A porrada cívica de Boechat em Malafaia

Fernando Molica, pelo Facebook
1 h · 

 

Sobre o caso Boechat x Malafaia, fiz o comentário abaixo num post do camarada Raphael Vidal, que criticou o desabafo padrão MMA do jornalista.

Caro, compreendo sua posição. Eu creio que jamais mandaria alguém procurar uma rola, ainda mais no ar. Mas também entendo o que meu querido amigo Ricardo Boechat fez. Nos últimos dias tenho insisto num ponto: o maior problema não está nos Malafaias e Macedos, mas nas pessoas – políticos, principalmente – que os legitimam. De olho no eleitorado evangélico, muita gente boa se cala diante de constantes agressões a outras religiões, a homossexuais, à própria lógica da vida em sociedade. Vivemos um momento muito esquisito, quase fundamentalista, de culto a valores retrógrados, que desrespeitam a diversidade e a autonomia do ser humano. Não dá para, em pleno século 21, discutirmos se um adulto tem ou não o direito de cultuar orixás ou de ser ateu; se tem ou não o direito de fazer sexo do jeito que bem entender; se tem ou não o direito de constituir família com pessoa do mesmo sexo, ou com várias pessoas de muitos sexos. A rendição a valores que se apresentam como religiosos e cristãos tem feito mal à sociedade, à democracia. É constrangedor testemnhar políticos – inclusive políticos sérios – fingindo ser evangélicos ou católicos, é terrível ver alguns notórios meliantes posando de cristãos. Ontem, o o Boechat honrou suas raízes e, revoltado com o silêncio cumplice de tantos, virou um zagueiro argentino e partiu pra cima do adversário. Foi como a porrada que o Carlos Alberto deu, em 1970, no inglês Lee (sim, eu lembro); como o soco que o jogador do time da Gávea deu naquele chileno na final da LIbertadores, como no dia em que o Nilton Santos fez o Armando Marques quicar pela escada do vestiário do Maracanã. Foram lances que não honram o esporte, mas que fazem parte de um momento radical do jogo, que lavam a alma da torcida. Abração, até segunda.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

31 comentários

  1. De fato.
    Os imbecis perderam

    De fato.

    Os imbecis perderam a vergonha de serem imbecis, e é necessário fazer com que voltem a se envergonhar. A porrada do Boechat vai nesse sentido.

    Até por que o troglodita do Malafaia vai fazer o quê? Entrar na rinha, e desmascarar o discurso moralista, ou pedir civilidade, por tanto reconhecendo a necessidade de regras de convivência que se aplicam a todos e portanto não podem ser baseadas na revelação?

    A única outra alternativa que eu vejo é seguir o conselho do Boechat, arranjar uma espingarda e ir caçar rolinhas. Com a palavra, o IBAMA.

  2. Não gosto do Malafaia, só que

    Não gosto do Malafaia, só que também considero o Boechat um boçal. Os dois se merecem.

  3. Polêmica da “rola”

    Gente! Quanta polêmica por causa de rola, oras, o Ricardo Boechat, bem informado como é, apenas mencionou o animalzinho utilizado em sacrifícios a deus no Antigo Testamento, que era levado aos sacerdotes.
    O Boechat apenas mandou o Silas Malafaia procurar uma “rola” e oferecer sacrifício a deus, como no Antigo Testamento, prova disso é estes textos bíblicos:

    E ao oitavo dia trará duas rolas, ou dois pombinhos, ao sacerdote, à porta da tenda da congregação; Números 6:10
    E para darem a oferta segundo o disposto na lei do Senhor: Um par de rolas ou dois pombinhos. 
    Lucas 2:24
    Posto isso, espero contribuir para o fim da polêmica.
     

  4. Mas que ”porrada cívica ” é

    Mas que ”porrada cívica ” é essa falando palavrões numa emissora ao vivo?

      Se tivesse classe,falaria muito melhor e com elegância.

        Ou necessita de palavrões pra argumentar? 

          Esse tal de Boechat é tosco.

            TERIA QUE SER DEMITIDO IMEDIATAMENTE.

  5. Devido a frouxidão que os fascistas vão tomando conta!

    Caro Fernando Molica.

    Assim como o texto do teu camarada  Raphael Vidal, mais uma vez querem ir de luvas de pelica contra alguém que usa uma soqueira. Esta cordialidade nas respostas sem colocar os pontos nos is de forma delicada e politicamente correta não adianta para trogloditas e seus asseclas.

    Cristo ofereceu a outra face, mas quando viu os vendilhões dentro do tempo não teve nenhuma paciência e baixou o porrete. A Santa Indignação é o privilégio de todos que num espírito estoico e quase religioso aguentam uma, duas, cem vezes o discurso de tolerância, mas há um limite para isto, e este limite está quando a delicadeza da resposta se confunde com a covardia.

    Covardia, sim senhor, covardia é muitas vezes escondida atrás da polidez, e não venham me dizer que isto é machismo ou homofobia ou outras coisas do gênero, pois mulheres reagem assim como homossexuais, principalmente quando chega ao seu limite de tolerância.

    O Estado deveria proteger o cidadão pacífico, porém quando a covardia faz com que os não pacíficos começam a ocupar o domínio do Estado e agir contra os pacíficos, não há outra saída do que a Santa Indignação. Quando vemos fascistas, homofóbicos e truculentos em geral, que confundem a educação com o consentimento é chegada a hora de reagir. Pode ser dolorosa a reação, pois vai contra os princípios de muitos, porém deixar passar batido toda e qualquer provocação, e uma provocação que fortalece o provocador e com gestos finos e educados procurar demonstrar que eles estão errados, é o mesmo do que dialogar-se com um animal violento quando ele vem em sua direção com intenções de te ferir, neste momento o instinto de vida deve reagir, e se este instinto de vida disser que tens que reagir, deves reagir. Ou seja, os vendilhões do templo estão aí e não devemos neste momento oferecer a outra face.

  6. Fernando Molica

    “Nos últimos dias tenho insisto num ponto: o maior problema não está nos Malafaias e Macedos, mas nas pessoas – políticos, principalmente – que os legitimam. De olho no eleitorado evangélico, muita gente boa se cala diante de constantes agressões a outras religiões, a homossexuais, à própria lógica da vida em sociedade.”

    (Sempre é bom lembrar: até o STF mandou representantes para a inauguração do templo do Macedinho.)

    O breve comentário do Fernando Molica foi direto ao ponto.

    No mais: “Feliz é a nação cujo deus é o Senhor.”

  7. Rola para o Malafaia

    Alguém já havia escrito em algum lugar, não lembro onde, que todo este furor homofóbico do Malafaia e de varios deputados e senadores pastores soa muito estranho. Vocês já viram o jeitão do tal de Magno Malta quando começa a babar pelos cantos da boca sua ira contra gays, lesbicas e outros do gênero? É de se perguntar se em pleno seculo 21 ainda possa existir gente deste tipo. E como o Malta há também os Felicianos, os Euricos, e outros. Não é preciso ser doutor em Freude para se descobrir que todo este destempero do Malafaia contra homossexuais não passa de uma cortina de fumaça para esconder desejos reprimidos. O Boechat manifestou a opinião de muitos: o Malafia é um caso mal resolvido de opção sexual.

  8. Não sou especialista em
    Não sou especialista em teologia, mas tenho impressão que o vocábulo “rola” não é referido em nenhuma passagem da Bíblia. Vem daí que Boechat pode ter mandado Malafaia realizar um trabalho inútil. Evidente, portanto, a ironia. O jornalista dá a entender que o pastor é um inútil e recomenda que ele faça algo igualmente inútil: procurar rola na Bíblia.

    • Uma rola é uma pomba pequena.

      Na Bíblia há referências a pombas, veja no texto a seguir:

      “Por que representamos o Espírito Santo em forma de pomba? 

      A resposta está no Evangelho de Mateus, dentro da narração do batismo de Jesus, na qual se lê: “Depois que Jesus foi batizado, saiu logo da água. Eis que os céus se abriram e viu descer sobre ele, em forma de pomba, o Espírito de Deus” (3, 16). 

      Os Evangelhos de Marcos (1, 10) e Lucas (3, 21-22) narram o fato com palavras semelhantes. O de São João fala por meio de João Batista, como sinal de reconhecimento de quem era Jesus: “Vi o Espírito descer do céu em forma de uma pomba e repousar sobre ele” (1, 32)”.  

      Fonte: http://www.aleteia.org/pt/religiao/q-a/por-que-representamos-o-espirito-santo-em-forma-de-pomba-1537001 

      Portanto, o Boechat mandou o má-lacraia procurar uma rola, uma ave columbiforme, uma pomba, o “Espírito Santo”, para ver se o cara se consola, ou seja, mandou ele procurar um “consolo”…  se você me entende. O pessoal é que anda cheio de malícias na cabeça. 

  9. Ai de nós, portadores de
    Ai de nós, portadores de rola, que estamos na alça de mira do caçador. Olha a merda que você foi arranjar, ô Boechat.

  10. Termo inadequado!

    Hoje oque exite em grande quantidade sao os os negociantes ou mercadejantes do evangelho enganando a muitos mas o termo que foi usado na fala do Boechat na  minha opiniao foi inadequado, somente aumentando a tensao embora estes hoje haja muitos mercadejantes  hoje em grande quantidade em varias religioes.

    As palavras do apostolo Paulo adiante diz que mesmo naquela epoca ja haviam tais pessoas, portanto cabe cada um de nos prestarmos muita atencao e em caso de descumprimento da lei o governo agir e punir tais aproveitadores.

     

     Ao contrário de muitos, não negociamos a palavra de Deus visando a algum lucro; antes, em Cristo falamos diante de Deus com sinceridade, como homens enviados por Deus.

    I Cor 2 : 17 

  11. vendilhões

    Muitos anos atrás ser evangelico era o mesmo que dizer qie era uma pessoa correta ( o que não quer dizer que as demais pessoas ao o fossem) mas hoje com esses pastores vendilhões pedindo dinheiro, explorando o sofrimento dos humildes simplemenste denegriram a imagem do povo evangelico. Já é altura que dizer um Basta!!!

  12. Já passou da hora de

    Já passou da hora de enfrentar esses pastores picaretas e dizer claramente e sem medo o que eles são. Eles não têm tanto poder quanto se pensa.

    • Não se iluda. O verniz
      Não se iluda. O verniz progressista do Boechato é fininho fininho. Prega todo santo dia o ódio a política. Por exemplo: “Político corrupto é julgamento sumário e um teco na testa.” esse é Boechato. Não passa de um datena envernizado. Já me enganou, hj não mais…
      Um abraço!!!

  13. Encontrou e descabelou o tarugo

    Há quem diga que o Malafaia procurou mesmo a Rola, achou, gostou, sentou em cima e fez a maior estripulia, chupou, mordeu, riu pra danada, enfim, se sentiu salvo. Olhou pra rola e disse: “Vou te engolir”. Que Safadinho esse pastor, não? 

     

    O Pastor Malafaia prometeu entrar na vigésima nona vara contra Ricardo Boechat.

     

    Rapaz, pelo jeito o Malafaia encontrou a tal ROLA que o Boachat sugeriu e tudo indica que não é pequena não, pois até agora o “PASTOR” não apareceu mais nas redes sociais para falar do caso, deve tá muito ocupado com a DANADA, né não? kkkkk

  14. Em tempos de intolerância e

    Em tempos de intolerância e ódio saindo pelas ventas, eu nao aplaudo o destempero verbal do Boechat.

    Um comunicador social deve ter responsabilidade e maior zelo com as expressoes que utiliza.

    Boechat ajuda a disseminar mais intolerância e ódio ao verbalizar expressão chula, parecendo um adolescente irado falando para toda sociedade. 

    Lamentável. Tudo isto me faz sentir saudades do tempo em que se respirava ares mais civilizados.

  15. Me representa.

    Sentí exatamente isso: foi um basta, um desabafo, um grito contido. Os brasileiros estão inebriados com uma fumaça do fundamentalismo religioso, patrocinado por grandes interesses financeiros, e com suas bocas amordaçadas. Suas mãos amarradas, vendo a caravana de mentecaptos passar barulhenta, desrespeitosa, ofensiva, entorpecida pelo pior dos ópios. 

    Boechat deu o grito que os sensatos, em seu limite psicológico, dão ao agressor insistente. 

  16. Vamos ver até quando dura a

    Vamos ver até quando dura a lua de mel entre os petistas e Boechat. É questão de tempo, basta Boechat fazer qualquer tipo crítica ao imaculado governo petista que, imediatamente,  ele volta a ser um jornalista pigolento , rs

    Não esqueçam que Boechat foi demitido de O Globo por “vender” reportagem durante aaqueles imbróglios envolvendo Oportunity, Daniel Dantas, TIW, Tanure e mais uma penca de figurões…

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  17. Sócio indesejado

    Briga societária.

    Malafaia está espremido pela Opus Dei, Universal e RR Soares, que divide espaço com ele e Boechat na Band, a maior televisão pentecostal libanesa do mundo!

    Boechat é fiel. Pode dormir na paz do Senhor.

     

  18. Procuras têm que rolar…

    Os rosnados via TV protegem a ambos, pois se sabem longe um do outro o suficiente para não serem atingidos por aquelas chatas e  dolorosas porradas físicas. Como está, fica parecendo briga de comadre.

    Não nos esqueçamos que a  Band (o Boechat, junto) virou uma fera contra o prefeito Haddad quando este propôs modificar o IPTU da cidade de São Paulo de modo a que percentualmente os de cima pagassem mais do que os de baixo:

    http://emiltonx.blogspot.com.br/2013/11/o-aumento-do-iptu-de-sao-paulo-e.html

    Durante o último processo eleitoral o Boechat chegou ao ponto de sugerir o voto nulo, argumentando que a multa cobrada era insignificante.

    (TV é concessão pública, é bom lembrar disso de vez em quando).

    Ele sugere voto nulo, mas nunca o ouvi argumentar pelo voto facultativo, este, sim, a meu ver o único que é democrático.

    Boechat podia aproveitar essa onda e sugerir a Malafaia que ajude a procurar:

    – prisões para Perrella pai e/ou filho, e demais envolvidos no caso do helicóptero dos 453 quilos de coca;

    – esclarecimentos a respeito do avião (estava ilegal?) que matou o candidato a presidência;

    – Gilmar Mendes, Moro, etc. Assunto para vastas rolagens…

    – etc

    Enfim, Boechat, Malafaia e suas rolas estão nos mostrando que já é mais do que tempo de os governos pararem de jogar grana fora  pagando rios de dinheiro em propagandas nas TVs, que não “propagam” nada. E mais do que necessário, é  urgente  estilhaçar os monopólios televisivos que tanto mal causam ao país.

     

     

  19. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome