nome de Bolsonaro durante suas intervenções públicas.

Segundo Jane Silva, organizadora da festa, para a Agência Publica, a ex-tesoureira da campanha Bolsonaro ajudou a pagar a festa. A igreja que celebrou o culto é a mesma à qual pertence o ministro brasileiro dos Direitos Humanos e da Mulher, Damares Alves, que afirmou que as mulheres devem usar roupas cor de rosa e homens azuis.

Bramnick voltou ao Brasil em dezembro, junto com outra delegação do Escritório de Fé da Casa Branca. Lá, ele também se encontrou novamente com Eduardo Bolsonaro, filho do presidente e congressista e anunciado como o próximo embaixador brasileiro em Washington. “Eduardo Bolsonaro me convidou para trazer uma delegação menor para o Rio de Janeiro para falar com o pai, presidente Bolsonaro, sobre a questão da mudança da embaixada”, lembrou o pastor, que também participou da posse do presidente Brasileira

No final de março passado, o presidente Bolsonaro anunciou que transferirá um escritório de negócios para Jerusalém, em vez da sede diplomática, como havia prometido na campanha. “Ele ainda está aberto a mudar a embaixada, obviamente que a decisão não foi fácil”, disse Bramnick.

Eduardo Bolsonaro também prometeu à Pastor Jane Silva que o governo de seu pai mudaria a embaixada para Jerusalém. Em uma reunião em novembro de 2018, Silva disse que discutiu o assunto com Jared Kushner e disse à imprensa que o genro de Trump ajudaria a planejar a mudança da embaixada.

Leia também:  Bolsonaro é fascista e está buscando "conflito armado", diz Nicolás Maduro

O presidente Bolsonaro, que convocou recentemente as forças armadas para comemorar o aniversário do início da ditadura militar que governou o país por 21 anos, não respondeu às perguntas que a CJI lhe enviou em 31 de julho passado sobre este artigo.

As abordagens dos líderes do Escritório da Fé são cada vez mais estratégicas. Em maio passado, Bramnick se reuniu com o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, antes de assumir o poder (veja a nota publicada por El Faro). “Na semana de 22 de julho, voltaremos a El Salvador para nos encontrarmos novamente com o presidente Bukele e iniciarmos uma reunião de pastores da nação. Dali, viajaremos para Honduras para homenagear o presidente Hernández por sua decisão de mudar o escritório diplomático” , disse o pastor, que também incluiu a Costa Rica na turnê.

Questionado sobre como ele tem acesso a tantos líderes mundiais, o líder religioso explicou que isso depende do país. “Se ele não é alguém do governo, ele é um pastor com relacionamentos ou um congressista, ou o conselheiro de um congressista.”

Quanto ao discurso que eles apresentam aos líderes, Bramnick explicou que também depende do líder. “Se eles são cristãos e entendem o reino espiritual, conversamos com eles de uma maneira e, se não, conversamos com eles sobre um dos pontos mais importantes para nós. Agora existe um projeto, de Israel e Estados Unidos e países árabes, para ajudar os palestinos financeiramente, trazendo dinheiro e negócios, mas fora da Autoridade Palestina, que é corrupta. ”

O pastor se refere ao plano de Paz e Prosperidade promovido pelo conselheiro presidencial e genro de Trump, Jared Kushner, no Oriente Médio e apresentado no Bahrein em 25 de junho. A proposta, que Trump chamou de “os negócios do século”, evita mencionar a criação de um estado palestino e concentra-se em arrecadar US $ 50 bilhões para projetos de desenvolvimento em Gaza.

Bramnick explicou que os líderes religiosos também se reúnem com empresários e investidores para promover o projeto Kushner. “Apresentamos o que está acontecendo agora aos presidentes e dizemos a eles que não está apenas abençoando Israel e os judeus, como diz a Bíblia, mas também os árabes e os filhos de Israel com os projetos que já estão sendo trabalhados agora. ”

Essa investigação colaborativa revelou que os líderes do Escritório de Fé da Casa Branca não viajam apenas em grupos para influenciar os presidentes da América Latina. Ele também descobriu que entre dezembro de 2017 e o final de 2018, várias delegações de seus membros tiveram acesso a líderes mundiais próximos ao governo Trump, como o príncipe da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, a quem eles visitaram.um mês após o assassinato do jornalista Jamal Ahmad Khashoggi para falar sobre liberdade religiosa. Em 19 de junho, as Nações Unidas publicaram um relatório do Relator Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, que concluíram que há evidências fortes e merecedoras de investigações adicionais contra funcionários de alto escalão sem acusações criminais atuais, especialmente Saud Qahtani e o príncipe Mohamed bin Salman. Nenhuma conclusão foi alcançada sobre sua culpa.

Eles também discutiram assuntos relacionados ao Oriente Médio com o príncipe de Abu Dhabi , Mohammed bin Zayed Al Nahyan e com o rei da Jordânia , Abdullah II.

O primeiro ministro Netanyahu, também investigado por corrupção, é sem dúvida o mais grato ao trabalho dos evangélicos, com quem ele se reúne frequentemente para coordenar “quais países evangélicos” influenciar para apoiar a expansão do estado de Israel em Jerusalém, segundo Os mesmos conselheiros do Gabinete da Fé da Casa Branca contam .

Em março passado, segundo o jornal israelense Haaretz, Netanyahu disse a um de seus assessores: “Não precisamos mais da AIPAC” – Comitê de Relações Públicas Israelense-Americano – “Nos Estados Unidos, temos apoio suficiente dos evangélicos”. A AIPAC é uma organização poderosa que investe milhões de dólares em lobby para Israel nos Estados Unidos.

Trump, Netanyahu, Bolsonaro e presidentes da América Latina negociando apoio eleitoral e político com grupos cristãos fazem parte de uma tendência global de interferir com a religião nos assuntos públicos.

A estratégia não é nova, mas a versão documentada por essa colaboração jornalística traz para as redes transfronteiriças que, ao defender a moral cristã, optam por se aliar publicamente com governos nos quais pesam sérias questões morais.

 

Créditos: este relatório faz parte do projeto Transnationals of the Faith, uma colaboração de 16 mídias latino-americanas, sob a liderança de Columbia Journalism Investigations da Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia (Estados Unidos) e os seguintes parceiros latino-americanos são: Public Agency (Brasil); El País (Uruguai); CIPER (Chile); O fornecedor (Paraguai); A República (Peru); Armando.info (Venezuela); El Tiempo (Colômbia); La Voz de Guanacaste e Semanario Universidad (Costa Rica); El Faro (El Salvador); Nômade e Praça Pública (Guatemala); Contracorrente (Honduras); Mexicanos contra a corrupção e a impunidade (México); o Centro Latino-Americano de Pesquisa Jornalística (CLIP); e Univision Investiga e Univision Digital (Estados Unidos).

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Fundamentalismo sempre coincide com os movimentos das milícias…
    estudem como a lava jato rejeitou, e ainda rejeita, fortemente as relações de poder existentes no Brasil e, talvez, descubram de onde vem tanta coincidência

    dediquem muita atenção às fúrias religiosas

    e procurem não odiar ninguém só porque muitos odeiam ( a essência do uso da mídia )

  2. Acho que o povo brasileiro e, principalmente, àqueles cristãos que acreditam que o que Cristo falou e recomendou que nos amássemos uns aos outros como a si mesmos; que o Reino de Deus é dos pobres, dos humildes e dos injustiçados;etc, tudo é verdade e que, todo mal, todo ódio, todo preconceito, toda injustiça não vêm de Deus e, no momento certo, sentirão o peso de Seu braço direito e de Sua justiça, vamos aguardar.
    Uma coisa é certa, em nosso país, essa orientação estrangeira, antes de tudo, não se criará porque se assim for, será um ataque à CF e especialmente, ao ART. 3° da CF, que dispõe sobre Os Objetivos Fundamentais da Nação Brasileira, que cabe ao Congresso Brasileiro e os Poderes Legislativos do Brasil, fiscalizar sua efetivação para o bem de todos, lembrem-se, disso, mesmo que poucos cidadãos, se preocupem com isso.
    É mais grave ainda, porque, é o Congresso Nacional e os Poderes Legislativos que representam o povo e o Estado brasileiro e, que aprovam essas estratégias e Políticas Públicas e, por serem também seu fiscal constitucional, são tão culpados por permitirem isso, quanto quem os executam.
    Essas verdades constitucionais, os cidadãos têm que conhecerem e saberem, para que, na hora de responsabilizarem os criminosos dos interesses públicos, do povo e do Estado, não esquecerem de incluirem o CN e os poderes legislativos coniventes.
    São esses atos que nos mostram as obras do anticristo, obras essas, de pleno conhecimento dos religiosos que concorrem para que elas se realizem.
    Vejam: “Como identificarmos o anticristo, nos dias atuais, é o que nos mostra São João, em sua profecia de advertência aos cristãos primitivos:
    “Filhinhos, esta é a última hora; e, assim como vocês ouviram que o anticristo está vindo, já agora muitos anticristos têm surgido. Por isso sabemos que esta é a última hora.
    Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos.”(1 João 2, 18-19 ).
    Usem o raciocínio lógico e entenderão tudo isso.
    Sebastião Farias
    Um brasileiro nordestinamazônida

  3. “Omnia quae visibiliter fiunt in hoc mundo, possunt fieri per daemones”
    — Santo Agostinho

    Em tempo: Evo Morales pediu ajuda ao Papa, denunciando os assassinatos dos índios. O Papa ficou calado. E continua calado. Mas no dia de Natal promoveu no Vaticano um programa musical em defesa da Amazônia!
    Imaginem muitos cardeais de pé, batendo as mãos no ritmo de All night long cantada por Lionel Rich em pessoa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome