AGU diz ser contra fechamento de fronteira com Venezuela

Foto Jacobina Notícias

Jornal GGN – A Advocacia-Geral da União (AGU) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer contra novo pedido feito pelo governo de Roraima para fechar, temporariamente, a fronteira do Brasil com a Venezuela.

O governo de Roraima protocolou petição na manhã de ontem, após os casos de violência contra cidadãos venezuelanos ocorridos na cidade de Pacaraima, que fica na fronteira entre os dois países. Segundo o governo houveram casos contra brasileiros também.

No começo de agosto, a ministra Rosa Weber, relatora do caso, rejeitou um primeiro pedido de fechamento da fronteira, mas com nova petição deve analisar a questão novamente.

O pedido atual é mais complexo. Roraima pede, ao STF, que seja determinado ao governo federal a implementação de barreiras sanitárias para evitar epidemias de sarampo, malária e outras doenças, manutenção de hospitais de campanha do Exército e o envio para outros estados dos venezuelanos que atravessaram a fronteira em Roraima.

Segundo o AGU, o governo federal está empenhado em ajudar o governo de Roraima, e não há omissão na conduta da crise migratória. “O fechamento da fronteira é juridicamente impossível”, diz a AGU.

“Além do reforço nas equipes de saúde e segurança, conforme a União já demonstrou nas outras manifestações acostadas aos autos, o Poder Executivo Federal vem desenvolvendo atividades de ordenamento de fronteira, com controle e triagem de imigrantes, instalações de abrigos e posterior processo de interiorização. Como mencionado na notícia supratranscrita, os gastos chegam à ordem de R$ 200 milhões de reais, não havendo, nesse cenário, que se cogitar em omissão da União”, informou o parecer da AGU.

Após as violências ocorridas no final de semana, o governo federal enviou para Roraima mais 120 agentes da Força Nacional de Segurança Pública. Desde o ano passado, 31 agentes da Força Nacional atuam na cidade em apoio à Polícia Federal.

Leia também:  Marco Aurélio diz que Eduardo Bolsonaro como embaixador é "nepotismo"

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. QUEM NÃO CONHECE SUA HISTÓRIA…

    E apenas alguns anos depois, refazemos a história que escrevemos com os Haitianos. O Governo Brasileiro pode seguir com seu Projeto QuintoMundista quanto a um pequeno poblema localizado e temporário, desde que fique restrito aos ‘cafundós da Amazônia’. E desta vez para não ser pego de surpresa, como no caso dos haitianos, não permirtirá que o Governo de Roraima, envie estas pessoas para Rio de Janeiro ou São Paulo. Principlamente São Paulo, ainda mais às vésperas das Eleições. Lá abandonados à própria sorte no meoio da Amazônia, pouco barulho farão. Não é a cara de 40 anos Redemocráticos? Não é a face das nossas Elites Esquerdopatas? Elites que não são Elites? Não é o ápice de 88 anos de ditadura fascista fantasiada em farsante democracia? Só para mostrar o tamanho da mediocridade e incompetência, basta ver que as poucas centenas de Venezuelanos que migraram para o Brasil, não chegam perto do milhão de Venezuelanos que foram para à Colômbia. Você está vendo atrocidade semelhante nos países vizinhos que estão recolhendo estes Refugiados? Pobre país rico. O que fizemos desta Nação? O Brasil se explica.    

  2. O que nos espanta é não ter

    O que nos espanta é não ter ainda saído daquí do sudeste

    um voluntarioso repórter para ir até os confins de Roraima ouvir 

    o coronel papa-terras – Jucá –  dele saber, entre outras coisas,

    o que queria dizer, quando afirmou a máxima imorredoura: 

    …”com o supremo, com tudo”…

    E aproveitando o momento de desabrida insolência poderia

    também inquiri-lo sobre a bucólica e arejada vida campestre

    e os seus vastíssimos campos de soja. Só isso bastaria.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome